09

mar10

Trens serviam os nazistas. Navios servem os pecuaristas

10 mil animais são embarcados em navio para serem mortos no Líbano

Neste domingo (7), 10 mil animais foram exportados do Porto de Rio Grande (RS), a caminho de novos centros de concentração de animais: as fazendas de criação e exploração localizadas no Líbano. A bordo do navio-curral Almawashi, do Panamá, os animais serão transportados até o Líbano, onde serão descarregados no porto de Beirute. A viagem leva até 23 dias.

O Brasil, como peça chave na criação e no fornecimento de animais, infelizmente, ainda protagoniza essa indústria cuja matéria prima é o sofrimento, a tortura e a exploração praticados contra esses seres que são, como nós, sujeitos de direito e cuja senciência é comprovada.

Esses animais condenados pelas mãos humanas ao sofrimento não são poupados em nenhum momento, sendo tratados sempre como se fossem meras mercadorias.

A pecuária é uma indústria mórbida, cruel e consiste na criação e exploração de animais para o consumo humano. No entanto, para que ela exista, é necessário que haja quem consuma o seu produto final, que é a carne derivada da morte desses animais. Enquanto houver um mercado de consumo, o negócio prospera.

Essa cadeia de sofrimento só terá fim quando houver uma mudança definitiva no comportamento de cada indivíduo que ainda consome os produtos derivados dessa indústria sanguinária e cruel.

As únicas diferenças entre o carregamento de vidas que está indo para o Líbano ser exterminado e os carregamentos de vidas que viajavam de trem para os campos de concentração para que as mesmas fossem também exterminadas são as espécies e o meio usado: o nazismo usava trens, a pecuária usa navios.

Ferrovia que rumava para um campo de concentração nazista. Hoje são navios que levam as vidas para serem ceifadas no destino.

imagrs

Seja a primeira pessoa a comentar

Sua opinião é bem vinda, desde que respeitosa. Fique à vontade para comentar abaixo