05

nov10

Casos Petruso e Datena: contra a xenofobia, tudo; contra o ódio a ateus, quase nada

Mayara Petruso, a mais famosa celebridade instantânea negativa do momento, envergonhou os brasileiros e, por que não, a humanidade. Quebrando a conhecida reputação internacional do Brasil de país harmoniosamente multiétnico e respeitador das diferenças, expôs à nação, via Twitter, um minoritário Brasil carregado de ódio étnico e preconceito regional. A resposta da população foi avassaladora e a estudante de Direito, provavelmente às vésperas de ser presa, vive um (merecido) inferno em vida.

Os brasileiros mostram, com a poderosa reação em cadeia a esse caso, que não toleram a intolerância. Não admitem que o Brasil onde, segundo se diz comumente, o palestino e o israelense fazem amizade, se torne um Brasil dividido pelo separatismo entre regiões, um país maculado por conflitos cuja única “justificativa” é o ódio vindo de gente da região rica contra os habitantes da região historicamente desfavorecida.

A população de bem está de parabéns por sua condenação ao ódio intraxenofóbico vindo de gente da laia de Mayara – ela não foi a única a defecar com os dedos no Twitter. Numa realidade em que se diminui a carga de preconceitos velados ou abertos em nossa sociedade, não se deve permitir a ascensão de novos ódios que interrompam esse progresso moral.

Falando em diminuir preconceitos, aliás, faço um alerta: as discriminações regionais, étnicas, raciais e sexuais vêm decaindo, mas ainda está em nível preocupante aquela dedicada a atacar a nós ateus. Desprovidos de uma divindade em nossas crenças, somos ofendidos e repudiados por muitos daqueles que não admitem a existência de pessoas a rejeitar a ideia de “ter Deus no coração” e recusar condicionar seus sensos de retidão moral e comunhão com a Natureza a um ou mais deuses.

Somos fustigados com frequência notável por padres e pastores, que incutem na cabeça dos fiéis que quem não crê em Deus é submisso ao diabo e está condenado ao inferno por rejeitar o caminho moral e espiritual cristão. E até mesmo pessoas célebres como José Luiz Datena e Frei Betto dirigem hostilidade a quem não acredita em Deus e critica as religiões, nos imputando o calunioso estigma de promotores da perversão moral e comparando o ato de negar Deus e criticar as religiões às torturas do antigo Departamento de Ordem Política e Social.

O preconceito contra os ateus e o ateísmo é manifestado aqui até por candidatos a presidente. José Serra foi flagrado em pelo menos dois episódios este ano: quando comparou ateus a fumantes (informação desmentida de forma suspeita e desconfiável pelos meios que divulgaram tal declaração) e no debate da Canção Nova na campanha de primeiro turno, quando ele declarou que o ateísmo faz mal à sociedade e faria mal ao Brasil.

No entanto, os episódios de intolerância contra ateus repercutem muito menos do que os casos de declaração de ódio aos nordestinos, aos negros ou aos homossexuais. Mesmo quando são manifestações discriminatórias ditas em rede nacional, na TV, por uma celebridade formadora de opinião. Não há aquela solidariedade massiva vinda de quem não compartilha da característica motivadora do preconceito.

Comparando o Caso Mayara Petruso com o Caso Datena, o primeiro repercutiu dezenas de vezes mais no Twitter e nos noticiários do que o segundo. A reação ao ódio contra nordestinos rendeu vários tags entre os trends mundiais e brasileiros por dois dias e diversas notícias na imprensa brasileira e até mundial, enquanto a “datenice” só rendeu o nome “Datena” no quinto lugar dos trends brasileiros por menos de duas horas do dia 27/07/2010 (dia da ofensa proferida pelo apresentador), sendo inclusive ignorada pela grande mídia por semanas até a Associação Brasileira de Ateus e Agnósticos ter entrado na Justiça contra o ofensor.

Nós nordestinos (incluso eu, recifense) contamos com a solidariedade dos demais brasileiros – exceto dos próprios intraxenófobos que nos hostilizam e são uma pequena minoria da população –, mas nós ateus, por sua vez, não temos o apoio da maioria dos religiosos. Isolados, somos os únicos que reagem às ofensas dos intolerantes ateofóbicos. Poucos se atrevem a dizer no Twitter coisas como “O Brasil não pode tolerar o ódio contra ateus. Presto minha solidariedade a eles!”, diferentemente dos milhões de tweets que acalentam outras vítimas de discriminação.

