10

fev10

Faça isso com Júlia! (Parte 2)

Testes com porcos salvaram vidas no Iraque e Afeganistão

O Exército britânico realizou nos últimos cinco anos mais de 100 testes de explosivos com porcos, que permitiram salvar vidas no Afeganistão e Iraque, revelo o secretário de Estado da Grã-Bretanha para a Defesa, Quentin Davies.

Os testes foram executados em um laboratório militar de pesquisas entre 2005 e 2009. As autoridades britânicas alegam que os experimentos contribuíram para melhorar o tratamento dos ferimentos provocados sobretudo pelas bombas de fabricação caseira.

“Os estudos permitiram um avanço importante em técnicas pós-traumáticas, como a perda de sangue provocada por um ferimento importante, e salvaram muitas vidas nos cenários de operações no Iraque e Afeganistão”, declarou Davies.

As bombas de fabricação caseira são a principal ameaça diária para as tropas britânicas e internacionais no Afeganistão.

Um total de 256 militares britânicos morreram no Afeganistão desde a intervenção dos aliados em 2001, mais que na guerra das Malvinas contra a Argentina em 1982.

Mais uma notícia tendenciosa e antropocêntrica que exalta a suposta importância de testes muito cruéis. Vidas humanas foram salvas, mas e as vidas animais não-humanas? Perdidas mediante tortura!

Para quem faz esses testes ou os apoia, os fins justificam os meios. Ao meu ver, seriam capazes de explodir a Terra com toda a vida não-humana junto se fosse para salvar a humanidade.

Já para quem lê, é certa — exceto quando a pessoa já tem um senso crítico em relação a direitos animais,– a indução a aceitar que a crueldade e a tortura de animais são justificáveis quando se aplicam para salvar seres humanos.

Nem grito ALF, socorro!!! porque, se a ALF se investisse em libertar esses porcos, seria perseguida até o fim do mundo tanto quanto a Al-Qaeda, porque mexeram com um corpo militar.

 

Leia mais:
Faça isso com Júlia!

imagrs

Seja a primeira pessoa a comentar

Sua opinião é bem vinda, desde que respeitosa. Fique à vontade para comentar abaixo