20

fev11

Mais um genocídio de animais

Gripe aviária faz Índia sacrificar quatro mil aves

A Índia sacrificou cerca de 4 mil aves, entre patos e galinhas, após algumas delas terem sido diagnosticadas com o vírus da gripe aviária em uma fazenda do governo no estado de Tripura, no nordeste do país, afirmou Jyotirmoy Chakrabarty, diretor do departamento de pesquisa animal local. Ele acrescentou que não havia relatos de humanos infectados e que haverá sacrifício de aves em fazendas vizinhas numa tentativa de impedir a disseminação da doença.

“Não há motivo para pânico, estamos eliminando as aves porque foram detectados vírus H5″, disse Chakrabarty. Foi proibido o transporte e a venda de pássaros e ovos da região da fazenda e também a importação de aves e ovos de Bangladesh, país próximo ao local.

O último grande surto de gripe aviária na Índia ocorreu em 2008, quando milhões de aves foram sacrificadas. No ano passado, também houve surtos, mas menores. As informações são da Associated Press.

Essa notícia e o surto de gripe aviária de 2008 derrubam o mito de que a vida de qualquer animal é sacralizada na cultura indiana. Lá também existe um notável sistema de exploração e extermínio de animais para fins diversos – destacando-se a alimentação onívora e o vestuário de couro.

Enquanto genocídios humanos são lamentados e chorados todos os dias, matanças de números muito maiores de outros animais são muitíssimo mais frequentes e não inspiram sequer uma lágrima da população onívora – no máximo dá uma tristeza passageira aos pecuaristas, que não lucram com o extermínio “sanitário” dos “seus” bichos e demoram dias ou semanas para poderem voltar a matar com retorno financeiro.

A humanidade deseja um futuro em que não existam mais guerras nem violência urbana ou rural nem destruição ambiental nem a exploração do ser humano pelo ser humano. Mas que sentido faz esse desejo se ele não inclui outros seres sencientes nessa tão desejada paz, se nesse mesmo futuro os animais não humanos continuarão a ser escravizados, abusados, violentados e massacrados aos bilhões sob a total aceitação da mesma humanidade?

E que sentido faz chorarmos, por exemplo, os genocídios da II Guerra Mundial, o soviético, o cambojano de Pol Pot e o panasiático de Genghis Khan se nós compramos e comemos os produtos de um sistema que promove genocídios “sanitários” a torto e a direito sem que uma lágrima de compadecimento seja derramada?

“Enquanto o homem [sic] continuar a ser o destruidor dos seres animados […], não conhecerá a saúde nem a paz. Enquanto os homens [sic] massacrarem os animais, eles se matarão uns aos outros. Aquele que semeia a morte e o sofrimento não pode colher a alegria e o amor.” Pitágoras

imagrs

3 comentário(s). Venha deixar o seu também.

Madeline Sampaio

novembro 26 2013 Responder

Até parece que esse povo se importa com os camundongos, só está falando isso para trollagem. Nem se importam com tantas mortes humanas pelo Brasil e pelo mundo, inclusive envolvidas com exploração e escravidão humana incluindo crianças, relacionadas também com a indústria da exploração e matança de outras espécies. Exigem que defendemos até as amebas, nada contra a elas também, até gostaria que vivessem mesmo, mas depois ainda insatisfeitos usam termos como ‘radicais, eco-terroristas, loucos’ e outros quando não se tem mais nada a dizer. E olha que eles também comem vegetais, mas porque não podem salvar os camundongos de morrerem nasplantações de vegetais acham normal matar o restante por matar, se não pode salvar os camundongos, todo o restante deve morrer por morrer. Esse mesmo discurso não utilizam em deixar morrer seres da mesma espécie só porque não podem salvar todos os seres humanos do mundo.

Rafael Nonato

fevereiro 21 2011 Responder

Voce ja tentou calcular quantos camundongos o outros pequenos ladroes de safra precisam morrer para garantir a nossa producao de vegetais? Eles nao sao vidas? Ou certas vidas animais sao mais importantes que outras?

    Robson Fernando

    fevereiro 21 2011 Responder

    Em primeiro lugar, os animais mortos na agricultura não são explorados, são mortes acidentais. E isso acontece muito pouco na agricultura familiar.

    Em segundo lugar, o que te leva a crer que a pecuária, que depende muito da agricultura de forragem, não mata mais animais que a agricultura?

Sua opinião é bem vinda, desde que respeitosa. Fique à vontade para comentar abaixo