06

jul10

Bancada ruralista federal: em quem NÃO votar este ano

Como já expus no post A bancada ruralista deve ser expulsa de Brasília, há motivos de sobra para não renovarmos os mandatos desses indivíduos que lutam com muito afinco contra o bem comum e os interesses socioambientais da população brasileira, dos animais e do restante da biosfera brasileira.

Pois bem, uma listinha que consta das eleições de 2006, mostra quem está no poder hoje representando a gangue que quer um agronegócio em crescimento infinito, nem que todo o verde florestal brasileiro seja varrido do mapa e toda a renda do mundo rural seja concentrada em suas mãos em detrimento d@s camponesæs e d@s trabalhadoræs braçais dos seus latifúndios.

Lista dos parlamentares

Veja a nova (datada de 2006) bancada ruralista (que entraram no poder em 2007) identificada pelo Diap.

Deputados federais

Abelardo Lupion (PFL-PR) – reeleito
Afonso Hamm (PP-RS) – novo
*Aelton Freitas (PL-MG) – novo
Aníbal Gomes (PMDB-CE) – reeleito
Aracely de Paula (PL-MG) – reeleito
Armando Abílio (PSDB-PB) – reeleito
Aroldo Cedraz (PFL-BA) – reeleito
Átila Lins (PMDB-AM) – reeleito
Bonifácio de Andrada (PSDB-MG) – reeleito
**Carlos Bezerra (PMDB-MT) – novo
Carlos Melles (PFL-MG) – reeleito
Chico da Princesa (PL-PR) – reeleito
Ciro Nogueira (PP-PI) – reeleito
Custódio Mattos (PSDB-MG) – reeleito
Darcísio Perondi (PMDB-RS) – reeleito
Dilceu Sperafico (PP-PR) – reeleito
Dona Íris Rezende (PMDB-GO) – nova
Edinho Bez (PMDB-SC) – reeleito
Edmar Moreira (PP-MG) – reeleito
*Elcione Barbalho (PMDB-PA) – nova
***Eliseu Moura (PP-MA) – reeleito
Eunício Oliveira (PMDB-CE) – reeleito
*Fátima Pelaes (PMDB-AP) – nova
Félix Mendonça (PFL-BA) – reeleito
*Francisco Rodrigues (PFL-RR) – novo
Gastão Vieira (PMDB-MA) – reeleito
Geddel Vieira Lima (PMDB-BA) – reeleito
Gervásio Silva (PFL-SC) – reeleito
*Giovanni Queiroz (PDT-PA) – novo
Gonzaga Patriota (PSB-PE) – reeleito
Herculano Anghinetti (PP-MG) – reeleito
Hermes Parcianello (PMDB-PR) – reeleito
Homero Pereira (PPS-MT) – novo
Jaime Martins (PL-MG) – reeleito
João Leão (PP-BA) – reeleito
João Magalhães (PMDB-MG) – reeleito
João Matos (PMDB-SC) – reeleito
João Pizzolatti (PP-SC) – reeleito
José Múcio Monteiro (PTB-PE) – reeleito
José Rocha (PFL-BA) – reeleito
José Santana de Vasconcelos (PL-MG) – reeleito
*João Tota (PP-AC) – novo
Jovair Arantes (PSDB-GO) – reeleito
Júlio Redecker (PSDB-RS) – reeleito
Jusmari de Oliveira (PFL-BA) – nova
Leonardo Picciani (PMDB-RJ) – reeleito
Leonardo Vilela (PSDB-GO) – reeleito
Luciano Castro (PL-RR) – reeleito
Luís Carlos Heinze (PP-RS) – reeleito
Luiz Bittencourt (PMDB-GO) – reeleito
Luiz Carlos Hauly (PSDB-PR) – reeleito
Luiz Carlos Setim – Setim (PFL-PR) – novo
Luiz Fernando Faria (PP-MG) – novo
Márcio Reinaldo Moreira (PP-MG) – reeleito
Marcondes Gadelha (PSB-PB) – reeleito
Mauro Lopes (PMDB-MG) – reeleito
Max Rosenmann (PMDB-PR) – reeleito
Milton Monti (PL-SP) – reeleito
Moacir Micheletto (PMDB-PR) – reeleito
Nárcio Rodrigues (PSDB-MG) – reeleito
Nélio Dias (PP-RN) – reeleito
Nelson Marquezelli (PTB-SP) – reeleito
Nelson Meurer (PP-PR) – reeleito
Odílio Balbinotti (PMDB-PR) – reeleito
Osmar Serraglio (PMDB-PR) – reeleito
Osvaldo Reis (PMDB-TO) – reeleito
Paes Landim (PTB-PI) – reeleito
Pompeo de Mattos (PDT-RS) – reeleito
Rafael Guerra (PSDB-MG) – reeleito
Roberto Balestra (PP-GO) – reeleito
Ronaldo Caiado (PFL-GO) – reeleito
Ronaldo Cunha Lima (PSDB-PB) – reeleito
Saraiva Felipe (PMDB-MG) – reeleito
Sérgio de Oliveira Cunha – Petecão (PMN-AC) – novo
Silas Brasileiro (PMDB-MG) – reeleito
Vadão Gomes (PP-SP) – reeleito
*Valdir Colatto (PMDB-SC) – novo
Waldemir Moka (PMDB-MS) – reeleito
Wellington Fagundes (PL-MT) – reeleito
Zonta (PP-SC) – reeleito