Mayara Petruso provavelmente será punida pela Justiça e certamente sofrerá um ostracismo social perpétuo, mas, quanto aos pastores, Datenas e Serras da vida, que envergonham igualmente a humanidade pelo outro preconceito citado, é mais provável que nada sofram por discriminarem e humilharem publicamente os ateus.

imagrs

17 comentário(s). Venha deixar o seu também.

FELIZMENTE ATEU

abril 17 2015 Responder

SEM DUVIDA DATENA É UM LIXO !!!
ATEUS SÃO PLENAMENTE RACIONAIS, POIS ACREDITAM SOMENTE NO QUE SE TEM PROVAS !
AO CONTRARIO DE RELIGIOSOS QUE ACREDITAM EM AMIGUINHO IMAGINARIO(DEUS), IMAGENS, SEITAS E OUTRAS PATÉTICAS INUTILIDADES !!!

    Robson Fernando de Souza

    abril 19 2015 Responder

    “ATEUS SÃO PLENAMENTE RACIONAIS, POIS ACREDITAM SOMENTE NO QUE SE TEM PROVAS !” – Se eu fosse você, eu não teria tanta fé nisso. Não é só no campo religioso em que se pode “acreditar somente no que se tem provas” ou se pode crer em algo sem provas objetivas. Há ateus que creem fanaticamente na “divindade” do mercado, por exemplo.
    E aliás, você mesmo está sendo “não plenamente racional” quando crê nessa afirmação, já que há contraprovas que a refutam.

    “AO CONTRARIO DE RELIGIOSOS QUE ACREDITAM EM AMIGUINHO IMAGINARIO(DEUS), IMAGENS, SEITAS E OUTRAS PATÉTICAS INUTILIDADES !!!” – Alguém aqui está precisando estudar Antropologia, antes de concluir realmente que religiões são algo meramente “inútil”.

Tereza

dezembro 17 2010 Responder

Eu sou absolutamente contra qualquer tipo de preconceito como deve ser todo bom cidadão, não me sinto especial por isso, mas quando se trata de preconceito contra os ateus, eu me sinto mil vezes
indignada, porque acredito que crer em Deus não faz um sujeito ser bom e não crer não faz um sujeito ser mau, ou do mal como preferem dizer muitos religiosos que são dissimulados e podres em seus valores. Gente boa e de caráter já nasce predisposta a isso, nada a ver com fé ao divino. Tem muito bandido que carrega uma Bíblia ou um rosário junto de sí e pede ajuda e proteção na hora de tirar a vida ou um bem de outra pessoa.
Mau caráter pode ser um pastor, um padre ou um ateu. O que importa, o que conduz cada um no caminho de justiça e fraternidade são os valores dentro de sí, como pessoa independente de ser um “dito” homem de Deus ou um ateu.

Marcus

novembro 8 2010 Responder

Creio que os vícios, taras, desvios são inerentes ao ser humano e a única coisa que nos faz humanos é a capacidade de identificá-los e os combater em nós memos. Definitivamente, não conseguem fazê-lo os psicopatas que gozam da certeza de serem melhores que seus semelhantes. Daí o quanto o termo “santo” (escolhido) pode ser pernicioso em qualquer mente. Pessoas escolhidas, nações escolhidas, gerações, classes sociais ou seja lá que tipo de agremiação, grupo ou ajuntamento for, se sentem no direito de menoprezar, segregar ou mesmo imolar aqueles a quem julgam inferiores, simplesmente por serem diferentes. Cabe-nos às vezes unicamente baixar nossos olhos, envergonhados de sermos chamados racionais (mesmo porque nós mesmos nos intitulamos assim)! Quanto aos branquelos como eu, não construímos sozinhos o país do qual algun elitistas se acham os donos. Quanto aos crentes como eu, prefiro Padre Zezinho (não sou católico) “Às vezes quem duvida e faz perguntas, é muito mais honesto do que eu”.
Especificamente à pobre Mayara recomendo a leitura da letra de “Salve a mulatada brasileira” de Martinho da Vila.

