27

dez10

Fotos do protesto recifense contra o aumento abusivo dos salários dos parlamentares

Hoje teve uma série de protestos estudantis contra o aumento de mais de 60% do salário dos poderes Legislativo e Executivo federais – e também contra os aumentos causados por efeito cascata nos Legislativos estaduais. Eu participei da passeata que teve aqui no Recife, que percorreu da Praça do Derby até o Marco Zero (embora originalmente fosse pensado ir até a Igreja do Carmo).

Tod@s estão de parabéns pelo exercício máximo da cidadania, pelo usufruto do dispositivo máximo da democracia – o protesto ativo. Mesmo que os protestos de hoje não resultem em alguma mudança, é um indicativo de que partes importantes da população estão aprendendo a exercer ativamente sua cidadania. E melhor, aumenta nossa esperança na juventude – até pouco tempo atrás eu me envergonhava por ver tão pouc@s cidadã/o/s juvenis lutando por um Recife/Pernambuco/Brasil melhores, e hoje pude modificar essa ideia, já que vi uma quantidade considerável de lutadoræs sociopolític@s muito promissoræs em minha cidade.

Abaixo as fotos do movimento:

Concentração na Praça do Derby

Concentração na Praça do Derby

Meu cartaz, ligando o provável corte das verbas dos concursos públicos federais e o aumento dos salários d@s parlamentares

Passeata atravessando a Agamenon Magalhães

Passeata atravessando a Agamenon Magalhães

Passeata a caminho da Av. Conde da Boa Vista

Passeata a caminho da Av. Conde da Boa Vista

Passeata a caminho da Av. Conde da Boa Vista

”]

Passeata avançando pela Av. Conde da Boa Vista

Passeata avançando pela Av. Conde da Boa Vista

Passeata na altura da loja Riachuelo

Passeata parada no cruzamento com a Gervásio Pires

Passeata parada no cruzamento com a Gervásio Pires

Passeata parada no cruzamento com a Gervásio Pires

Passeata parada no cruzamento com a Rua do Hospício

Faixa principal do protesto: CONTRA O AUMENTO

Passeata parada no cruzamento com a Rua do Hospício

Passeata parada no cruzamento com a Rua do Hospício

Passeata parada no cruzamento com a Rua do Hospício

Passeata estacionada na Avenida Guararapes

Passeata estacionada na Avenida Guararapes

Passeata avançando já na Avenida Guararapes

Passeata avançando já na Avenida Guararapes

Passeata passando pela Av. Dantas Barreto

Passeata passando pela Av. Dantas Barreto

Passeata passando pela Av. Nossa Sra. do Carmo

Passeata passando pela Av. Nossa Sra. do Carmo. Ali foi deliberado que avançaríamos até o Marco Zero.

Passeata passando pelo Recife Antigo

Passeata passando pelo Recife Antigo

Fim da passeata. Chegamos ao destino final, o Marco Zero, bastante longe de onde era o final original (Igreja do Carmo).

Tod@s sentad@s pro balanço da passeata

Os cartazes ficaram no meio enquanto se falava como foi o protesto. Pouco depois, a turma se dispersou, com o fim da atividade.

imagrs

8 comentário(s). Venha deixar o seu também.

Robson Fernando

dezembro 30 2010 Responder

Janaina e Samarah, compreendo o lado de vocês e começo a enxergar a motivação que levou o rapaz a quebrar o vidro. Seria tolice, e até um direitismo ao meu ver, não querer perceber que há uma explicação pro que ele fez.

Assim sendo, editei a legenda da foto. Pois, afinal, nossa opinião pode mudar.

Obrigado por suas observações.

Samarah

dezembro 30 2010 Responder

Eu vi tudo e fui pra delegacia com ele….coisa que foi totalmente desnecessária pois tudo se resolve entre as partes!
Esquentadinho qualquer um ficaria se tivesse um ônivus sendo empurado em suas costas ofencivamente!
Da repressão gratuita ninguém fala,ter coragem pra peitar a policia ninguém tem mas falar dakeles que tem sua a revolta e usa de maneira direta…ah,isso tem aos montes!

