16

abr10

Cidadã diz “Basta” aos maus políticos e políticas brasileiros/as

Texto de Mirna Cavalcanti de Albuquerque, direto do Centro de Mídia Independente. Seu desabafo precisa ser divulgado.

Obs.: as referências do artigo a Deus não refletem a posição do Arauto da Consciência sobre o mesmo.

Brado de Indignação. leiam-no os cidadãos, leiam-no os homens públicos
Por Mirna Cavalcanti de Albuquerque, no Centro de Mídia Independente

Estou farta de tudo e de todos os que estão a agir em proveito próprio e em detrimento do povo brasileiro.

Fartei-me da impunidade,
Fartei-me de uma sociedade inerme,
Fartei-me de ouvir: “nada podemos fazer”…
Fartei-me de ver irresponsáveis representantes do povo receber salários incompatíveis com a realidade brasileira;

Fartei-me de vê-los legislar em causa própria;
Fartei-me de políticos sem dignidade, sem decoro, sem vergonha, sem bom caráter: mentirosos da Nação!

Fartei-me de pagar impostos cujos valores são desviados para pagar a boa vida de prefeitos, vereadores, deputados, senadores: os “representantes” de nós todos. Desavergonhadamente vivem às nossas expensas sem a devida contra partida: o trabalho que deveriam desempenhar com patriotismo no coração.
Fartei-me sim! Fartei-me de corruptos e corruptores em todos os níveis da Nação: sejam membros dos Três Poderes, sejam meros cidadãos.

Fartei-me de prisão especial para os que têm curso universitário: se o tem, deveriam mais entender e agir com decência.
Nada de tratamento especial: bandido, ladrão, tem que ir para a prisão junto com os demais “colegas”. Basta de desigualdade social:
Bandido é bandido: com estudo ou não.

Fartei-me ainda mais de ouvir deslavadas mentiras, de ver criminosos do “colarinho branco” Serem tratados com deferências inaceitáveis e saírem da cadeia (especial) para reassumir a posição de deputados.
Teria, por absurdo, algo a dizer, o “ex-governador” Arruda?
Se não pode continuar a governar o DF, como pode voltar a ser deputado?
É chorar mais um pouco, da Tribuna do Senado. Deu certo uma vez, acostumou:
chorar é preciso…(perdoa-me, Pessoa) ser honesto, não é preciso”…

Fartei-me de planos e mais planos: assistencialismo sem real expressão: seu fito é a “compra” de votos para as eleições: demagogia concreta e barata …
Fartei-me de ver obras serem inauguradas sem nem mesmo estarem terminadas, nesse “vale tudo” dos desavergonhados.
Fartei-me de ver descumprida nossa Constituição sempre que for de interesse daqueles, políticos ou não, invocar seus Sagrados “Princípios” na defesa infrutífera de indefensáveis atos de escancarada corrupção.
Fartei-me de ver a “igualdade desigualada” ser o fundamento para instituição de tantas e desnecessárias “Secretarias” e Ministérios para dar emprego aos seguidores do chefão… 37? 38? Quantos agora são? E qual o valor de seus legais mas imorais salários? Qual?… Quanto custa isso tudo, afinal, para os cofres do Estado?
Cabe a NÓS pagar os escorchantes salários aos que pouco ou nada fazem para os que lhes elegeram na boa-fé, acreditando em suas mentirosas promessas.
O sistema “suga” uma grande parte dos já minguados salários dos que realmente trabalham: os crédulos, os bons e, quando precisam: onde as escolas? Onde os hospitais? Onde? Onde???…
Morrem muitos ignorantes…
Suas tristes vidas são ceifadas prematuramente em filas de hospitais, nos quais muitas vezes sequer há remédios, nem o devido atendimento. Negam-lhes socorro (“A Saúde é dever do Estado e Garantia do cidadão”, determina a Constituição)! É-lhes negada não só a dignidade, como o próprio Direito à Vida
Fartei-me sobremaneira, de constatar que os aposentados e pensionistas deste nosso amado Brasil têm sido reiteradamente ludibriados por presidentes, pela legislação, por senadores e deputados quanto aos valores de suas aposentadorias.
Fartei-me há anos e tenho muitas teses escrito em sua defesa: já ao receber o primeiro “benefício” este vem calculado de forma que o valor inicial do mesmo é bem menor – e isto tem ocorrido, bem antes do malsinado “Fator Previdenciário”, que só o fez ficar ainda menor.
Fartei-me, a este respeito, quando FFHHCC e seu então ministro Stephanes mentiram, frente a tudo e frente a todos que (sic) “beneficiaria o segurado” …
Fartei-me por demais, quando Lula, dos palanques de campanha afirmou reiteradas vezes que com ele acabaria e depois, “esqueceu-se” (como de costume): “não há dinheiro para isso”…
MAS HÁ DINHEIRO PARA GASTOS OUTROS …E DESNECESSÁRIOS!
Fartei-me de leis injustas, elaboradas por incapazes “fazedores de leis”.
Fartei-me de decisões de alguns juízes, que usam dois pesos e duas medidas , dependendo dos acusados: se têm dinheiro ou não.

