20

mar10

Fatos ambientais sobre pecuária, pesca e aquicultura

Numa contribuição para o Dia Mundial Sem Carne, trago vários fatos ambientais sobre o que a pecuária, pesca e aquicultura estão fazendo com o mundo em prol do consumo de carne e outros alimentos de origem animal. Compilei-os num livro que estou escrevendo e trago-os com as devidas fontes:

– A pecuária é vista como uma das principais ameaças a 306 de 825 territórios terrestres de atenção ecológica e a 23 dos 35 hotspots de biodiversidade (áreas de alta biodiversidade que vêm sofrendo com altos níveis de degradação e desmatamento). [http://www.fao.org/ag/magazine/0612sp1.htm]

– Os pastos e as plantações de alimentos para ração animal – soja e milho – são os maiores vetores de desmatamento na América Latina. [http://www.fao.org/forestry/foris/data/cofo/2007/steinfeld_henning_livestocks_role_in_the_deforestation_process.pdf]

– Apenas a pecuária extensiva ocupa 27% de todas as terras emersas. A América do Sul, o que inclui óbvia e principalmente o Brasil, é uma das únicas regiões onde os pastos ainda estão se expandindo. Essa expansão é fomentada, entre outros fatores, pelo crescimento da demanda da população por alimentos de origem animal. [http://www.fao.org/forestry/foris/data/cofo/2007/steinfeld_henning_livestocks_role_in_the_
deforestation_process.pdf
]

– Entre 1994 e 2004, a área dedicada à plantação de soja mais que dobrou na América Latina, alcançando 39 milhões de hectares. Segundo a FAO/ONU, o principal responsável por essa explosão da sojicultura latino-americana foi o aumento da demanda das criações pecuárias de grande porte no leste asiático, especialmente na China. [ftp://ftp.fao.org/docrep/fao/010/a0262e/a0262e00.pdf]

– Um quilo de carne bovina pode requerer até 13 quilos de grãos. Um quilo de carne de cordeiro gasta 21 quilos de grãos. Um quilo de ovos de galinha, por sua vez, demanda o consumo de 11 quilos de grãos. [http://www.ajcn.org/cgi/reprint/78/3/660S]

– Apenas a pecuária gasta 8% de todo o consumo humano global de água, principalmente para a irrigação de plantações destinadas a alimentar criações animais. [http://www.fao.org/ag/magazine/0612sp1.htm]

– Em Botsuana, os animais de criação bebem 23% de toda a água consumida nacionalmente. [ftp://ftp.fao.org/docrep/fao/meeting/011/j9421e.pdf]

– Produzir um quilo de proteína animal requer até 100 vezes mais água do que um quilo de proteína de grãos, podendo em alguns países e sistemas específicos requerer até absurdos 200 mil litros, considerando-se todo o gasto em irrigação de plantações para alimentação animal e a ingestão de água pelos animais. [http://www.ajcn.org/cgi/reprint/78/3/660S]

– Um quilo de carne costuma requerer cerca de 20 mil litros de água para ser produzido, enquanto um quilo de arroz ou soja requer cerca de 2 mil litros. [http://www.anda.jor.br/?p=7444]

– Uma vaca leiteira bebe em média 130 litros de água por dia em dias não tão quentes. Assim sendo, um rebanho de 300 vacas consumirá em cinco meses um total de 5,85 milhões de litros de água. [http://www.dairyaustralia.com.au/~/media/Documents/Farm/Feeding cows/Feeding Systems/Other Information/Estimating Stock Water Requirements.ashx]

– Cada litro de leite produzido por uma indústria tradicional de laticínios representa o despejo de um litro de efluentes (resíduos líquidos) despejados na natureza. [http://ec.europa.eu/environment/etap/inaction/pdfs/feb07_dairy_no_water.pdf]

– Em 1998, um surto de infestação de algas matou, por esgotamento do oxigênio aquático, mais de 80% dos peixes que viviam em uma área marítima de 100 quilômetros quadrados no litoral de Hong Kong e redondezas. Foi identificado que as algas se propagaram a partir da poluição orgânica lançada de criações animais de grande porte situadas naquela área do sul da China, as quais confinavam principalmente porcos e galináceos. [ftp://ftp.fao.org/docrep/fao/010/a0261e/a0261e00.pdf]

