14

mar11

Eduardo Campos presidente: um armageddon ambiental no Brasil no horizonte?

Em aliança com Kassab, Eduardo Campos trilha caminho para 2014

A união entre o PSB e o prefeito Gilberto Kassab (DEM) faz parte do projeto do governador de Pernambuco, Eduardo Campos, para se tornar uma alternativa para o empresariado do Sul e do Sudeste na disputa pela Presidência da República em 2014. Na pior das hipóteses, o atual governador de Pernambuco poderá servir como opção de vice para um candidato do PSDB ou do PT.

Segundo aliados de Campos, o governador e presidente nacional do PSB avalia que Kassab ajudaria a ampliar seu relacionamento com poder financeiro paulista. Atualmente, Campos já tem como interlocutor o presidente da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp), Paulo Skaf, que foi candidato a governador em 2010 pelo PSB.

“O problema é que Skaf não comanda a prefeitura de maior orçamento do País, o que diminui seu poder de influência sobre políticos e empresários”, avalia um socialista. Atual prefeito de São Paulo, Kassab tem mandato até o fim de 2012. Se migrar diretamente do DEM para o PSB, corre o risco de perder o cargo por infidelidade partidária.

É por esse motivo que Kassab optou por criar um partido – o PDB – para mais tarde fundi-lo com o PSB. Os advogados contratados pelo prefeito paulistano para produzir a documentação para a nova sigla já finalizaram o trabalho. Eles esperam apenas o aval de Kassab para dar início ao processo de criação da legenda.

O sinal verde poderá ser dado nesta quarta-feira, um dia após a convenção do DEM. O partido reúne-se em Brasília para confirmar o senador José Agripino (RN) como novo presidente da sigla e a formação da nova Executiva. Como foi firmado um acordo na divisão de postos no colegiado entre as alas do partido lideradas por Jorge Bornhausen (SC) e Rodrigo Maia (RJ), não haverá disputa.

Dois pontos inspiram uma cautela tendente a um futuro medo nessa postura de Eduardo Campos, também conhecido aqui como O Máquina, o DesMatador de Mangues, o “É” Motosserra:

– A postura dele de aceitar gente vinda da direita (como Kassab e a Miss Motosserra Kátia Abreu) na sua base aliada ou até mesmo futuramente no PSB é uma guinada clara do partido à direita. Deixa de ser aquele partido de Arraes, de centro-esquerda, e se torna de centro-direita, tornando o “Socialista” do seu nome apenas um adereço inútil e obsoleto.

– Se for confirmado que Kátia Abreu vai para o PDB, que por sua vez vai se incorporar ao PSB, teremos alta probabilidade de ver um Armageddon Ambiental no Brasil se Eduardo for eleito presidente. Desenvolvimentismo ambientalmente irresponsável + ruralismo antiambiental por excelência + projeto político simpático à direita = o fim dos ecossistemas brasileiros + repressão contra ambientalistas.

O Arauto da Consciência, sempre que obtiver novidades a mostrar a postura antiambiental do governador de Pernambuco, irá escancará-las, de modo que quem pensa consciente vai não só votar contra ele, como também vai fazer contrapropaganda para que ele não seja eleito.

imagrs

Seja a primeira pessoa a comentar

Sua opinião é bem vinda, desde que respeitosa. Fique à vontade para comentar abaixo