29

jun10

Luizianne Lins rejeita destruir mangue em Fortaleza para estaleiro. Adivinhem quem ofereceu lugar para construí-lo…

Sim, o governo mais antiambiental de Pernambuco dos últimos tempos. O governo do senhor das motosserras, inimigo número um dos mangues e florestas pernambucanos, Eduardo Campos.

O governo Eduardo Campos parece ter como meta não deixar uma Rizophora mangle em pé ao redor de Suape.

Governo oferece 80 hectares de mangue para abrigar estaleiro rejeitado por Fortaleza

O estaleiro que a prefeita de Fortaleza, Luizianne Lins (PT), rejeitou, ocupará uma área de 80 hectares na Ilha de Tatuoca, onde vivem 51 famílias, em Suape, conforme dispensa de licitação publicada do Diário Oficial do dia 22 de junho. Ou seja, serão aterrados 80 hectares de mangue para abrigar o empreendimento.

O ato saiu no Diário Oficial uma semana depois da negativa da prefeita. Ela disse que não daria alvará municipal para o estaleiro porque a obra se destina à construção de 8 navios. “E depois?”, indagou Luizianne, se referindo aos possíveis impactos ambientais que o estaleiro provocaria na orla da capital cearense. Ela preferiu apostar na vocação turística e preservar a atividade da pesca artesanal do lugar. E ameaçou, conforme matéria publicada num jornal local: “Não adianta o governo pedir à União a cessão do terreno. A prefeitura não dará anuência.” A praia escolhida pelo governo do Estado era Titanzinho.

Vemos a dualidade de atitudes nessa notícia: primeiro, Luizianne Lins dá uma lição ao mundo, de que não aceita dar anuência ao progresso descartável às custas do meio ambiente — embora os motivos citados na reportagem sejam antropocêntricos. Segundo, o nosso velho Máquina pernambucano e o seu comparsa FBC agem em atitude exatamente oposta, aceitando para o já ameaçado e intensamente estuprado ecossistema manguezal do estuário do Ipojuca esse mesmo progresso descartável. 80 hectares de mangue serão destruídos, num autêntico crime ambiental legalizado, para se produzirem oito navios transportadores de gás liquefeito de petróleo, aliando construção descartável com o sujíssimo progresso movido a petróleo.

O que é que poderá parar esse governo irresponsável que está destruindo insanamente centenas de hectares de ecossistemas em todo o estado — especialmente em Suape?

Agradeço a Luizianne pela atitude sensata de preservar o meio ambiente na área que governa. Mas lamentavelmente a destruição de mangue foi não abortada, mas apenas realocada.

P.S: mesmo que não haja referências diretas a Eduardo Campos na notícia acima, penso que seria absurdo um projeto desse ser todo montado sem a autorização dele. Logo ele é parte desse novo ecocídio, como cúmplice.

imagrs

Seja a primeira pessoa a comentar

Sua opinião é bem vinda, desde que respeitosa. Fique à vontade para comentar abaixo