14

abr10

Boa notícia: votação do ecocídio retirada de pauta

Projeto de supressão vegetal sob análise

O projeto de lei do Governo do Estado que visa a supressão vegetal de uma área de 1.076 hectares no Porto de Suape, sendo 893,4 hectares de mangue, 17,03 de mata atlântica e 166,06 hectares de restinga, foi retirado da pauta de votação da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Assembleia Legislativa de Pernambuco. Houve a retirada para que houvesse a discussão sobre a matéria em audiência pública realizada ontem e, até agora, não existe certeza se a matéria será apreciada pelos parlamentares na próxima sessão, daqui a sete dias.

O projeto já tinha sido distribuído aos membros da CCJ na semana passada, mas a deputada Jacilda Urquisa pediu vista alegando que a proposição precisava ser melhor analisada. A proposta é o desmatamento da vegetação nativa em favor da implantação de um cluster naval (polo concentrador de indústrias navais). Na audiência, associações de moradores e pescadores do local afetado reclamaram muito porque perderiam suas atividades de trabalho. Fala-se que os empregos que serão gerados não beneficiarão diretamente os moradores, restando apenas pequenos serviços.

O parlamentar Pedro Eurico falou que não existe utilidade pública nem interesse social na ação governista, pela extinção do mangue e atenção aos interesses de grupos privados (estaleiros). Ademais, pede-se a atualização do Estudo e Relatório de Impacto Ambiental (Eia-Rima), que consta do ano de 2000.

Uma boa notícia, com certeza. É totalmente necessário ouvir mais profundamente o povo — incluindo os pescadores, que eu não apoio mas são um contrapeso muito considerável contra qualquer iniciativa de ecocídio estuarino, fluvial e marinho — para que se saiba por que o desmatamento é algo completamente prejudicial e desnecessário. Ouvir o povo vai melhorar a percepção d@s integrantes da Comissão de Constituição e Justiça e fará-l@s derrubar o nefasto projeto de lei ecocida.

imagrs

Seja a primeira pessoa a comentar

Sua opinião é bem vinda, desde que respeitosa. Fique à vontade para comentar abaixo