11

abr11

Texto atribuído a Glória Kalil mistura ateísmo a mentira, grosseria, fraude, falsidade e outras desqualidades

Atualização (12/04/11, 23h22): O artigo não é de autoria de Jota Oliveira, embora ele seja cúmplice por tê-lo reproduzido, mas sim supostamente da empresária Glória Kalil. O texto “dela” se chama Ser chique sempre. E outro detalhe bastante importante é que mesmo a autoria atribuída a Glória Kalil é questionável, visto que não há uma fonte original do texto e, tal como uma lenda urbana, ele circula apenas em blogs e fóruns – alguns dão a fonte como o site dela – http://chic.ig.com.br, mas o texto não está lá (ou não mais). No entanto, vale continuar dirigindo protestos a Jota Oliveira, visto que ele consente e aprova esse texto claramente intolerante contra ateístas.

Atualização (25/09/11): Recebi informação nos comentários de que o texto realmente não é de Glória Kalil, sendo na verdade um plágio do texto Ser chique, uma questão de atitude de Gilka Maria, extraído do livro A quem interessar possa. E a passagem sobre ateísmo sequer constaria no texto de Gilka, tendo sido na verdade uma inserção maliciosa por parte de algum religioso intolerante mal intencionado.

Mais uma denúncia do blog Ateus Atentos sobre mais uma injúria religiosa vinda de formadoræs de opinião:

No texto “Carpe diem!”, publicado ontem pelo jornal Tribuna do Norte, Jota Oliveira afirmou:

Chique mesmo é honrar a sua palavra, ser grato a quem o ajuda, correto com quem você se relaciona e honesto nos seus negócios. Chique mesmo é não fazer a menor questão de aparecer, ainda que você seja o homenageado da noite! Chique do chique é não se iludir com “trocentas” plásticas do físico… Quando se pretende corrigir o caráter: não há plástica que salve grosseria, incompetência, mentira, fraude, agressão, intolerância, ateísmo… falsidade. Mas, para ser chique, chique mesmo, você tem, antes de tudo, de se lembrar sempre de o quão breve é a vida e de que, ao final e ao cabo, vamos todos terminar da mesma maneira, mortos sem levar nada material deste mundo. Portanto, não gaste sua energia com o que não tem valor, não desperdice as pessoas interessantes com quem se encontrar e não aceite, em hipótese alguma, fazer qualquer coisa que não lhe faça bem, que não seja correta. Lembre-se: o diabo parece chique, mas o inferno não tem qualquer glamour! Porque, no final das contas, chique mesmo é Crer em Deus! Investir em conhecimento pode nos tornar sábios… mas, Amor e Fé nos tornam humanos! (Glória Kalil)

Em suma: para o autor, ateísmo não apenas é uma qualidade absolutamente indesejável e até criminosa (tanto quanto grosseria, incompetência, mentira, fraude, agressão e intolerância). Mais do que isso, além de não sermos “chiques”, uma qualidade igualada por ele a tudo que existe bom, também somos menos humanos porque não temos fé. PROTESTE!

O mais importante é enviar correspondência ao jornal, pois isso o pressiona a ceder direito de resposta, publicar cartas que outros leitores possam ver e policiar publicações preconceituosas. O email é pauta@tribunadonorte.com.br.

Para quem quiser contatar também o autor:

http://twitter.com/jota_oliveira

jotaoliveira@jotaoliveira.blog.br

Comentários

comentários

imagrs

25 Comentários

Carlos

janeiro 25 2014 Responder

É bem típico de alguns evangélicos escreverem textos preconceituosos e atribuir uma falsa autoria de pessoas famosas para dar autoridade as baboseiras que eles inventam.

