29

abr10

O “movimento” Manguebrita de Eduardo Campos, segundo Sérgio Xavier

Ótimo texto de Sérgio Xavier, presidente estadual do Partido Verde. Tristemente a filosofia de convivência com o mangue falada pelo manguebeat está dando lugar ao “Manguebrita”, paradigma da destruição de mangues em nome do progresso.

Na contramão do MangueBeat, governo lança MangueBrita em Suape
por Sérgio Xavier, no seu blog

Nos anos 90, com Chico Science e Fred Zeroquatro, Pernambuco se notabilizou com o movimento MangueBeat, arte inspirada na diversidade e importância dos nossos manguezais. http://bit.ly/b5SZU7

Agora, desejando cobrir de concreto o imenso manguezal de Suape, o Governo do Estado lança o que podemos chamar de MangueBrita.

É o velho poder econômico varrendo o bom senso e impondo caminhos sem qualquer imaginação, sem sequer avaliar se não há alternativas mais inteligentes, equilibradas e também lucrativas.

Assusta constatar que planejadores e gestores governamentais sempre optam por saídas baseadas na exclusão. OU fábricas OU mangues. OU pescadores OU técnicos. OU pequenos agricultores OU gerentes de indústrias. Nunca passa pelas suas cabeças mecanicistas a idéia de que é possível somar, integrar, e ter tudo isso ao mesmo tempo: fábricas, mangues, agronegócios, matas, turismo, rios, assegurando espaços para pescadores, doutores, operários, comerciantes, agricultores, cidadãos de hoje e gerações futuras.

Se observassem a riqueza equilibrada do próprio manguezal perceberiam que o segredo da sua vitalidade é exatamente a complementaridade, a convivência colaborativa, a megadiversidade, o funcionamento sistêmico. Se a natureza é tão perfeita, porque não seguir seu exemplo? Em vez de matar o mangue seria mais inteligente aprender com ele, imitá-lo na economia e aproveitar sua riqueza com sabedoria e sensibilidade.

Talvez esses tensos senhores estejam precisando descontrair, pegar uma praia, tomar uma cervejinha gelada, ouvir boa música e pensar melhor:
“Uma cerveja antes do almoço é muito bom, pra ficar pensando melhor”, Chico Science e Nação Zumbi

MAR DE CONCRETO

O Projeto de Lei Nº 1496/2010 ( http://bit.ly/afcWcg ), proposto pelo governador Eduardo Campos, visando desmatar 1.076 hectares de mangues e matas nativas no porto de Suape (quase 11 milhões de metros quadrados) foi aprovado esta semana pela Assembléia Legislativa, mesmo com parecer contrário da Comissão do Meio Ambiente http://bit.ly/d234s8 .

Entre os 40 deputados presentes, apenas 11 votaram contra, entre eles, Lucrécio Gomes, do Partido Verde (PV) http://bit.ly/aO30nK

Nas negociações pelos votos dos parlamentares, sem maiores explicações, o governo anunciou redução do desmatamento do mangue: de 893 para 508 hectares – 385 hectares a menos que a proposta inicial. Com essas mudanças, decididas em reuniões fechadas, sem apresentação de estudo consistente ou justificativa pública, fica uma grande dúvida sobre a real necessidade e viabilidade do megadesmatamento. Se 385 hectares não precisam ser devastados por que estavam inseridos na lei? E como esta parte minoritária conseguirá sobreviver desmembrada dos 508 que serão extintos? Será que não é apenas um jogo para destruir tudo depois?

“PV reage à aprovação de projeto na Alepe” http://bit.ly/clk1Mr

O texto original revela a total falta de compromisso socioambiental do governo. São 13 páginas listando friamente as áreas a serem desmatadas, apenas 6 linhas citando burocraticamente as “compensações ambientais” e nenhuma palavra, isso mesmo, zero, sobre os impactos e as possíveis compensações sociais. Sabemos que na região existem comunidades que vivem da pesca, que serão diretamente afetadas com a supressão radical dos manguezais, mas a Lei não dá a mínima atenção a isso.

SUAPE E O MITO DO CRESCIMENTO A TODO CUSTO

É hora de abrir um debate transparente sobre o papel de Suape no desenvolvimento de Pernambuco. Há muita propaganda, mas a realidade mostra-se menos generosa. Como explicar que em meio a tantos investimentos, que atingem bilhões de dólares, o município de Ipojuca, que sedia o complexo, tem mais de 32% de analfabetos, 61% com renda familiar abaixo do mínimo e 64% sem saneamento? Algo está errado. O “crescimento econômico” não está gerando o desejável desenvolvimento social.

Portanto em vez de praticar mais devastação o governo precisa realizar as compensações socioambientais pendentes, prometidas, formalizadas e nunca implementadas, e construir, junto com a sociedade, um plano consistente de inclusão social e sustentabilidade ambiental. Somos favoráveis à instalação de novas empresas em Suape, mas é plenamente possível que isso seja feito preservando nosso patrimônio natural. Em vez de trocar um grande mangue, uma grande “fábrica natural”, por outra artificial, queremos garantir as duas coisas: as fábricas e os mangues. Esta é a tendência do mundo desenvolvido no século 21: a convivência pacífica e harmoniosa da economia com a ecologia e o social. Este é o desenvolvimento sustentável que tanto defendemos.