Fartei-me de desculpas inaceitáveis, quando ocorrem chuvas, mesmo que fortes e há deslizamentos e muitas mortes, pois as autoridades (in)competentes deixaram construir em encostas e sobre lixões.
Farto-me, sim farto-me, quando vejo ser descumprida nossa Constituição sempre que for no interesse daqueles, políticos ou não, invocar os “Princípios” na defesa de seus indefensáveis atos: de escancarada corrupção.
Fartei-me de ver crianças pequenas abandonadas nas ruas, por pais (que não são pais) e pelo Estado: com fome, prostituindo-se algumas, viciadas a maioria, transformadas em párias mesmo da sociedade, vez que as “garantias constitucionais”, para elas, não passam de meras palavras que os maus políticos fazem questão de desrespeitar: querem é “subir” e aproveitar (ou “gozar”, como disse certa vez, uma inexpressiva ministra-psicóloga-sexóloga que sonhava com a presidência e deu-se mal dentro do próprio “partidão”). Tomou-lhe o lugar a ministra-chefa da Presidência: aquela, foi péssima prefeita, esta, “orgulha-se” sem razão alguma, de ser quem é (ou não é…)
Sinceramente: entre as duas, não sei qual seria a pior para a posição: as duas são péssimas, carecem do perfil, sob qualquer ângulo que se lhes examine, para poder vir a ser (uma ou outra)…melhor: nem uma nem outra tem condições quaisquer que sejam para ascender à presidância do Brasil.

BASTA! Que ecoe alto e forte este meu brado de indignação!
Ouçam-no todos os brasileiros, façamos juntos um coro, um refrão:
BASTA! Temos garantidos em altura constitucional nossos Direitos Fundamentais.

Acima e além: Direitos Naturais, concedidos por Deus, e a estes, há que respeitá-los todos:políticos, juízes, cidadãos: TODOS, SEM EXCEÇÃO

Farta estou, sim, mais do que farta: da maldade, da ignorância, da falta de seriedade, da indignidade, da irresponsabilidade, da falta de ética, da imoralidade, de tantas “qualidades” de quantos assim são, nesta podre sociedade: não importa se pertencentes ao governo ou não: “o exemplo vem de cima” … e como o “que vem de cima” é inqualificável, inclassificável, considerando-se a moral(ética): grande parte “dos que estão em baixo” , acham-se no direito de imitar tal procedimento e, em qualquer posição que ocupem, tendo mau caráter, fazem de tudo para “tirar vantagem” em toda e qualquer ação, sempre em detrimento dos demais: tudo isso vemos, vivenciamos…

É isso que deixaremos como legado, se não unirmos nossas forças e atuarmos como cidadãos indignados.

Mirna Cavalcanti de Albuquerque OAB/RJ 004762

**************

E enquanto isso, Mirna, o povão vai dançando o “Roubolation” e o “Funk do Sarney” e se entretendo com os Casseta & Planeta da vida, mostrando que corrupção não é motivo de vergonha e indignação, mas de risada e diversão.

imagrs

3 comentário(s). Venha deixar o seu também.

sergio lima couto

junho 28 2010 Responder

Comentário editado por ofensa à autora. Caso você tenha algo contra Mirna e deseja expor sua contrariedade, faça-o com argumentos e denúncias fundadas, não com xingamentos.

