26

fev10

Conformado com a mira

Artigo escrito em setembro de 2008, depois do sequestro e assassinato de Eloá Pimentel

O Brasil praticamente parou por causa da tragédia do seqüestro em Santo André, do mesmo jeito que no caso do ônibus 174 oito anos atrás. Mas infelizmente sei que mais uma vez a comoção generalizada novamente vai se reduzir à resignação e ao conformismo, como sempre. É um comportamento indesejavelmente freqüente no país esse ato de sentir pena e indignação temporárias e depois esquecer tudo como se nada tivesse acontecido.

É algo que, pode ter toda a certeza, nos põe como inferiores à população de diversos outros países nos quesitos cidadania, preocupação social e também respeito ao próximo e além do mais é uma das grandes causas de a criminalidade ter se consolidado tão solidamente por aqui.

Não gostaria de fazer comparação entre nações, mas me vejo obrigado a fazê-lo, e digo que é de causar vergonha do povo a que pertenço quando vejo na internet protestos no Canadá, na Argentina, na Finlândia e em outros cantos do mundo eclodindo quando mesmo casos isolados de atentado à vida e à segurança dos cidadãos acontecem.

Nesses países, basta que um episódio de violência (como a última chacina em escola na Finlândia) estampe os jornais ou as estatísticas de segurança pública apenas ameacem crescer (como em Buenos Aires em 2002) que o povo vai às ruas assegurar que a polícia não perca seu poder coercivo e o governo não amoleça nas políticas de bem-estar social. Ao seu modo, ora com cartazes e gritos ora com panelaços, o povo mostra que não se conforma quando sua liberdade e bem-estar são ameaçados e faz valer seu poder como senhor supremo de seu país.

Não é o que acontece no Brasil. Aqui os anos 90 e 2000 foram marcados pela promoção da violência urbana a níveis de guerra civil. Seqüestros já não ameaçam apenas gente endinheirada, bairros e municípios periféricos outrora tranqüilos estão dominados por assaltos e homicídios, casos de comoção nacional nos marcam numa freqüência muito maior que em outros lugares.

E nada além de medíocres “caminhadas pela paz” e breves manifestações orquestradas por quem acabou de perder um ente amado mostram que a população não quer estar alheia à plenitude de seus direitos de viver e de ir e vir. Nada mais do que parcos pontos de protesto num país de dimensão subcontinental e demograficamente robusto.

Lembrei de um episódio com um colega meu de faculdade, que pensava em viajar para o Canadá. Exaltava a sociedade daquela nação: “não tem violência, não tem pobreza, não tem engarrafamentos, etc.”. E fiz questão de “complementá-lo” com uma verdade – considerando que ele havia poucos dias antes demonstrado múltiplas vezes um lamentável derrotismo para com seu país: “Não tem povo conformista…!”. Adorei sua cara de tacho. Aquilo simbolizou uma espécie de “beliscão motivacional” num povo que desistiu do direito de viver em paz em sua terra natal. E terei um apetitoso prazer em repetir essa atitude sempre que houver a oportunidade para isso acontecer, com outras pessoas.

Entre os motivos para essa letargia popular perante a arma apontada para si, releva-se mais o sistema educacional obtuso que não induz os jovens a trabalhar com sua realidade social, não desperta a cidadania e prefere ensinar-lhes um conteúdo concentrado na utilitariedade laboral. É enfaticamente necessário, no entanto, mostrar que essa não é a razão única para essa alienação, porque se fosse, todos aqueles que já estudaram em grandes escolas e universidades do exterior e voltaram para cá iriam tocar muitas revoluções por aqui, e não é o que acontece. É algo mais enraizado na cultura e que merece muito debate intelectual.

Escancarar essas razões culturais de tanta alienação e conformação em ser refém das hostilidades sociais de seu país vai ser de muita utilidade para se acordar o povo. Isso o tempo dirá como acontece, mas por enquanto vai-se vivendo conformado com a mira.

imagrs

1 comentário(s). Venha deixar o seu também.

Paulo Luiz Mendonça.

julho 24 2011 Responder

A verdade.
A fé sem o dízimo não tem nenhum valor. Mas o dizimo sem a fé ajuda muito e é sempre bem vindo.
Acreditar em Deus ou não acreditar tem o mesmo valor, desde que você tenha convicção estabelecida pela sua própria consciência, não pela influência de terceiros.
Se tiveres dúvidas sobre sua existência pesquise, se tiveres medo se esconda atrás de sua fé e mais cômodo e menos cansativo.
A inteligência é a principal ferramenta que recebeste ao nascer, use-a o mais que puder, não tenha dó de submetê-la ao desgaste.
Os acomodados esperam ajuda das entidades divinas, os empreendedores a buscam no seu próprio trabalho e dignidade.
Se teu irmão não professa a tua fé, isso não impede que ele continue a ser seu irmão, nada no mundo pode mudar isso.
Tanto o ateu quanto o religioso, não sabem o caminho correto, se alguém tem um mapa é falso, pois mapa do tesouro escondido e ficção.
Consigo ver apenas um pequeno pedaço do universo, e um pequeno pedaço da terra, mas consigo ver com toda clareza a ignorância que assola a humanidade.
Se os seres humanos tivessem apenas instintos e não inteligência a terra seria um paraíso bem equilibrado.
Tudo está no saber pensar, saber refletir e saber executar, quem não tem este dom, deixa-se levar pela correnteza dos insensatos.
Os seres humanos são tão perigosos, que até os próprios humanos os temem, pois eles são sem sombra de dúvida, os mais perigosos dos inimigos.
Se os seres humanos pudessem ler o pensamento do seu semelhante, seria uma verdadeira catástrofe, pois isso mostraria o nosso lado sombrio e podre.
Não me preocupo com a morte, o que sempre me preocupou foi ver as religiões amedrontando as pessoas para poder dominá-las.
O temor do fogo do inferno, imposto a nós quando crianças é que levam a maioria das pessoas a buscarem alguma religião.
O medo mórbido do alem túmulo é o fator principal que fomenta a proliferação das religiões no nosso planeta.
Sobre crença e descrença em Deus, não se sabe quem está com a razão, pois até hoje ninguém voltou da morte para esclarecer nossas dúvidas.
Paulo Luiz Mendonça.

Sua opinião é bem vinda, desde que respeitosa. Fique à vontade para comentar abaixo