– No mesmo ano, um estudo de 1600 poços localizados próximos a fazendas-fábrica nos Estados Unidos descobriu que 34% daqueles poços estavam contaminados por nitratos, um dos principais poluentes emitidos de resíduos da pecuária, e, dentro dessa quantidade, 10% do total de poços tinham níveis de nitratos acima dos níveis de tolerância para água potável. [ftp://ftp.fao.org/docrep/fao/010/a0261e/a0261e00.pdf]

– Em diversos países da Ásia, 25% de toda a área agriculturável sofre contaminação com a descarga de quantidades excessivas de nutrientes, sendo a pecuária um dos principais responsáveis por essa descarga. A pecuária emite cerca de metade do fósforo excessivo que contamina essas terras. [ftp://ftp.fao.org/docrep/fao/010/a0261e/a0261e00.pdf]

– A pecuária em 2005 já era responsável direta pela emissão de grande parte de diversos gases poluentes e alimentadores do efeito-estufa: 15% do metano, 17% do óxido nitroso e 44% da amônia globalmente emitidos pelas atividades humanas. Esses 15% de metano correspondia a nada menos que 90 milhões de toneladas anuais. [ftp://ftp.fao.org/docrep/fao/010/a0261e/a0261e00.pdf]

– Uma epidemia de gastroenterite ocorreu na cidade de Walkerton, na província canadense de Ontario, em maio de 2000. 1300 casos, incluindo seis mortes, foram contabilizados por ingestão de água contaminada. As autoridades de saúde pública confirmaram como fonte mais evidente o despejo de estrume bovino na água. [http://www.nrdc.org/water/pollution/ffarms.asp]

– Entre 2003 e 2008, a pecuária foi responsável em média por 75% do desmate na Amazônia e 56% no Cerrado. [http://www1.folha.uol.com.br/folha/ambiente/ult10007u665209.shtml]

– Pelo menos 50% das emissões brasileiras de gases-estufa vêm sendo causadas pela pecuária. [http://www1.folha.uol.com.br/folha/ambiente/ult10007u665209.shtml]

– Em 2008, a emissão total de gases-estufa pela pecuária no Brasil foi equivalente a 813 milhões de toneladas de CO2. Em 2003, ano em que o desmatamento foi ainda maior, foi de 1,1 bilhão. [http://www1.folha.uol.com.br/folha/ambiente/ult10007u665209.shtml]

– Redes de arrasto abandonadas, perdidas ou descartadas representam 10% de todo o lixo oceânico do planeta e continuam capturando e matando animais mesmo depois de abando-nadas pelo barco ou navio pesqueiro. [http://www1.folha.uol.com.br/folha/ambiente/ult10007u561999.shtml]

– A pesca em grande escala está ameaçando nada menos que 75% da população de peixes do mundo, segundo estudo da WWF de 2008. [http://www1.folha.uol.com.br/folha/ambiente/ult10007u479750.shtml]

– Na faixa territorial oceânica brasileira, 80% das espécies mais procuradas por pescadores estão ameaçadas de extinção por causa da sobrepesca e da pesca por redes de arrasto. [http://www.ecodebate.com.br/2009/09/04/pesca-predatoria-aponta-para-inseguranca-alimentar-e-a-extincao-do-modo-de-sustento-de-algumas-comunidades/]

– 80% dos bancos de pesca mundiais estão em declínio ou esgotados. [http://www.ecodebate.com.br/2009/09/04/pesca-predatoria-aponta-para-inseguranca-alimentar-e-a-extincao-do-modo-de-sustento-de-algumas-comunidades/]

– A pesca em 2010 estava num ritmo duas a três vezes superior à capacidade de regeneração das populações aquáticas das águas do planeta. Em tal ritmo, todas as espécies “pescáveis” terão desaparecido em 2050. [http://noticias.terra.com.br/mundo/noticias/0,,OI4281337-EI294,00-Terra+e+incapaz+de+acompanhar+ritmo+atual+de+consumo+de+carnes+e+pescado.html]