(Nota do Arauto: adicionemos a esta lista Aldo Rebelo, que vota a favor do afrouxamento do Código Florestal. Confira aqui, aqui e aqui.)

* Atualmente, exerce mandato de senador.
** Deputados de legislaturas anteriores que retornam à Câmara.
*** Considerado reeleito pelo Diap, embora não exerça atualmente o mandato parlamentar (é suplente de deputado).

Senadores

Demóstenes Torres (PFL-GO) – atual
Edison Lobão (PFL-MA) – atual
Efraim Morais (PFL-PB) – atual
Eliseu Resende (PFL-MG) – novo
Expedito Junior (PPS-RO) – novo
Heráclito Fortes (PFL-PI) – atual
João Ribeiro (PFL-TO) – atual
Joaquim Roriz (PMDB-DF) – novo
Jonas Pinheiro (PFL-MT) – atual
José Agripino (PFL-RN) – atual
Kátia Abreu (PFL-TO) – nova
Leomar Quintanilha (PCdoB-TO) – atual
Leonel Pavan (PSDB-SC) – atual (é candidato a vice-governador no 2º turno)
Lúcia Vânia (PSDB-GO) – atual
Mozarildo Cavalcanti (PTB-RR) – reeleito

————————–

Expulsemos tod@s do poder em outubro. E preste atenção nos novos nomes que aparecerão na campanha eleitoral.

imagrs

12 comentário(s). Venha deixar o seu também.

Mons.Bertolomeu Gorges

julho 29 2011 Responder

Mais um Video sobre o assunto Cipó -Bahia
D.Frei Luiz Flávio Cáppio fala no depoimento:
http://www.youtube.com/watch?v=NRqCGUZ87Ek&feature=player_embedded

Mons.Bertolomeu Gorges

junho 24 2011 Responder

A comunidade do Cipó recebe homenagem do Sul do Brasil.
Vejam e escutem amusica nesteVideo em Homenagem:
http://youtu.be/DoHbHSvcLf8

Mons.Bertolomeu Gorges

junho 13 2011 Responder

Conflito de Terras na Bahia
A comunidade de Cipó, em Muquém do São Francisco, BA, sofre com a grilagem de terras e a ação de latifundiários. Através de um video, tenta mostrar ao mundo sua luta por JUSTIÇA.

O monsenhor Bertolomeu Górges, da Paróquia Santa Luzia, em Muquém do São Francisco, pertencente a Diocese de Barra, sofre perseguições, inclusive ameaças de morte por defender as famílias de Cipó. Conta com o apoio de Dom Luiz Cappio, Bispo de Barra – BA, do clero da região e ainda, do Arcebispo de Feira de Santana, Dom Itamar Vian.

Pedimos aos irmãos e irmãs que divulguem esse video, pois acreditamos que quanto mais pessoas conhecerem a luta dessas famílias, mais chance elas terão de uma solução sem violência.