FRANCISCO

novembro 28 2012 Responder

Estimada irmã Glória.`
Na primeira vez que li seu texto “Ser Chique Sempre” gostei muito, pois o fiz de maneira despretensiosa, tendo-o recebido de um amigo, via e-mail, detendo-me apenas no como e não no que a senhora escreveu. Hoje li-o novamente, e desta vez na internet, quando tive a oportunidade de ler, também, alguns comentários a respeito, quando, na minha experiência de 50 anos de crente praticante da Palavra de Deus, tive de concordar com algumas críticas negativas, pelo fato de a senhora ter incluído o ateísmo nos itens que não podem ser corrigidos por alguma forma de plástica.
Embora não sendo escritor, gosto muito de escrever, e sempre procuro ouvir ou ler com atenção esmerada as críticas sobre o que escrevi, procurando corrigir, não só a gramática e estilo do texto, mas principalmente dizer o que penso ou creio a respeito de algo ou alguém, sem atingir diretamente ao(à) leitor(a)que não pensa ou crê da mesma maneira que eu.
Sito como exemplo, o Rev. Hernandes Dias Lopes, da Igreja Presbiteriana do Brasil, quando, por ocasião de uma de suas palestras a respeito dos pentecostais e não-pentecostais, disse, de maneira muito chique: “Nossos irmãos pentecostais não são muralhas que nos separam, mas linhas que nos distinguem”.
Podemos e devemos proclamar a nossa fé, mas com o amor cristão que nos legou o próprio Divino Mestre. Por isso, em minha jornada cristã, tenho posto em prática o exemplo de Felipe de Melanchton, auxiliar direto de Lutero, quando ensinava a respeito das coisas espirituais: “Unidade nos essenciais, liberdade nos não essenciais e amor em tudo”.
Realmente, querida irmã, devemos ser sempre chiques; chiques no deitar, chiques no levantar, chiques no trabalhar. Mas nunca esquecendo que o Senhor Jesus nos ensinou que ser chique mesmo é… amar!
Graça e Paz

    Robson Fernando de Souza

    novembro 28 2012 Responder

    Francisco, aqui não é o blog de Glória Kalil. Tampouco o texto é dela.

gilmar - Foz do Iguaçu

outubro 17 2011 Responder

Ofensas e ameaças religiosas são proibidas por aqui. Ou você comenta com respeito ou não terá vez pra comentar aqui.

Att,
RFS

Virginia Abreu de Paula

setembro 25 2011 Responder

Trata-se de um plágio do texto Ser chique, uma questão de atitude de Gilka Maria. Consta do seu livro ” A quem interessar Possa.” Com certeza esse absurdo não foi escrito por Gloria Kalil. Mas, concordo que ela devia colocar no seu site que não é responsável por ele. A propósito, no original ela não fala em ateismo. Só ofende o Paulo Coelho.

    Robson Fernando de Souza

    setembro 25 2011 Responder

    Obrigado, Virginia. Adicionei a informação no post. Abs

Vitor Sorenzi

julho 26 2011 Responder

Mais uma lenda, hoax, da internet, que não tem fonte e a cada replicação: ‘Quem conta um conto, aumenta um ponto’.
E ainda assim, rende comentários.
Ah sim, depois alguém me explique o novo conceito de ‘direito de resposta’ porque acho que errei a dimensão onde vivo.

    Robson Fernando de Souza

    julho 26 2011 Responder

    Vitor, vc deve ter percebido que eu denunciei o texto como hoax. Se Glória Kalil publicar uma resposta desmentindo o texto ateofóbico, vou ser um dos mais interessados em publicar.

      Vitor Sorenzi

      julho 27 2011 Responder

      Sim, eu percebi. Apenas reforçei o fato de que não se deveria dar atenção a essas bobagens. E tudo isso parece mostrar que precisamos amadurecer muito como povo civilizado, um povo que respeita e convive com as diferenças.

        Robson Fernando de Souza

        julho 27 2011 Responder

        Pois é, o ideal seria o povo ser cético e questionador o suficiente pra não acreditar em qualquer besteira posta na boca de celebridades.

Dani

julho 21 2011 Responder

Adorei o texto, se é de autoria realmente da Glória ela está de parabéns e obrigada por divulgarem o texto e também pelos comentários, afinal LIBERDADE DE EXPRESSÃO! Pois assim como os cristãos os ateus também podem se manifestar, ter o direito a resposta no jornal é uma coisa,agora querer que publiquem somente o que um concorda e julga certo, ah! sinceramente, isso não é ser crítico ou intelectual. Pense.

    Robson Fernando de Souza

    julho 21 2011 Responder

    Parabéns por ofender uma categoria inteira de pessoas e defender a liberdade de ser preconceituoso? É isso?

Kathia Gloria

julho 8 2011 Responder

Não sou ateia mas também me indignei com o texto acima.
Não acredito que seja da Gloria Kalil.
Devolvi para as pessoas que me enviaram com as
devidas ressalvas, incluindo a dúvida sobre a real
autoria do mesmo.

Flaps

junho 4 2011 Responder

Mas cara todos sofremos intolerância, os Crentes/Católicos os Gays os Ateus, os Judeus, os Negros.

Sendo que pelos negros sim devemos lutar, porque o preconceito deles é pela cor e raça…já os outros são por aquilo que acreditam, e querer que vc acredite em Deus ou deixe de acreditar. agora contra os Gays sim é estranho pq eles ja são cidadãos com direitos constituídos e querem um direito a mais ainda que é a lei de não serem criticados nunca.

