22

dez10

Embrapa, mais uma vez trabalhando contra os animais, tenta criar “superpeixe” para ser comido

Embrapa busca “superpeixe” nacional com melhoramento genético

Pesquisadores da Embrapa (Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária) e de outras 17 instituições de pesquisa iniciaram um mutirão para baratear a produção e popularizar o consumo de peixe e camarão no Brasil. Mais ou menos como foi feito com o frango, há 20 anos.

Batizado de Aquabrasil, o projeto está fazendo um amplo trabalho de melhoramento genético com as quatro espécies consideradas mais aptas e viáveis economicamente no país: tilápia, cachara, camarão-branco e tambaqui.

Antes de começar o processo de reprodução, cada animal é analisado. Os cientistas removem um pequeno pedaço da barbatana, que passa por um exame de DNA para determinar a composição genética do pescado.

Depois, os bichos com as características consideradas mais desejáveis são selecionados. Normalmente, há preferência por cruzamentos entre animais geneticamente mais distintos entre si.

Isso contribui para que os filhotes e futuros descendentes sejam mais resistentes a algumas doenças.

“Todas as culturas que têm grande aceitação no Brasil, como a soja, o milho e até o gado bovino, passaram por longos processos de melhoramento genético como esse”, diz Emiko Resende, pesquisadora da Embrapa Pantanal que chefia o trabalho.

Embora pareça fácil, encontrar exemplares distantes geneticamente pode ser bem trabalhoso. Sobretudo no caso da cachara (Pseudoplatystoma reticulatum), um peixe de couro (sem escamas), com baixo teor de gordura e sem espinhas intramusculares.

“A cachara é como o salmão: tem identidade de origem. Toda a bacia hidrográfica do Pantanal tem a sua família. Por isso, é mais difícil e trabalhoso”, disse Resende.


GORDINHOS

Em dois anos de existência, o projeto já conseguiu um resultado expressivo: diminuiu em até três meses o tempo necessário para que as tilápias cheguem ao peso ideal de abate.

A linhagem de tilápia (Oreochmoris niloticus) usada no Aquabrasil é oriunda da Malásia. Ela é conhecida como Gift (sigla em inglês para tilápia geneticamente melhorada para a criação) e já se adaptou bem ao país.

Antes, dependendo das condições climáticas e dos recursos de criação, a espécie demorava até seis meses para o ganho completo de peso.

“Quando conseguimos melhorar a espécie, as outras coisas caminham juntas. Se nós diminuímos o tempo de criação, o que se gasta com ração e outros cuidados também é reduzido. E isso é fundamental para baratear a produção”, disse Resende.

E os produtores não precisam esperar muito. Após uma etapa de melhoramento ser concluída com sucesso, seus exemplares já são disponibilizados para criadores.

E a Embrapa mais uma vez se destaca com seus esforços de trabalhar contra os animais, transformando sua vida em coisa nenhuma e seu sofrimento e morte em fontes de riquezas.

Os animais frutos dessa seleção genética nascerão com o fim exclusivo de servir de comida para pessoas que ignoram a vasta culinária vegetariana. Não nascerão para viver como todos os animais que vivem em seus habitats naturais, mas sim apenas para serem aprisionados em tanques de poucos metros quadrados sem qualquer saída para massas d’água, asfixiados num belo dia e retalhados na peixaria ou na mesa de alguma família de onívor@s.

Seus próprios corpos serão “feitos” para serem mortos muito mais cedo, já que desenvolverão seus músculos mais precocemente e assim servirão muito melhor aos interesses de quem ganha dinheiro matando.

Ao meu ver, alguns profissionais da Embrapa não sabem o que são direitos animais, outr@s os consideram algo que ameaça os seus bolsos e seu paladar, alguns outr@s por sua vez acham que direitos animais são apenas o dito “bem estar” dos animais – ou seja, escravizar e matar animais desde que vivam com um pouquinho de conforto.

Se @s veg(etari)an@s terão que peitar alguém no futuro próximo para fazer valer os interesses dos animais não humanos, esse alguém será a Embrapa, grandemente empenhada na “arte” de transformar a vida em mercadoria e a morte em riqueza.

imagrs

Seja a primeira pessoa a comentar

Sua opinião é bem vinda, desde que respeitosa. Fique à vontade para comentar abaixo