– A população de peixes está diminuindo consideravelmente em diversos locais do mundo onde é pescada. A população de atum-azul diminuiu 10% em relação a meados do século 20 no Oceano Atlântico e no Mar Mediterrâneo. Na costa da Escandinávia, já foi extinta. Nas fazendas de aquicultura da Europa, caiu 25% em apenas um ano. [http://noticias.terra.com.br/mundo/noticias/0,,OI4281337-EI294,00-Terra+e+incapaz+de+acompanhar+ritmo+atual+de+consumo+de+carnes+e+pescado.html]

– Pesca e pecuária estão interligadas: rações preparadas a partir de peixes representam 37% do total de peixes retirados anualmente dos oceanos; 90% dessa porcentagem são trans-formados em óleo e farinha de peixe. Dessa farinha e óleo, 46% são utilizados como alimen-to na aquicultura de peixes e outros 46% são destinados para ração da pecuária suína e aviária. [http://www.ecodebate.com.br/2008/10/31/um-terco-da-captura-mundial-de-peixe-e-desperdicado-na-producao-de-racao-animal/]

– Das 30 espécies de tubarões pelágicos, que vivem em alto-mar, 11 correm em risco de extinção por causa da pesca que captura ora tubarões inteiros, ora suas barbatanas (nesse caso os tubarões são abandonados à morte depois de mutilados). [http://noticias.ambientebrasil.com.br/noticia/?id=38350]

– A pesca profunda com redes de arrasto é capaz de levar embora, junto com os animais “pescáveis”, até 4 toneladas de corais, o que vem contribuindo para a ameaça mundial que os recifes de coral estão sofrendo. [http://www2.uol.com.br/sciam/artigos/pesca_e_pesquisa_no_mar_profundo_imprimir.html]

– A aquicultura é uma grande inimiga dos manguezais do planeta. Graças a ela, a Tailândia perdeu mais da metade do seu manguezal a partir de 1960 e as Filipinas perderam cerca de 338 mil hectares de mangues em 70 anos. [http://www.bvsde.paho.org/bvsaidis/uruguay30/BR09543_Oliveira.pdf]

– Uma fazenda de carcinicultura que produz mensalmente 675 toneladas de camarão “bruto” pode emitir à natureza 13 mil metros cúbicos por mês de água residual sem tratamento. [http://dialogos.ftc.br/index.php?option=com_docman&task=doc_download&gid=88&Itemid=15]

– Entre 1973 e 2005, os manguezais da costa de Pernambuco tiveram 2.052 hectares desmatados, dos quais foram restaurados ou expandidos 1.526ha no mesmo período. Dos 526ha de mangue que não foram restaurados, 197 foram convertidos em tanques de aquicultura, nada menos que 37% da destruição não revertida. [http://marte.dpi.inpe.br/col/dpi.inpe.br/sbsr@80/2008/11.16.16.44/doc/4599-4606.pdf]

– É estimado que a carcinicultura nos arredores de Bangcoc, capital da Tailândia, despejem a cada ano cerca de 1500 toneladas de nitrogênio e 146 de fósforo nos ecossistemas estuari-nos, causando a proliferação de algas, a morte de corais e alterações nas comunidades das áreas alagáveis das proximidades. [ftp://ftp.sp.gov.br/ftppesca/34_1_163-173.pdf]

Pense bem no que a carne (e o leite e os ovos) do seu prato está fazendo com o meio ambiente. Encare que seu prato está ajudando a exaurir e destruir a vida no planeta. Mas você pode mudar isso — ou pelo menos fazer sua parte, nada mais honroso –: abandone o consumo de carne e outros alimentos de origem animal. Você vai achar difícil, mas não é tão difícil. Basta força de vontade e disposição para explorar a vastíssima culinária veg(etari)ana.

imagrs

3 comentário(s). Venha deixar o seu também.

rafael

dezembro 2 2013 Responder

isto é muito grande

Samory Pereira Santos

março 21 2010 Responder

Bela pesquisa Robson!

    Robson Fernando

    março 21 2010 Responder

    Valeu, Samory =)

Sua opinião é bem vinda, desde que respeitosa. Fique à vontade para comentar abaixo