    Robson Fernando de Souza

    junho 4 2011 Responder

    Comentando em partes:

    Mas cara todos sofremos intolerância, os Crentes/Católicos os Gays os Ateus, os Judeus, os Negros.

    Todos estes, exceto os homossexuais, já são protegidos por lei constituída – 7.716/89, a famosa Lei Antirracismo.

    Sendo que pelos negros sim devemos lutar, porque o preconceito deles é pela cor e raça…já os outros são por aquilo que acreditam, e querer que vc acredite em Deus ou deixe de acreditar.

    Devemos lutar por todos aqueles que são vítimas de preconceito, discriminação e crimes de ódio.

    agora contra os Gays sim é estranho pq eles ja são cidadãos com direitos constituídos e querem um direito a mais ainda que é a lei de não serem criticados nunca.

    Primeiro, homossexuais (lésbicas e gays) não são cidadãos com direitos integrais constituídos. Não há nenhuma lei que os coloque de fato com tantos direitos quanto os heterossexuais, apesar de a Constituição determinar irreferidamente a igualdade entre LGBT e héteros. Muito recentemente foi que o STF interpretou a Constituição de modo a dar os direitos de união civil estável que antes lhes eram negados.
    Segundo, por que se deve criticar os homossexuais? Criticá-los pelo que eles são e não podem deixar de ser? Criticar o ato de amar, que, ao mesmo tempo que traz o profundo bem ao casal homo, não faz absolutamente mal nenhum a qualquer outra pessoa?
    Você não se importa em não poder criticar negros, deficientes, idosos e estrangeiros em função da condição que os categoriza como minorias. Mas se importa tanto em criticar LGBT em função da sexualidade deles por quê?

      Peregrinno

      outubro 5 2011 Responder

      Robson,

      Tu, talvez num ato de indignação, possivelmente deixaste passar o que “Flaps” disse.

      “….os Gays sim é estranho pq eles ja são cidadãos com direitos constituídos e querem um direito a mais ainda que é a lei de não serem criticados nunca.”

      Nessa frase, a ênfase está em não permitir críticas. Isso sim é intolerância! Não sou homossexual, mas tenho um na família. Um parente de quem gosto muito e respeito, independente de eu gostar ou não do que ele faz. Ou opitou por ser.

      Tenho colegas de trabalho que são homossexuais, inclusive um é minha chefe, que é gente boa demais, e não devem nada a ninguém seja na competência, seja na camaradagem.

      CONTUDO, ninguém está livre de ser alvo de críticas, ninguém é “incriticável”. QUALQUER UM, ESTEJA ONDE ESTIVER, SEJA O QUE FOR, TEM O DIREITO REAL E INALIENÁVEL, INDEPENDENTE DE SE TER LEI OU NÃO, DE DISCORDAR E SER CONTRÁRIO A QUEM OU O QUE SEJA!

      Não abro mão de ser sincero (não grosseiro, arrogante, me achando o tal, etc.) e poder discordar na cara de quem seja sobre o assunto ou a pessoa que seja.

      Faço isso com os meus amigos que são homossexuais e sou respeitado por eles por não ser “Maria vai com as outras” nesse mundo atual tão nojento em coisas “politicamente corretas”.

      Esse tipo de coisa, impedir que o outro seja sincero, é coisa de NAZISTA!!! Esse tipo de ideologia (a não ser que tenha sido desinfantilizada e “desmegalomanizada”) foi um retrocesso à humanidade. Um câncer na consciência dos ser humano.

      Não estou dizendo que tu és “Maria vai com as outras” ou acusando-te de alguma coisa, a não ser de que é possível que tu foste um pouco ingênuo, não olhando numa visão macro. Estamos numa democracia. Todo mundo tem direito (ou deveria) de falar qualquer coisa. Quem foi alvo das críticas, se não gostou, prove na justiça que tais críticas foram ofensivas.

      Mas TEMOS todos que ter o direito à crítica, de nos pronunciar contra ou à favor de algo que acreditemos.

      Se não fosse assim este blog aqui não existiria, e quem não acreditasse em Deus ainda hoje estaria sendo perseguido e condenado à morte, como um dia os que creem em Deus foram perseguidos e condenados à morte. Por esta minha última frase tu entendeste o que eu quis dizer?

      Se tem gente que quer criticar o amor, que seja, paciência. Direito. Se alguém quer criticar o outro pelo time que torce. Que seja, direito. Tanto um quanto o outro apenas aguente também críticas contrárias e possíveis intimções à justiça.

      Não sei se tu sabes, mas se alguém chamar o outro por um palavrão qualquer pode ser intimado à justiça por injúria/calúnia.