Grata

Graça Ribeiro

Segue o video: O Direito é de quem tem!

http://www.youtube.com/watch?v=kd0NLgatYJg
8 mai
Anônimo
INfelizmente o direito à terra é violado de todas as formas e as autoridades competentes envolvidas com a causa negam e deturpam os valores de quem dela necessita.

Sabemos também que o dinheiro quase tudo compra e corrompe os que tem o poder decisório.

O pobre não tem direitos e quando lutam para conquistarem não conseguem serem ouvidos.

Direito à terra um direito fundamental.

Mons.Bertolomeu Gorges

maio 29 2011 Responder

Teremos que esperar mais 300 anos?*

Adital
Boa Vista do Pixaim

A comunidade de Boa Vista do Pixaim é uma comunidade formada por uma população predominantemente Negra, composta por cerca de 200 famílias. A comunidade fica na margem direita do rio São Francisco no município de Muquem do São Francisco, estado da Bahia.

A mesma se formou neste lugar devido a vários conflitos de terra que há muito tempo vinha existindo com fazendeiros que compraram terras próximas ao rio e passaram a perseguir os moradores das comunidades que habitavam às margens do mesmo rio desde muito tempo. Há fortes indícios de que estas comunidades eram antigos quilombos.

Existia a comunidade de Pixaim próxima a uma lagoa marginal. Quando começou o conflito as pessoas de Pixaim foram expulsas deste local, houve muita violência, inclusive as suas casas foram queimadas. Então estes fugiram para outras comunidades, dentre elas uma que ficava ali próximo chamada Boa vista, dando origem a esta comunidade que hoje se denomina Boa vista do Pixaim.

Esta comunidade hoje vive cercada em uma área de aproximadamente 50 ha de terra, entre três cercas de arame farpado (segundo os moradores a cerca foi construída no ano de 1977), e às margens do rio São Francisco, isolando os moradores do restante de uma fazenda na qual o povoado fica dentro. Segundo informações dos próprios moradores eles não podem passar a cerca sequer pra tirar lenha para cozinhar nas matas da fazenda.

Só existe uma saída da comunidade que é por uma cancela, saindo da cerca segue por uma estrada por dentro da fazenda e esta dá acesso à estrada que liga a cidade da Barra a BR 242.

Os moradores sobrevivem do plantio de pequenas roças cultivadas em uma ilha do rio São Francisco, outros migram pra trabalhar nas fazendas de soja, café, milho, etc no oeste da Bahia; existem ainda outros que trabalham para o próprio fazendeiro recebendo a quantia que este ou seu gerente determinar e pescam no rio.

Existe também uma lagoa marginal de onde os moradores pescavam para tirar o sustento de suas famílias, porém hoje não é mais possível isso, pois o proprietário está criando peixe em cativeiro dentro da lagoa e os habitantes da comunidade não podem sequer pescar o peixe que o próprio rio deposita na mesma, segundo eles, existe um segurança armado que vigia a lagoa 24 horas por dia para que ninguém pesque.

Segundo os moradores, antes desta proibição eles pescavam, com a seguinte condição: o pescado que eles pegavam era dividido em três partes: uma para o pescador, outra pra o dono da rede (já que o pescador não tinha a rede), e a outra parte ia para o dono da fazenda.

Vale lembrar que as lagoas marginais do rio São Francisco são de domínio da União, já que o São Francisco é um rio Federal.

Os trabalhadores vivem com grandes dificuldades e em precárias condições de vida, já que o acesso a terra e a pesca são muito limitados.
Também a comunidade fica localizada em uma área a União, pois está bem próxima à margem do rio e suas águas banham parte das terras da fazenda, e banham a comunidade em épocas de grandes cheias.

Durante visitas feitas pela CPT da Diocese de Barra à comunidade, os moradores dizem que se sentem escravizados e estão à procura de uma saída para esta situação que a cada dia se torna mais insuportável, devido à falta de liberdade e perspectiva de futuro para se e seus descendentes, mas tem muito medo de repressão por parte do Fazendeiro, já que em outros momentos foram muito perseguidos.

