26

fev10

BR-408 sim, Linha Norte não, e menos mata na Zona da Mata

Artigo escrito em outubro de 2009. Fala de um fato ainda corrente, que não perdeu a atualidade.

Foi lançado há algumas semanas [outubro de 2009] o EIA/Rima da duplicação parcial da rodovia BR-408, uma das principais vias da Zona da Mata Norte de Pernambuco. Com ele, um lamentável anúncio: uma área considerável de mata atlântica de municípios como São Lourenço e Paudalho será derrubada para dar lugar à segunda faixa da estrada e às suas margens.

Esse verdadeiro ecocídio poderia ser evitado se, em vez de mais asfalto, fosse reconstruída a velha ferrovia Linha Norte e/ou uma linha férrea paralela para passageiros, mas, como era de se imaginar, dessa ideia ninguém quis chegar perto.

44,71 hectares* de vegetação frondosa e biodiversa serão postos abaixo com a obra, afirma o EIA/Rima. E é de se considerar que todo governo vê como evidente o fato de que toda rodovia que cruza áreas florestais inevitavelmente causará desmatamento direta e indiretamente ao ser pavimentada ou duplicada. Mas isso não está impedindo o governo de levar adiante o empreendimento.

Havia a alternativa de, ou fazer uma Parceria Público-Privada com a Transnordestina S/A para criar na ferrovia Linha Norte uma linha de trens de passageiros – caso fosse possível a empresa trabalhar com passageiros –, ou construir uma ferrovia estatal paralela com o fim de transporte de pessoas. Para o transporte de cargas, a Transnordestina S/A poderia construir estações modernas na velha linha – depois da devida restauração dos trilhos – para se abastecer as indústrias da região.

A estrada-de-ferro, mesmo que tenha trechos construídos dentro de florestas, possui um impacto ambiental muitíssimo menor do que rodovias. Não fomenta a ocupação humana à beira dela e concentra toda a pressão urbana em torno das estações. Os trens, mesmo se passam de meia em meia hora numa linha de longa distância, poluem muito menos do que o enorme fluxo de carros, ônibus e caminhões de uma estrada de asfalto.

Mas como ferrovia é palavrão e tabu para nossos governos, essa opção, ao que parece, nunca foi vislumbrada como alternativa à desmatadora duplicação rodoviária. É preferível destruir um pedaço grande da já escassa mata atlântica a recorrer à solução ferroviária.

A duplicação da BR-408, julgo eu, está na mesma categoria de obras ambientalmente polêmicas em que se inclui a Via Mangue no Recife, por exaltar o uso do carro numa realidade de aquecimento global e exaustão de recursos naturais, causar impactos fortes e muito relevantes na vegetação ao redor, reafirmar a falta de preferência pelo transporte sobre trilhos (trens e VLTs) e favorecer os interesses de indústrias petrolíferas, automotivas e de pneus e empresas de ônibus – no caso da rodovia, de média e longa distância.

Está sendo dado um mau exemplo de como lidar com o meio ambiente ao se optar pelo desmatamento em vez de se estudar alternativas de transporte. A verdade é que, enquanto nossos governos continuarem desprezando os trilhos como modal de grande eficiência e ambientalmente amigável – mais ainda para passageiros –, o Brasil permanecerá sendo um país que não sabe conciliar seus meios de transporte e o meio ambiente.

BR-408, BR-101 nordestina, BR-319 na Amazônia… O governo sabe como estradas são vetores de desmatamento e que a opção ferroviária existe como alternativa, mas insiste em glorificar as primeiras e ignorar a última. Continuaremos lamentando a perda de muitos pedaços de florestas, cerrado, caatinga e outros biomas graças à atitude de valorizar apenas as rodovias.

*”A Área de Influência Direta do empreendimento comporta atualmente 157,34 ha de Mata Atlântica, sendo que os fragmentos contidos na área compreendida pela faixa de servidão do empreendimento (40m de largura) ocupam 39,20ha e na área compreendida pelas faixas de rolamento e de segurança do empreendimento (12,20m de largura) comporta 5,51ha do bioma.” (total de 44,71ha) Fonte: http://www.slideshare.net/vfalcao/rima-br-408-2184416

imagrs

1 comentário(s). Venha deixar o seu também.

Sua opinião é bem vinda, desde que respeitosa. Fique à vontade para comentar abaixo