Marcio Nejaim

novembro 8 2010 Responder

carla

novembro 7 2010 Responder

oi, eu acredito em deus, mas num julgo ateus ignorantes ou nada assim, acho apenas q é uma questão de opinião, mais ou menos como o caso da mayara… a menina simplesmente quis deixar uma opinião… quem concorda concorda pq pensa igual, não pq ela transformou as pessoas… tenho muitos preconceitos sim, porém num país como o brasil, somos todos vítimas do politicamente correto… infelizmente

outro dia um amigo de faculdade me criticou pela minha pele branca, meu cabelo liso e ruivo… disse ainda q os brancos são fracos, inferiores… e depois começou a criticar paulistas (ele é mineiro)

se eu fosse dar uma resposta na mesma moeda (ele é mulato), eu seria acusada de racismo… isso eu ouvi foi de um amigo, colega de sala… imagina como ele realmente se sente…

o brasil é preconceituoso, apenas não admite por medo de punições… quer ver um exemplo, coloca um americano ou um europeu numa sala de aula de cursinho… vai ter os paga paus (sempre tem) porém vai ter os q sentem um ódio infundado contra aquilo q nem conhecem… fazer o q??? é da natureza humana…

a tempo, religião não constrói caráter de ninguém…

Marco Aurélio

novembro 7 2010 Responder

Então…
como ateu, já fui ridicularizado por Testemunhas de Jeová (parte da minha família é desta religião) e por Evangélicos (qdo estive baixado no Hospital p/cirurgia)… não sou de discussão… os únicos que me respeitam são os Católicos, inclusive tenho um amigo Padre. Mas não é coincidência não… os Padres têm curso Superior e meus amigos e familiares Católicos na sua maioria também… podem ter certeza: o Fanatismo anda de mãos dadas com a ignorância!!! Qual é o público do Datena? Intelectuais tenho certeza que não são…

Juliano Atanazio

novembro 6 2010 Responder

Falando Apenas Sobre Ateísmo…

Esse tipo de perseguição creio que nunca acabará.
Eu acredito muito em Deus, mas não discrimino quem não acredita.
O que acontece sobre este assunto é que pessoas não respeitam o ponto de vista de outras.
Sei muito bem que existe sim essa discriminação contra aqueles que se dizem ateus, mas sejamos justos, muito disso (não todos) fazem jus a tais ações… Calma, calma… Vou explicar… Você que é ateu, não precisa ficar bravo comigo rs…
Muitos ateus tem o ateísmo como se fosse uma religião, fazendo pregações, humilhando quem não é, ridicularizando o que outros acreditam… Vários e vários sites sobre ateísmo tem como símbolo um cérebro, que denota inteligência… Então na visão de quem é ateu, aqueles que acreditam que existe um deus é um ser inferior? Particularmente não fico tentando colocar meus pensamentos goela abaixo de ninguém, mas muitas vezes quando falei com grupos de ateus, me perguntaram qual era meu pensamento sobre o assunto. Quando dizia que acreditava, só falei porque me perguntaram. Então me ridicularizavam, se colocando em um posicionamento como se fossem superiores a mim. Isso é ridículo. Da mesma maneira, também me enoja todos aqueles que se dizem cristãos e se colocam em um patamar acima dos que assim não se declaram.
É utópico eu dizer isto, eu sei, mas espero mesmo que um dia isso acabe. Você sendo ateu ou não terá sua opinião respeitada, desde que respeite a de outros. Gostaria de finalizar com uma frase que eu sempre uso: “Nada forçado é sincero”.

ricardo aljur

novembro 6 2010 Responder

o infeliz reporter de campo josé luiz datena fez uma comparação unindo ateus a crimes , ataques, e enfim ,, disse ele ,, vc pode ver , quem geralmente provoca esses crimes ,, é quem não acredita em deus ,, não tem deus no coração.
precisa dizer a ele para completar seu raciocinio que quem sofre esses crimes geralmente são pessoas que acreditam em deus.
ou seja,, desmoronamentos , bala perdida,, assaltados ,, violentados ,, desabrigados ,, são geralmente os que acreditam em DEUS,, e tem deus no coração.

Marco Aurélio

novembro 6 2010 Responder

Na verdade a sociedade é cheia de preconceitos velados, não só aqui, mas como em quase todas as partes do mundo… são valores transmitidos de geração a geração, muito difíceis de eliminar. Infelizmente não acredito em sociedade perfeita e harmônica, isso é utopia… o maior preconceito é a ignorância e, num país subdesenvolvido como o nosso, ainda vamos conviver por muitas gerações com este nefasto modo de pensar.

rayssa gon

novembro 5 2010 Responder

realmente, amigue. vc tocou num ponto chave.

faço apenas algumas ressalvas: as pessoas que hostilizam os nordestinos podem ser minoria. mas isso não significa que aquelas que compartilham caladas desse preconceito tbm sejam. a maioria realmente concorda com o que Mayara Petruso falou mas não ousa verbalizar justamente por medo das punições que ela sofrerá.

sobre o preconceito contra ateus, o q dizer?? somos a ultima minoria. ainda existe um longo caminho.

Sua opinião é bem vinda, desde que respeitosa. Fique à vontade para comentar abaixo