*Carivaldo Ferreira dos Santos
Agente da CPT – Barra – Bahia.

Mons.Bertolomeu Gorges

maio 26 2011 Responder

O 5º Video feito na terra sem Lei.
Justiça com as proprias mãos não é crime?????
Aqui no sertão da Bahia parece que não, vejam o Video:
http://youtu.be/kd0NLgatYJg

juarez

maio 6 2011 Responder

MARCOS LOBO? HUM! CONHEÇO MUITO BEM! É UM PROBLEMATICO E AÍ AGORA JÁ ESTÃO JOGANDO CULPA ATÁ NO JUIZ E NO DELEGADO?RSRSRSR

juarez

maio 6 2011 Responder

MARCOS LOBO? SEI QUEMÉ ELE! HUMMMM É UM PROBLEMATICO! CONHEÇO ESSA FIGURA! RSRSRS !!!!! ATÉ COM O JUIZ E COM O DELEGADO JÁ ESTÃO MECHENDO? CONHEÇO OTRABALHO DO JUIZ ! CONHEÇO O TRABALHO DO DELEGADO, NÃO TEM QUEM CULPAR!!!!!!!!
PROCUREM MAIS CULPADOS.

Mons.Berolomeu Gorges

março 4 2011 Responder

Prova do que acontece na Comunidade Cipó -Muquém do São Francisco Bahia.
http://www.youtube.com/watch?v=fCgDGI5KHFo

Mons.Berolomeu Gorges

fevereiro 15 2011 Responder

QUANDO O DIABO TOMA FORMA DE GENTE
********************
Melhor sair de perto:
Durante o conflito de terra da fazenda Itain – Cipó – Bahia,
ja teve situações onde o diabo tomou forma de gente.
Na ganancia do latifundio.
Pai jagunço ordena que seu filho se torne pistoleiro,”filho, toma a pistola 380 e atire
a quem estiver na frente”.O juiz, mesmo sabendo da lei 6.969/81 e do artigo 1.239 do Código Civil e do artigo 191 da Constituição Federal, nega os Diretos humanos a comunidade.Escrivão de delegacia faz o papel de delegado e prefere esconder a verdade.
Pergunto:
Eu que defendo a verdade e a aplicação da lei; agora sou consciderado reu:
como vou me sentir sentado na cadeira de reu diante do diabo que tomou forma de gente????
É uma história que eu ainda não li em nenhum livro ou jornal.
Foto real que ainda acontece em pleno ano 2011.
Esta maneira do diabo tomar forma de gente eu ja vi com meus olhos e na minha frente.

    fagner

    abril 12 2011 Responder

    eu conheço marcos lobo o (baleado) sei tambem que nao e a primeira vez que ele e alvejado ele ja foi alvejado por outra pessoa pelo visto e um cara cheio de confusão (vamos puxar a ficha desse cara na delegacia (marcos lobo)e vi a historia vivem do gado rsrss do gado do outros ate esses dias mataram um tio dele por roubo de gado (carlão) eu vivo aqui no muquem há 20 anos e já to acostumado a ouvir relados de rouboa ali to vendo que eles gostam muito e de tomar o que e dos outros.fagner

Mons.Bertolomeu Gorges

dezembro 14 2010 Responder

MAIS UM CONFLITO DE TERRA NA BAHIA:
ADVOGADA Dra.BARTIRA ATHAIDE A..G..DE ASSIS
OAB/BA 21853
Tel. 77-8814-4656
**********************************************
PROCESSO Nº:2796476-3/2009
AÇÃO DE USUCAPIÃO ESPECIAL
***************
Fazenda Itaim, local denominado Cipó, municipio de Muquém do São Francisco BA
Medindo 836.1807 ha.
Os moradores vivem ali ha mais de 60 anos.
Eu mesmo conheço a comunidade ha 38 anos.
Potanto a comunidade de 70 familias satisfazem todos os requisitos da Lei nº 6.969/81,
o que autoriza a aquisição do dominio da referida área rural por meio do usucapião especial, como também do art. 1.239 do Código Civil e o art.191 da Constituição Federal.
***************************************************
Juiz da comarca conhece pessoalmento o caso:
>>>>>>>NEGOU O USUCAPIÃO<<<<<<<<< http://www.Lomeu@hotmail.com
Tel.77-3652-5054

Mons.Bertolomeu Gorges

dezembro 14 2010 Responder

De: CPTBARRA CPT
Assunto: Conflito Cipó
Para: “D. Luiz”
Data: Segunda-feira, 6 de Dezembro de 2010, 22:16

Prezado Dom Luiz,

Conforme vossa solicitacao segue abaixo o relato da situação da comunidade de Cipó. Qualquer duvida estamos a disposição.

