26

abr11

Record News fala de vegetarianismo infantil, mais honestamente do que o restante da mídia

A Record News, semana passada, ensinou ao restante da mídia como se faz orientação honesta sobre vegetarianismo na infância. Ao contrário de Globo, Público.pt e outros veículos da imprensa lusófona que se investiram em plantar preocupação, cautela e até terrorismo desnecessários sobre mãe e pai orientarem suas crianças a não comer carne, o noticiário da Record para TV a cabo soube falar com as vegetarianas (as vegetarianas de 3 gerações) e obteve informações de forma imparcial dos dois nutricionistas entrevistados (George Guimarães, o vegano, e Fábio Lopes, o pró-onivorismo), além de falar com o vegano (colega meu) Guilherme Carvalho.

A única falha foi não ter procurado relatórios científicos que atestassem ou contrariassem a sustentabilidade nutricional do vegetarianismo, escorando a credibilidade da notícia na autoridade dos dois nutrólogos entrevistados. O que mostra que, mesmo quando fala bem do vegetarianismo, a imprensa ainda tem que criar novos hábitos, como consultar trabalhos científicos, ao falar dessa alimentação que despertando o encanto de muitas pessoas e a reação conservadora de grande parte da imprensa e d@s alfacistas polemistas.

Mas, enfim, se alguém se preocupou com a dieta vegetariana, preocupou-se muito menos do que com as investidas da Globo.
Assista abaixo ao vídeo da Record News, que foi ao ar semana passada.

Atualização (26/04/11, 20:24): Reclamações de blogueir@s como Raphael Tsavkko denunciam que o fato de a Record News ter tratado bem o vegetarianismo infantil em comparação a outras emissoras não quer dizer que a Record, seja a emissora principal ou o noticiário da TV fechada, é o lado bom do decadente jornalismo mainstream brasileiro. Em outros assuntos, como tentar associar essencialmente jogos violentos a crimes de psicopatia, a Record demonstra um jornalismo tosco e desrespeitoso, que não se sobressai perante outros veículos da imprensa de grande audiência.

imagrs

Seja a primeira pessoa a comentar

Sua opinião é bem vinda, desde que respeitosa. Fique à vontade para comentar abaixo