24

jan10

A campanha “Não Vire Bicho no Trânsito” e o preconceito contra animais

Campanha Não Seja Bicho no TrânsitoEstá chamando a atenção dos/as motoristas de vários estados nordestinos a campanha da empresa Bandeirantes Mídia Exterior que alerta para a incivilidade no trânsito. Nos outdoors, usam-se imagens dos rostos de pessoas fantasiadas de animais, estereotipam-se-lhes comportamentos mal-educados e passam-se mensagens para condutores/as não sujarem as vias, não atirarem xingamentos e não promoverem brigas de trânsito. Para a maioria das pessoas, são publicidades curiosas, mas, para a ética animal, não são nada engraçadas – são na verdade um assunto sério que merece ser levado a debate.

Reconheço que mesmo eu, até pouco tempo antes de escrever este artigo, via os outdoors dessa iniciativa como propagandas bizarras (no bom sentido), criativas e inocentes, até que uma palestra de Silvana Andrade, diretora da ANDA (Agência de Notícias de Direitos Animais), expôs a verdade que revelo abaixo.

Para o senso comum, a campanha é engraçada, uma ideia bem bolada que induz quem dirige a evitar o comportamento bruto característico de certos animais. Mas, pode uma análise crítica perceber, essa suposta estupidez animal é nada mais que um estereótipo negativo que a empresa de mídia publicitária está redivulgando à população.

Ao contrário do que a propaganda alardeia, o porco, embora possa curtir brincar na lama, é um animal que gosta de limpeza, sendo considerado por muitos/as zoólogos/as como um dos mamíferos domesticados mais limpos. A onça, por sua vez, é taxada de raivosa não por ser um bicho ranzinza por natureza (coisa que não é), mas por seus urros estridentes e por atacar e matar presas com aparente agressividade – ela o faz para comer, pois é carnívora.

Já o cão é acusado de ranzinzice pelos seus latidos, que são imaginados antropomorficamente como algo análogo a xingamentos e declarações de hostilidade. Mas bons/as tutores/as de cães sabem muito bem que eles são bichos muito dóceis e amigos e não é regra geral o au-au significar que o cachorro irá atacar o animal para quem está latindo.

Os outdoors, com sua zoomorfização indevida da incivilidade tipicamente humana, está recriando estereótipos preconcebidos para as três espécies das propagandas. Estão estimulando as pessoas a verem-nas com preconceito e antipatia: bichos sujos e brigões dificilmente serão vistos com simpatia e mesmo respeito.

Parece uma análise irrelevante, mas a antipatia pode significar muito em termos de respeito à vida animal. Quem afirma que odeia uma determinada espécie é muito mais capaz de desprezar, agredir e matar seus espécimes do que quem diz gostar dela ou não ter nada contra. Torna-se bem mais complicado respeitar e querer bem a um animal de que não se gosta, que é culturalmente rejeitado por ser visto como impuro, sujo, raivoso, assassino, e bem mais fácil torná-lo alvo de maus tratos.

Também é ferida a ascendente ética de direitos animais, que considera os bichos seres merecedores de respeito e dignidade – a empresa promotora da campanha em questão está tratando cães, porcos e onças com desrespeito e como seres indignos, uma vez que lhes associa imagens negativas e rejeitáveis. Esses animais não entendem que estão sendo desrespeitados e tratados culturalmente mal, mas poderão sentir as consequências vindas de pessoas mais desmioladas, com violência, abandono e declarações de que “só servem para fornecer carne ou casacos de pele”, proporcionados pela antipatia semeada.

A Bandeirantes Mídia Exterior está certa em conscientizar os/as motoristas a uma conduta civilizada, mas erra feio em impor a determinados animais uma má e odiosa reputação como bichos dotados de comportamentos repudiáveis. Fica o pedido para que a empresa continue seu apelo pela civilidade, mas deixe os animais, que estão sendo vítimas de estereotipação preconceituosa e prejudicial, de fora dessa campanha.

(A publicidade exposta nos referidos outdoors pode ser vista aqui: http://www.101macaco.com/os-frutos-exterior.php)

imagrs

2 comentário(s). Venha deixar o seu também.

Robson Fernando

janeiro 26 2010 Responder

Obrigado, Raquel =) Nem sei bem como retribuir.

Abração

Raquel

janeiro 26 2010 Responder

Excelente texto, parabéns!

Sua opinião é bem vinda, desde que respeitosa. Fique à vontade para comentar abaixo