Lembro que este mesmo relado ja foi encaminhado para o presidente da Comissão Nacional de Conbate a Violencia no Campo. Desembargador Dr Gercino José da Silva Filho

Abraço

Carivaldo

Conflito de terra com mais uma vítima

No dia 21 de agosto de 2010, às 10:00 hs, na Comunidade do Cipó I, BR 242, município de Muquém do São Francisco – Bahia, mais um trabalhador foi vítima da ganância do latifúndio. Marcos Lobo de Souza, casado, pai de dois filhos, trabalhador rural, residente na comunidade do Cipó, foi alvejado no rosto por um tiro de pistola 380, deflagrado por Ewerton Lima Batista dos Santos, a mando de seu pai Antonio Marcos Batista dos Santos, conhecido como Marcão, ambos residentes no município de Ibotirama-BA.

Contexto

A comunidade de Cipó I possui uma área de aproximadamente 836 ha., ocupada por 22 famílias e cerca 103 habitantes. Historicamente as famílias sobrevivem da pesca artesanal feita no Rio São Francisco, da agricultura de subsistência nas áreas de lameiro alagadas pelas cheias do rio e nas áreas de sequeiro no período chuvoso, além da criação de pequenos rebanhos (gado bovino, porco e galinha) criados em regime comum.

Segundo informação de moradores mais velhos, já são mais de um século de ocupação. Exemplo concreto é o Sr. José de Souza Lima que ali nasceu e faleceu em 1970 com 88 anos de idade.

Relatam que até 2004 as famílias viviam em paz e sem qualquer reclamação pela posse da terra. Para a surpresa da comunidade, no dia 14 de maio do referido ano, os trabalhadores receberam um comunicado assinado pelo Sr. Edson Quinteiro Bastos (político influente na cidade de Ibotirama), determinando a retirada do gado da área, alegando que esta seria de sua propriedade.

Em 2007, a Srª Cecília Quinteiro, irmã de Edson Quinteiro, também se denominando proprietária da área, insistiu na desocupação por parte dos moradores, colocando a área à venda. A partir daí aumentou cada vez mais o desassossego da comunidade, uma vez que praticamente toda a subsistência da comunidade era provinda da área em questão.

Temendo o agravamento dos conflitos e o medo de perder a garantia do sustento das famílias, os moradores tentaram comprar a área pelo Programa de Credito Fundiário, coordenado pela CDA – Coordenação de Desenvolvimento Agrário. Como a documentação da terra não estava devidamente legalizada, não foi possível efetuar a compra.

Em março de 2009, os camponeses solicitaram da superintendência da CDA a regularização da área pelo regime comunal de Fundo de Pasto. Nesta mesma data, solicitaram da Superintendência do Patrimônio da União – SPU a regularização da área da união compreendida dentro da área em questão.

Mesmo com estes encaminhamentos tomados, a Srª Cecília Quinteiro, desrespeitando o direito de posse das famílias, vendeu a área a cinco compradores: Joselito Fernandes, Antonio Marcos Batista dos Santos, José Santana, Jair Filho e Welton de tal, ambos residente em Ibotirama.

Em dezembro de 2009, os trabalhadores através de sua advogada, deram entrada na ação de usucapião coletiva, cuja, foi negada pelo Juiz da Comarca de Ibotirama – Dr. Antonio Marcos Tomaz Martins. Além disso, o mesmo juiz concedeu duas liminares de reintegração de posse em favor dos supostos compradores. Esta ação legitimou ainda mais o fortalecimento do conflito fundiário.

