25

fev11

Tortura em nome da ciência (Parte 24)

Coração de camundongo recém-nascido se regenera, diz estudo

Cientistas americanos descobriram que os corações de camundongos recém-nascidos podem se regenerar, em um processo nunca visto entre mamíferos e divulgado por meio de um estudo nesta sexta-feira pela revista “Science”.

Os pesquisadores do Centro Médico Southwestern, da Universidade do Texas (EUA), autores da pesquisa, removeram o que é conhecido como o ápice ventricular esquerdo do coração (cerca de 15% do músculo cardíaco) dos camundongos, apenas um dia depois de eles terem nascido.

Foi observado que o coração se recompôs completamente após 21 dias. Dois meses depois, o órgão parecia estar funcionando normalmente.

Muitos peixes e anfíbios são conhecidos por sua capacidade de reconstruir o tecido de seus corações, mas, segundo o estudo divulgado hoje, isso nunca tinha sido observado em mamíferos.

Para especialistas britânicos, o entendimento desse processo nos camundongos pode ajudar em tratamentos cardíacos para humanos.


PERÍODO CURTO

No entanto, quando o mesmo experimento foi realizado em roedores com uma semana de vida, o coração foi incapaz de se refazer sozinho, indicando que é curto o período em que os animais preservam a habilidade de autorregeneração.

Acredita-se que as células cardíacas continuem a se replicar e se recompor durante um breve intervalo após o nascimento do camundongo.

“Nossos resultados mostram que as células do novo músculo cardíaco, que recuperam a área amputada do coração, vêm da proliferação e migração de células cardíacas pré-existentes”, disse um dos autores do estudo, o professor Eric Olson. “Não temos evidência de que tenham vindo de uma população de células-tronco.”

Segundo Olson, há motivos para acreditar que o coração humano tenha a mesma capacidade.

“Tudo o que sabemos sobre o desenvolvimento e as funções iniciais do coração do camundongo são comparáveis ao coração humano. Portanto, estamos confiantes que esse processo pode se repetir em humanos, ainda que isso ainda precise ser mostrado.”


ATAQUES CARDÍACOS

Os cientistas americanos agora buscam formas de ativar esta capacidade regenerativa em corações de camundongos adultos, com a ambição de fazer o mesmo em humanos e corrigir danos causados durante ataques cardíacos.

“Identificamos um micro-RNA (pequeno pedaço de material genético) que regula esse processo e vamos tentar usá-lo como forma de incrementar a capacidade de regeneração cardíaca. Também estamos buscando novas drogas que possam reavivar esse mecanismo na vida adulta“, afirma Olson.

O pesquisador diz, no entanto, que novas pesquisas esbarram em desafios, como evitar que a alteração das células cardíacas humanas provoque arritmias, por exemplo. Além disso, o funcionamento do coração humano é mais complexo do que o de outros animais.

Analisando parte por parte da notícia:

A primeira parte mostra que os corações dos camundongos recém-nascidos foram mutilados. Ou seja, nem com um dia de nascido têm o direito à integridade física. E ainda dá a entender quase explicitamente que o coração dos pequeninos roedores funcionou mal durante os 21 dias de regeneração, mas não falou se eles sofreram durante esse período. É provável que tenham sofrido, o que nos mostra que nem em fase bebê esses animais têm o respeito de quem faz ciência através da violência.

Na segunda parte (Período curto), já mostra que os corações violados de outros camundongos, operados com uma semana de vida, não se regenerou. Ou seja, muito sofrimento e uma morte lenta e dolorosa para os animais cujos corações funcionaram mal pelo resto de suas curtíssimas vidas e não se refizeram.

Na terceira (Ataques cardíacos), a promessa de mais tortura contra animais: pretende-se violar os corações de camundongos adultos e injetar-lhes medicamentos em teste. Muita tentativa-e-erro pela frente, o que quer dizer muito sofrimento e mortes dolorosas pela frente. Mais animais serão condenados à roleta-russa que sempre caracteriza a experimentação de novos remédios e experiências de violação e regeneração corporais.

E assim vai caminhando a ciência feita com violência. Mesmo com altas chances de fracasso em sua aplicação a seres humanos, @s cientistas não arredam pé da tortura de animais não humanos como método de pesquisa.

imagrs

Seja a primeira pessoa a comentar

Sua opinião é bem vinda, desde que respeitosa. Fique à vontade para comentar abaixo