27

abr11

Proteste já: empresa vende minicoelhos pela internet

Reportagem da Folha.com na semana santa divulgou o link de uma empresa que lucra vendendo minicoelhos, tratando animais como objetos e mercadorias.

O site em questão é o Quero Meu Coelho, e a empresa que o possui viola qualquer preceito ético concernente aos animais não-humanos. A página principal descreve os minicoelhos como uma empresa comercial descreve os pontos positivos de seus produtos:

Algumas características:
? São animais limpos e fáceis de cuidar, podem ser soltos dentro de casa ou apartamento;
? Não têm cheiro no pêlo, lavam-se sozinhos, portanto, não necessitam de banho;
? Não precisam de vacinas;
? Baixo custo de manutenção (sic) e alimentação;
? São em geral, dóceis e apegados aos donos;
? Tamanho: variam entre 25 e 35 cm de comprimento e pesam entre 1 a 2kg;
? Expectativa de vida: de 6 a 8 anos;
? Fazem suas necessidades em um lugar específico.

Os custos da compra dos “produtos” são assim descritos:

Resumo dos custos:
Filhote: R$ 75,00 cada, R$ 95,00 de olhos azuis.
Frete aéreo: clique aqui para ver a tabela de preços.
GTA + atestado de saúde + translado + 1 caixa de transporte: R$ 100,00
* O valor do frete é o mesmo para até 3 filhotes.
* 1 caixa de transporte comporta até 3 filhotes.
* Os filhotes são realmente avaliados antes do envio, não trocamos filhotes avaliados e não mandamos atestados emitidos sem consulta. Para sua segurança, no atestado consta a descrição física de cada filhote e podemos enviar o contato do veterinário responsável para confirmação.

Calculo do valor total:
Valor dos Filhotes + Frete + R$ 100,00 (para até 3 filhotes) = valor total

É hora de protestarmos contra essa empresa que joga qualquer noção de ética no lixo e trata seres sencientes como mercadoria.

Há duas formas de enviar seu protesto: uma pelo formulário de contato, outra por dois e-mails: contato@queromeucoelho.com.br e contato@minicoelho.com.br. Não economize palavras para repudiar essa empresa.

A lei brasileira pouco pode fazer no momento contra empresas que tratam animais como produtos, visto que ela pune predominantemente violências óbvias, julgadas cruéis pelo bem-estarismo, e não considera ilegal o comércio de animais não-humanos. Portanto, a justiça terá de vir de nossos protestos.

Dê um basta ao especismo, ao tratamento de animais não-humanos como seres inferiores passíveis de posse e preço. Não tolere a existência de empresas como a “Quero Meu Coelho”.

X Quero Meu CoelhoX minicoelhosX comércio de animaisX animais tratados como mercadoriaX animais tratados como propriedadeX especismoX proteste jáX protestoX mobilização virtua
imagrs

4 comentário(s). Venha deixar o seu também.

Ruth Iara Lopes Ferreira

abril 29 2011 Responder

Sou contra qualquer comércio da animais.
Coelhos são animais silvestres e, a propósito, o que tem acontecido com as selvas? Pois, é…

Carlos Monteiro

abril 27 2011 Responder

Acho que é seu senso de ética que está corrompido pela moralidade essa sua de que animais precisam de proteção.

Se eles não conseguem sobreviver sozinhos, em liberdade, por que se meter na evolução?

Vocês só atrapalham a seleção natural.

    Robson Fernando de Souza

    abril 27 2011 Responder

    Primeiro, você prefere que os animais sejam explorados e torturados em vez de protegidos?

    Segundo, se eles não conseguem sobreviver sozinhos, em condições naturais já teriam desaparecido. Só continuam existindo exclusivamente por interesses tipicamente humanos, pra usá-los como matéria-prima ou servos afetivos. Quem atrapalha a seleção natural de verdade são os próprios exploradores.

    Leia este artigo de Gary Francione: http://www.anima.org.ar/libertacao/abordagens/direitos-animais-e-nao-humanos-domesticados.html Ele mostra que nós abolicionistas somos favoráveis à seleção natural tanto que não nos importamos se as espécies que hoje são dependentes de nós – e foram desligadas de qualquer ecossistema natural – irão sumir um dia por pararem de se reproduzir.

Sua opinião é bem vinda, desde que respeitosa. Fique à vontade para comentar abaixo