Hoje, toda investida contra a comunidade do Cipó I é feita pelos compradores, estimulados pela família Quinteiro. Os compradores querem a todo custo expulsar as famílias da área que ocupam a mais de 100 anos, cujas informações, possui indícios de terras devolutas.

Uma das tentativas de “tomar posse” das terras foi a derrubada das cercas, construídas há décadas pelos antigos moradores. No dia 26 de agosto de 2010, quando Antonio Marcos Batista dos Santos (Marcão), juntamente com seu filho Ewerton Lima Batista dos Santos e alguns empregados começaram a derrubar as cercas, foram chamados à atenção por alguns moradores da comunidade que lhes pediram para aguardarem a decisão da justiça. Junto aos moradores se fazia presente o Monsenhor Bertolomeu Borges, Padre da paróquia de Muquém do São Francisco-BA, que foi ameaçado por Marcão: “não tenho medo de padre nem de bispo. A obrigação de vocês é rezar”.

No dia seguinte (27 de agosto), Marcão, Ewerton e empregados, continuaram derrubando as cercas, entre elas a que impedia a saída dos animais para a rodovia (BR 242). Neste momento, quatro posseiros: Nivaldo Pereira de Lima, Marcos Lobo, Joselito Pereira de Souza e José Pereira dos Santos aproximaram deles e pediram para que não derrubassem as cercas, alertando-os dos perigos, uma vez que a BR era muito movimentada e os animais poderiam provocar acidentes. Marcão não gostou e começou agredir verbalmente os posseiros, afirmando que a culpada pelo conflito era Ronilce Lobo – (Dona Nice – líder comunitária), por influenciar o povo. O trabalhador Marcos Lobo que estava presente a defendeu, afirmando que sua mãe não tinha culpa de nada. Ao saber que o rapaz era filho de Dona Nice, Marcão ordenou a seu filho que atirasse. Ewerton pegando a pistola no bolso da bermuda alvejou o rosto de Marcos Lobo de Souza com um tiro a ainda disparou vários tiros em direção dos outros trabalhadores que saíram correndo por dentro do mato.

Marcos Lobo ficou em estado de coma por três dias consecutivos. Perdeu um dente e teve o olho esquerdo e as cordas vocais afetadas, encontrando-se com muitas dificuldades para falar. Por pouco não teve sua vida ceifada. A bala continua cravada em seu pescoço.

Na versão dos agressores, as vítimas estavam armadas com facões e que os disparos de pistola foram em legítima defesa. Nesse sentido, a comunidade questiona, “qual é o trabalhador rural que vai para roça sem seu facão? – “Para nós camponeses o facão é uma de nossas ferramentas de trabalho”. Afirma Dona Nice.

O delegado de Muquém do São Francisco, José Ribeiro Lopes ouviu as vitimas, mas infelizmente ainda não instaurou o inquérito para apurar os fatos.

Até hoje os criminosos não foram punidos. A comunidade sendo ameaçada, em especial, lideranças como Dona Nice e Nivaldo Pereira.

Como encaminhamentos concretos a comunidade espera:

1- Que seja prioritária a aberta uma Ação Discriminatória Administrativa Rural pela CDA;

2- Que seja encaminhada a regularização das áreas de LMEO – Linha Média das Enchentes Ordinárias – pertencentes à União, em favor das famílias;

3- Que seja instaurado o inquérito policial para apurar a tentativa de homicídio;

4- Que seja garantida a segurança da população mediante ameaças cometidas pelos supostos proprietários;

5- Que os órgãos públicos responsáveis (Ouvidoria Agrária, Ministério Público Federal e Estadual, Defensoria Pública, Polícia Civil, Tribunal de Justiça do Estado da Bahia e outros), atuem no caso para a superação do conflito, evitando que haja mais violência.

A Associação dos Assentados da Fazenda Itaim, com o apoio da Comissão Pastoral da Terra, representando a Diocese de Barra, exige dos órgãos competentes que se faça justiça, pois as famílias que ali moram há mais de um século são as verdadeiras donas da Terra.

Comissão Pastoral da Terra – Centro-oeste/BA
acesse: cptba.org.br

Sua opinião é bem vinda, desde que respeitosa. Fique à vontade para comentar abaixo