Não conheço Mirna, assim como a maioria dos brasileiros não conhece. Se ela tem algo que comprometa sua reputação, esse algo deve ser dito racionalmente. O Arauto não é repositório de ofensas a pessoas (eu ou qualquer outro autor ou comentarista).

Atenciosamente,
RF

Mirna Cavalcanti de Albuqueque

abril 16 2010 Responder

Robson Fernando,

pronuncio-me aqui, pois passou-me desapercido se havia alguma janela para pronunciar-me referentemente ao meu artigo “Brado de Indignação….”

Primeiramente, agradeço-te por tê-lo postado e a maneira como o fizeste.

Quando escreveste que ‘não comungas com o pensamento do autor sobre DEUS’, faço questão de dizer-te que respeito toda e qualquer religião- ou mesmo sua ausência.
O Deus ao qual me refiro, pode ter qualquer nome – ou nome algum.
Pode Ser a Força Geratriz da Vida, a Energia Criadora … algo ou um Ser que a tudo isso criou. Este é o meu pensar.

Referentemente ao Direito Natural, vi que não me expressei como devia tê-lo feito. Entendo por este
Direito, o que todos nós temos por havermos nascido, por estarmos existindo. Pode – e deve, estar dissociado de fé e de religião.

Fé, temos ou não. Eu a tenho, apesar de não seguir religião qquer que seja. Sinto-me parte minúscula, insignificante mesmo do Grande Todo, do Universo. Não posso seguir religiões, pois sinto-me ligada ao Maior.

Religião, vem do latim “RELIGARE”. Ora, como posso ‘religar-me’, se nunca me senti apartada?

Vivo e ajo consoante o que todos podem ler. Sou o que escrevo. Sou o que sinto. Sou o que penso. Nada mais, nada menos.

Minhas poesias, por exemplo, refletem quem sou. Nada escrevo para soar bem, para agradar quem vai ler, para dar ‘mais ibope’… NÃO!

Quem quiser conhecer-me, minha biografia são meus ‘escritos’.

Parabenizo-te pelo teu BLOG , pelo teu sentimento de solidariedade e cidadania, por tua dignidade e solidariedade, pelo bom caráter que demonstras ter – e forte .
Assim que tiver mais tempo, virei ‘visitar-te’ E LER, COM PRAZER, O QUE AQUI ESTÁ..

Mais uma vez agradeço-te pela ‘força’ de tua divulgação. Há que fazermos algo bara dar um ‘basta’ forte e sonoro à anarquia vergonhosa e repugnante que os maus políticos instauraram em nosso país. E tudo em detrimento do cidadão.

Um fraterno abraço,

Mirna Cavalcanti de Albuquerque

PS – ainda não tenho um Website, mas é um dos meus objetivos

NOTA: escrevo para a internet há uns 2 anos. parei por 6 meses e voltei.
Estou ‘iniciando’ em blogs. Se quiseres “dar uma olhadinha”:

http://pt.netlog.com/florbela_br/blog#/florbela_br/blog/

http://mirnacavalcanti.wordpress.com/2010/04/15/brado-de-indignacao-leiam-no-os-cidadaos-leiam-no-os-homens-publicos/

http://direitossociaisnegados.blogspot.com/2010/04/brado-de-indignacao-leiam-no-os.html

http://twitter.com/mirnacavalcanti

    Robson Fernando

    abril 16 2010 Responder

    Obrigado, Mirna, pela apreciação de meu trabalho — e também por gostar que seu texto seja divulgado.

    Sobre sua crença, nada tenho contra, ainda mais pelo fato de você não se deixar guiar por normas “divinas” que orientem a atos perversos (homofobia, submissão feminina, especismo etc.). E gostei do que você fala sobre seu trabalho de escrita. Vou visitar seu(s) blog(s).

    Abs

Sua opinião é bem vinda, desde que respeitosa. Fique à vontade para comentar abaixo