¬¬’

Janaina

dezembro 28 2010 Responder

Desde quando a mídia mostra de maneira positiva um protesto?
A mídia corporativista vai sempre destacar o que tiver de negativo numa ação dessa. Se ninguém tivesse sido preso, no mínimo destacariam o nº de manifestantes. Iriam reduzir esse nº na verdade, dizer que ñ passávamos de 40, falar do trânsito que causamos.
Enfim, os policiais estavam esquentados sim (ñ todos), mas boa parte (revidar com aparelho de choque e dizer pra um punk tirar a bandana do rosto pra chupar o pau dele, são exemplos).
O manifestante era um dos nossos e primeiro sofreu a violência de quase ser atingido pelo automóvel, garanto que o vidro do mesmo nada sentiu.
Estou falando de ação e reação. Quem se garante em manter-se pacífico diante de uma ameaça?
Ñ julgo a reação dele, nem o penalizo por sujar o ato.

Acho que devemos mostrar nossa insatisfação com atos repressores (dos policiais) e postura alienadora (da mídia).

Ou
vamos nos organizar conforme as ordens da polícia e fazer/mostrar o que a mídia quer?

Dessa forma estaremos levantando a bandeira da liberdade com uma mão e dando a outra pra ser acorrentada.

(sobre tua legenda na foto, acho infeliz porque dessa forma tu tá contribuindo com a mídia, tá reafirmando o que ela divulgou. Eu estava próxima ao ônibus e soube que quase sendo atropelado, o companheiro bateu com uma pedra, outro disse que com uma panela, outro falou que com uma baqueta de tocar essa panela….enfim, foi quase na hora do acontecido e cada um tinha sua versão. Por isso, no seu lugar, definiria como incidente que aconteceu após uma tentativa de atropelamento)

Espero ter sido clara, ou ao menos “entendível” nessa falação toda aí.
O momento é de unir forças e ñ de se autodestruir, ñ sejamos nosso câncer, câncer mesmo é o poder nas mãos de poucos.

    Robson Fernando

    dezembro 28 2010 Responder

    Blz, entendi sim. Obrigado por explicar a coisa.
    Abs

PEDRO PORTELA

dezembro 28 2010 Responder

Não podemos parar por aqui! Agora temos um poco da visão da mídia, é a hora de pensarmos em novos movimentos e comovermos mais pessoas.

Janaina

dezembro 27 2010 Responder

Companheiro, se havia alguém esquentado alí era o motorista do ônibus viu!?
Acrescento outros alguéns, como o policial que deu um choque na barriga de outro manifestante e que por vezes soltaram gracinhas pra nós.
Sem falar em muitos alguéns que estavam nas vias e transportes.
Enfim, muitos ainda enxergam esse tipo de manifestação como causador de caos no trânsito, barulho e passa tempo de estudantes desocupados. Lamentável.
Pecamos em não colocar um carro de som pra esclarecer melhor a comunidade, mas percorrendo com o abaixo-assinado pude no corpo a corpo manter uma discussão legal com o pessoal, mesmo rápida, mas achei proveitosa, deu pra sensibilizar várias pessoas (embora eu nunca tenha ouvido em toda minha vida tantos xingamentos quanto hoje).

Concluindo, acho infeliz seu comentário na foto.
Se eu estivesse prestes a ser atropelada lançaria o que tivesse na mãos pra me defender, nem que fosse somente a força do punho.
Ele quebrou um vidro, foi detido e pagou por ele.
Já o amigo que levou o choque na barriga foi embora com uma marca vermelha e ainda ouviu de um policial: “vá prestar queixa se foi agredido” (em tom irônico).
Vamos combinar né!?
saudações!

    Robson Fernando

    dezembro 27 2010 Responder

    Meu comentário foi pelo fato de que o sujeito detido realmente se esquentou e se portou de uma maneira que se tornou altamente “prendível” pelos policiais, muito vulnerável a uma detenção, ainda que rápida.

    Tudo bem que ele tenha pago o vidro, mas o fato em si acabou manchando o protesto. Tanto que parte da imprensa destacou a prisão dele, só faltou pôr moldura na foto do acontecido. A imprensa, que adora desmobilizar a população, acabou tendo um motivo pra sujar perante a opinião pública aquele que se propôs a ser uma manifestação pacífica.

    E digo: se havia alguém esquentado, foram os dois – o motorista e o sujeito detido.

Sua opinião é bem vinda, desde que respeitosa. Fique à vontade para comentar abaixo