06

abr11

[OFF] Recife, centro para quem? – texto de Otávio Augusto

Otávio Augusto escreveu em novembro de 2010 o texto abaixo sobre a política higienista da Prefeitura do Recife. Trago-o aqui, inclusive como uma amostra de meu ceticismo em relação à posição da prefeitura exposta na resposta ao meu artigo sobre a ação de limpeza social da Avenida Dantas Barreto.

 

RECIFE, NOSSO CENTRO?… MAS, CENTRO PRA QUEM?
por Otávio Augusto, em 27/11/2010

Ontem (quer dizer, ante-ontem), numa ação arbitrária e higienista da Prefeitura da Cidade do Recife (PCR), por intermédio da Secretaria de Controle, Desenvolvimento Urbano e Obras e a DIRCON, em respaldo ao Programa “Recife! Nosso Centro”, foram expulsos da Rua 07 de Setembro, no bairro da Boa Vista (centro do Recife) centenas de ambulantes que durante muitos anos viviam e tiravam seu sustento por meio de atividades ligadas ao setor informal.
O fato desencadeou no protesto, orquestrado pelos próprios ambulantes, que fechou por algumas horas o trânsito na Av. Conde da Boa Vista, Av. Guararapes e cercanias.
Não pude presenciar o fato, mas depois de ouvir alguns colegas comentando e de procurar saber mais detalhes do caso pela internet, rapidamente veio-me, como num insight, a seguinte indução: “começaram as ações de limpeza social e embelezamento da cidade para a copa do mundo!”

Apesar que, não é de se estranhar esse tipo de ação na governança de João da Costa (PT). A atual administração pública já demonstrou que possui poucas características da anterior, sendo, em muitos casos, uma concretizadora apenas dos anseios de certos setores da cidade.
Deixa-me abismado pensar que tal governança existe por intermédio de um partido que, teoricamente, tem como uma de suas bases esses não-cidadãos, esses habitantes das cidades informais. Todavia, essa mesma governança acaba, em suas a(repre)ções, maltratando de maneira traidora e tirânica essa base que confiantemente lhe atribui o poder institucional!

Mas o que mais me deixa angustiado é observar o objetivo desse programa da prefeitura que promoveu a expulsão dos ambulantes que ocupavam uma área pública. Programa esse que, até então eu não conhecia e que ironicamente é conhecido como “Recife! Nosso Centro”. Dentre os objetivos desse programa está o de requalificar as áreas centrais da cidade, visando limpeza e mobilidade, na tentativa de torná-las mais aprazíveis e/ou democráticas…
Bom, tenho certeza que expulsar gente de espaço público não tem nada de democrático!
A propósito, é incrível como expulsar, no Brasil, parece ser tão mais fácil do que regularizar. O que custa sentar com essas pessoas, respeitando-as, no intuito de pensar mecanismos para regularizar e ordenar, de maneira democrática, suas atividades?
Vale lembrar que comércio regular de rua é possível e comum em qualquer cidade do mundo…

Ainda em relação ao programa, um fato interessante nele é que a prefeitura se utilizou de enquete na internet, através do sítio da PCR, para delinear as prioridades das ações no centro:
“Através da rede mundial de computadores, a PCR buscou a participação dos recifenses para mais uma ação importante na cidade e a população respondeu positivamente. A enquete recebeu 2.215 acessos. Dentre eles, 866 visitantes contribuíram, opinaram sobre os principais pontos para melhoria da requalificação do centro. O mais citado, com 27,83%, foi limpeza urbana. Em seguida, ficou o ordenamento do comércio informal (18,48%) e segurança (18,36%). Mobilidade vem depois com 13,85% e incentivos a conservação de edifícios com 11,66%. Ainda 9,82% das contribuições contemplaram arborização, espaços culturais, recuperação de praças e atenção a crianças e adolescentes em situação de rua”(disponível no site da PCR).

Assim, apenas alguns (18,48%) dos nada representativos 2.215 participantes escolheram, dentre as principais prioridades do programa, o ordenamento do comércio informal… Acho que esses participantes não imaginavam que ordenar a suposta desordem representaria essa ação tão infame e higienista!
Estão previsto também, no programa, outras ações que envolvem recuperação de calçadas, iluminação pública, recuperação e conservação do patrimônio histórico (cuidado queridos companheiros do Trianon!), coleta de lixo etc. Assim afirma a PCR:
“A iniciativa visa a resgatar o papel da região como referencial metropolitano de comércio, serviço e moradia” (disponível no site da PCR).

Sobre a situação dos ambulantes, a PCR pretende realocá-los da região da Boa Vista para algum outro lugar (provavelmente será para o camelódromo, no trecho não utilizado, próximo ao mercado das flores), em São José, numa suposta tentativa de dar uso àquele trecho daquela aberração urbana, isolada e distante de tudo. Não sabem os técnicos-burocratas da nossa nababesca PCR que a lógica de funcionamento do setor informal nada difere do formal , ou seja, os ambulantes (segundo Milton Santos, o circuito inferior da economia), assim como o comércio formal (circuito superior da economia) procuram estar próximos aos fluxos de pessoas, aos grandes equipamentos urbanos e aos pólos geradores de tráfego! Por isso, se forem realocados, provavelmente, eles (os ambulantes) logo estarão de volta aos locais de onde foram expulsos!
Hoje à tarde (quer dizer, ontem), uma comissão de ambulantes, junto com a Associação e o Sindicato dos Ambulantes, tiveram uma conversa com a PCR – daquelas que existem para apaziguar os ânimos – e os ambulantes decidiram acatar as propostas postas em negociação. A PCR irá cadastra alguns dos ambulantes que trabalhavam na região, permitindo que apenas poucos deles permaneçam exercendo suas atividades no local. Os demais serão realmente realocados.

Bom, eu procuro ser um eterno desconfiado da bondade dos outros, sobretudo daqueles que “estão por cima”… Por isso especulo que há muitos interesses escusos por trás dessa suposta necessidade de requalificar o centro, e, com certeza, a Copa 2014 deve ser um deles. Estão querendo higienizar a cidade, acabar com a desordem, embelezando-a para mais na frente vende-la como mercadoria para turismo internacional… E os próximos episódios dessa lamentável história nos dirão se minha intuição (não só minha, mas de muitas outras pessoas) está certa, ou não!

Enfim, fica minha indignação diante dessa vergonhosa ação da PCR.
Cada dia que passa, me surpreendo com a casmurrice que muitos (dali e de outros lugares) carregam consigo… Isso só me deprime!
Como diria Hardy Har Har: Oh céus, oh vida!!!
Vou dormir!

Por Otávio Augusto

Disponível em: http://espacobanal.blogspot.com/2010/11/recife-nosso-centro-mas-centro-pra-quem.html

imagrs

Seja a primeira pessoa a comentar

Sua opinião é bem vinda, desde que respeitosa. Fique à vontade para comentar abaixo