03

jul10

Nacionalixo

No Consciência Efervescente eu falei uma vez sobre o nacionalixo, isto é, nacionalismo que desperta os mais absurdos sentimentos e valores em pessoas que passam a ser comportar como fanátic@s religios@s da pior categoria por causa da suposta superioridade internacional de seu país — ele ter um valor que nenhum outro país no mundo teria — ou por um orgulho patriótico que passa dos limites do bom senso.

Hoje o nacionalixo da vez atua contra os animais não-humanos: para @s nacionalistas mais irracionais, o Japão é “O Pais”, e por isso tem todo o direito de assassinar baleias pelo mundo, violando as convenções internacionais por uma tradição de opressão e matança.

Japão protesta contra documentário sobre matança de golfinhos

Protestos de nacionalistas japoneses marcaram a estreia, neste sábado, do documentário “The Cove” (“A Cova”), sobre a matança de golfinhos nos cinemas do Japão. O filme foi premiado com o Oscar de melhor documentário de longa metragem em 2010 e mostra como um grupo de cineastas usou câmeras ocultas para documentar a matança de golfinhos pelos pescadores da aldeia japonesa de Taiji.

“The Cove” tem como apresentador o ambientalista Rick O’Barry, que foi treinador dos golfinhos que apareciam na série de televisão norte-americana “Flipper”.

O documentário estreou em apenas seis cinemas em todo o Japão; alguns deles estavam vazios no primeiro dia. Outros 18 cinemas planejam exibir o filme no futuro. No cinema de arte Image Forum, em Tóquio, cerca de 30 manifestantes nacionalistas gritaram slogans contra o filme e agitaram bandeiras imperiais japonesas do tempo da II Guerra Mundial. A polícia teve de intervir para separá-los de um grupo de ambientalistas e evitar brigas.

No mês passado, três salas cancelaram a planejada exibição de “The Cove” depois de protestos de manifestantes nacionalistas e de uma campanha de telefonemas. A questão se transformou em um debate sobre a liberdade de expressão e o direito à informação, com os principais jornais do Japão condenando os cancelamentos em seus editoriais. O Yokohama New Theater, um cinema pequeno perto de Tóquio, obteve uma ordem judicial para manter os ativistas nacionalistas à distância, depois de eles fazerem vários protestos às suas portas.

Pelo que me parece, @s nacionalistas japonesæs acham que o The Cove é uma tentativa de desmoralizar o Japão perante o mundo — sendo a desmoralização, na verdade, a própria pesca de baleias em si, que mostra que o Japão não se importa com sua própria reputação na comunidade internacional e tem o derramamento de sangue entre suas tradições mais “nobres”.

É certo que hoje em dia nenhum país do mundo realmente se importa com os direitos animais, estando alguns países europeus engatinhando no que se refere a garantir politicamente algum direito aos animais que não seja apenas a vedação de maus tratos. Mas prezar pela vida selvagem, como a das baleias, é um primeiro passo para que evolua o pensamento do mundo em relação aos direitos animais.

E o nacionalismo dessæs japonesæs que protestam se mostra partidário do atraso, da aversão aos direitos de outras vidas, da continuação das tradições cruéis e viciosas — assim como qualquer nacionalismo xenofóbico e racista do passado e do presente.

imagrs

2 comentário(s). Venha deixar o seu também.

Kreator

julho 5 2010 Responder

Gosto quando os defensores de atitudes moralmente duvidosas usam a tradição como argumento, normalmente as tradições defendidas são apenas e tão somente aquelas que geram lucro ou prazer a quem pratica.

Por que não seguimos a tradição antiga de dormir em cavernas ou ao relento, de beber água sem tratamento ou fazer fogo com pedras/galhos?

Essas tradições embora tenham sido praticadas por milênios não são defendidas por ninguém, e até onde sei pouco ou nada praticadas por quem realmente não as precisa.

Os orientais não possuem motivos para tal ato nem argumentos plausíveis, o que sobra? apelo ao emocional.

Lucho

julho 4 2010 Responder

Patriota rima com idiota não é a toa.

Sua opinião é bem vinda, desde que respeitosa. Fique à vontade para comentar abaixo