      O Brasil já tem leis demais. Falta é aplicação!

      “Você não se importa em não poder criticar negros, deficientes, idosos e estrangeiros em função da condição que os categoriza como minorias. Mas se importa tanto em criticar LGBT em função da sexualidade deles por quê?”

      Quanto a esta sua última frase, ela deve ser respondida por cada um de nós para nós e nossos filhos. Pois não só vale para os homossexuais quanto para um cristão, judeu, muçulmano e ateu.

      Gostaria de parabenizá-lo, Robson, pela clareza na exposição das palavras e das ideias quanto pela coragem em fazê-lo.

        Robson Fernando de Souza

        outubro 5 2011 Responder

        Obrigado, Peregrino. Mas não se critica o ser das pessoas. Não “discordamos” da raça do outro, nem do gênero (ex.: discordo de você ser mulher e exercer o papel de gênero de uma mulher). E homossexualidade é algo inato, que não se escolhe. Portanto, por que “discordar” da homossexualidade?

          Perebrinno

          outubro 17 2011

          Tudo bom, Robson?

          Entendi o que tu disseste. Mas pense direitinho. Podemos discordar sim, por mais ridículo que isso pareça tanto pra ti quanto é pra mim – de qualquer coisa incluindo raça, gênero, etc. Mas como eu acabei de dizer, é ridículo. Pelo menos, ainda bem, para a maioria atual que povoa o planeta. Mas se tu der uma espiadinha nos livros de história, tu vais ver que e comum. Mas entendi o que tu disseste.

          Quanto ao homossexualismo ser “inato”, isso não é uma verdade sólida. Até mesmo Freud acreditava que era uma “perversão”. Hoje, muito médicos, psicólogos, psiquiatras e afins estão divididos quanto a isso. A ciência, eu tenho aprendido, é menos exata do que brada que é. E essa inexatidão aumenta quando se chega perto do que o ser humano é. Eu esqueci agora, mas vou procurar para postar aqui. Um médico muito influente e admirado falou o ano passado, acho, que entendia após anos de estudo que “…não há três sexos, mas apenas dois. Se se criasse uma utopia gay, ela não sobreviveria à terceira ou quarta geração…”. Vou procurar pra ver se encontro de novo essa sitação. E já vi e ouvi tantos outros falando a favor ou contra.

          Mas o caso que estávamos falando é sobre o mdireito de se criticar. Aqui digo eu. Procuro com todas as minhas forças e paciência, nunca impedir que alguém tenha o direito de não concordar com alguma coisa. E não é fácil, não!

          Robson Fernando de Souza

          outubro 17 2011

          “Quanto ao homossexualismo ser “inato”, isso não é uma verdade sólida. Até mesmo Freud acreditava que era uma “perversão”. Hoje, muito médicos, psicólogos, psiquiatras e afins estão divididos quanto a isso. ”

          Pelo contrário. É cada vez mais consenso que homo/bi/heterossexualidade são algo que não se controla. E Freud também dizia um monte de besteiras muito machistas sobre evolucionismo psicológico, e nessa área vem sendo “debunkado” por sociólog@s dos estudos de gênero.

          Hoje ainda se fala sobre “criticar orientação sexual”, mas num futuro próximo será algo tão ridículo e ilegal quanto criticar raça e nacionalidade.

lindolfo

abril 13 2011 Responder

Caro cidadão, se o mundo não tivesse sido intolerante com o intolerante mor Hitler, o que seria o mundo hoje?? Falsidade é não querer ver com os olhos, falsidade é querer ficar bonitinho na foto!!! Ser homem não é só usar calças!! Ser homem é ter coragem de assumir posições!!!

Dudu Maroja

abril 12 2011 Responder

Vale lembrar que o texto não é do cada do Tribuna ae, e da Gloria Kalil ( ou pelo menos é o que ele diz, e esta no texto mesmo que você citou!

esse texto infelizmente é muito difundido na internet, e não consegui achar uma fonte que leve ao original!

    Robson Fernando de Souza

    abril 12 2011 Responder

    Valeu, Dudu, vou corrigir a informação. Abs

Dudu Maroja

abril 12 2011 Responder

Muito legal falar de intolerancia e logo apois uma virgula ser intolerante! show de falsidade ( que está ali logo depois tambem )

lindilfo

abril 12 2011 Responder

Este cara é um babaca, não deve ter tido mãe seria, deve ser um fdp, um comedor de merda, eu queria ver se teria coragem de dizer estas asneiras cara a cara, é um puta covarde!!!

    leo

    abril 3 2012 Responder

    que comentario tolerante!

Deixe um comentário