Não queremos apenas barrar a devastação, nosso desejo é formular um ecoplanejamento para transformar Suape em um modelo de convivência equilibrada de todas as vocações da região: turística, residencial, histórica, ambiental, portuária e industrial. Não podemos olhar só para uma dessas vocações e comprometer as demais. Não podemos destruir uma “fábrica” natural de peixes, crustáceos e outros inúmeros “bioprodutos”, que têm valor ecológico, econômico e social, para colocar no lugar um negócio que pode beneficiar uns poucos e prejudicar muitos, hoje e no futuro. E que é irreversível do ponto de vista ambiental e, por isso, condenável do ponto de vista ético. Como nos ensina o mangue, é preciso estudar formas de obter todas as coisas simultaneamente, de uma forma onde todos participem e sejam beneficiados, garantindo o bem comum.

SUAPE SUSTENTÁVEL

Há poucos dias, sobrevoei o complexo de Suape com a senadora Marina Silva (PV-AC), e o ex-presidente do Ibama, Bazileu Margarido. Registramos imagens aéreas, coletamos dados e estamos reunindo informações com especialistas de diversas áreas do conhecimento para propor um modelo de desenvolvimento sustentável para o complexo industrial e portuário (é lamentável que o governo com tanta estrutura e recursos não esteja fazendo isso). Os verdes querem discutir formas de instalar novas empresas em Suape e em outros pontos do Estado, descentralizando e interiorizando a geração de oportunidades, sem comprometer ainda mais o equilíbrio socioambiental do nosso Estado. As intervenções realizadas anteriormente em Suape já geraram reflexos muito graves, como a mudança de hábitos dos tubarões, que migraram para Boa Viagem (já mataram dezenas de pessoas e afetaram o turismo), e a erosão na orla de Jaboatão. Precisamos evitar novas tragédias ambientais.

DEBATE EM VEZ DE DESMATE

A Lei foi aprovada, mas a luta para garantir a instalação de empresas sem acabar com os mangues, rios e matas não está perdida. Antes do desmate é fundamental o debate. A força da sociedade é maior que os encaminhamentos burocráticos de um Governo e de uma Assembléia, feitos sem apreço pela transparência e pela discussão profunda. Impressionam a superficialidade e ligeireza das discussões e a falta de argumentos convincentes para tamanha devastação. A “Lei do UltraDesmatamento” tem aspectos muito preocupantes. Seguem alguns:

– Não considera impactos socioeconômicos sobre as comunidades locais

– Não tem base em EIA/RIMA atualizado, portanto não se sabe, por exemplo, onde vai explodir a força das marés, se estas forem desviadas do vai-e-vem natural da área estuarina (vão bater ainda mais na orla de Jaboatão? Quem sabe?)

– Não considera outras potencialidades econômicas da região, como Pesca e Turismo (nem considera o valor econômico e financeiro do próprio mangue vivo, que pode ser objeto de projeto de compensação de carbono)

– O histórico de Suape mostra que nunca são realizadas as prometidas compensações socioambientais (o que se vê é o oposto)

– Não são apresentados dados que mostrem resultados socioeconômicos (desenvolvimento humano imediato) que demonstrem “compensar” tamanha destruição (os indicadores sociais de Ipojuca são uma prova de que o “crescimento econômico” não está se traduzindo em melhoria de vida das pessoas: Enquanto Pernambuco tem 24% de analfabetos (um numero assustador), Ipojuca é ainda pior: tem 32% de analfabetos, 65% sem saneamento e 61% com renda familiar abaixo do salário mínimo (e ostenta um dos piores IDHs – Índice de Desenvolvimento Humano do Estado).

– Falta total de transparência do governo. Ninguém sabe como será o projeto de expansão, não foi divulgado o novo plano diretor. Estudos sobre os problemas do complexo (realizados recentemente por instituições internacionais) estão engavetados. O governo aparece mais preocupado em defender o interesse das empresas do que o grande interesse público.

– Além disso, não sabemos o quanto de investimento público está sendo aplicado nesta operação. Certamente estes recursos seriam melhor aplicados em um grande programa de descentralização da industrialização, com incentivos a projetos com tecnologias sustentáveis.

– A indústria naval é um setor muito problemático no Brasil, cujo futuro é uma interrogação. Há estaleiros abandonados no Rio e em outros lugares.

Por tudo isso, avançaremos nesta luta com muita firmeza. Queremos Pernambuco como modelo de desenvolvimento inovador e sustentável e não como referência do velho modelo econômico, baseado no crescimento a todo custo, na exclusão e na degradação ambiental.

Hora de resgatar o conceito-mangue e avançar por novos caminhos!

“Da lama ao caos, do caos a lama…
Ô Josué eu nunca vi tamanha desgraça
Quanto mais miséria tem, mais urubu ameaça”, Chico Science e Nação Zumbi

imagrs

1 comentário(s). Venha deixar o seu também.

Carla

abril 29 2010 Responder

Muito bom! Finalmente um discurso realmente novo na nossa politiquinha tradicional.

Sua opinião é bem vinda, desde que respeitosa. Fique à vontade para comentar abaixo