13

abr11

Você Sabia? Curiosidades da pecuária mamífera

Você vai se impressionar com as curiosidades abaixo, sobre de onde vem a carne vermelha e o leite tão comumente consumidos.

Extraí essas medonhas informações em pesquisa bibliográfica na UFRPE. Até agora obtive apenas sobre os mamíferos. Em breve trarei mais curiosidades, dessa vez sobre aves e, em outro post, sobre animais aquáticos e abelhas (se eu encontrar informações suficientes).

Com essas pesquisas, acabei chegando a uma conclusão: Se “lida corretamente, a Bíblia é a maior força em prol do ateísmo jamais concebida”*, os livros de pecuária são a maior potência pró-veganismo jamais criada.

*Frase de Isaac Asimov

Você sabia?

Animais mamíferos em geral
– Bovinos, caprinos, ovinos, porcos e coelhos na verdade têm uma alimentação onívora, não herbívora, visto que recebem suplementação com elementos de origem animal, como farinha de sangue, farelo de osso e óleo de fígado de peixe.
– Muito mais do que apenas soja, milho, feno e/ou sorgo, a alimentação dada a mamíferos de criação é extremamente variada: grãos, raízes, frutas, verduras, legumes, resíduos de corpos de animais…
– A mutilação de testículos, chifres e cauda é procedimento corriqueiro na pecuária mamífera.
– Fêmeas leiteiras que produzem pouco leite são mortas – “descartadas” ou “eliminadas” na linguagem do pecuarista.
– Marcar a pele de animais a ferro incandescente ou superfrio é mais que comum.
– Há pecuaristas que fazem marcações identificatórias com diversos cortes na orelha do animal.
– A chamada “castração cirúrgica” dificilmente envolve anestesia prévia.
– Separar filhotes de suas mães é algo extremamente comum na pecuária. Poucas categorias de criação animal (ex.: caprinos “de corte”) têm o “privilégio” de desmamar naturalmente.
– Se uma mãe aborta pelo menos duas vezes, é morta e descartada como mero lixo orgânico.
– Machos reprodutores, na maioria das ocasiões, vivem isolados, aprisionados em baias individuais.
– As marcações a temperaturas extremas, à tatuagem ou a brincos numerados são sinais de propriedade, ou seja, sinalizam que aquele animal é propriedade de um ser humano.
– Sabe o que é um burdizzo? É um alicate usado para prensar e esmagar os canais espermáticos do saco escrotal do animal macho.
– Fêmeas leiteiras cuja vida produtiva acabou de encerrar são mortas em matadouros.
– O mais conhecido procedimento derradeiro para matar um animal “de corte” é a degola. O bicho é pendurado pelas patas traseiras e tem sua garganta cortada para perder todo o seu sangue e morrer depois da insensibilização.
– Na grande maioria das vezes, os machos são castrados ainda “crianças pequenas”, com menos de um mês de vida.
– A castração é quase sempre justificada como meio de tornar os machos mais mansos e dar “qualidade” à sua carne.
– As tetas “extra” da fêmea, que não servem para fornecer leite, são cortadas à tesoura.
– Um simples descuido no balanceamento da alimentação do animal pode lhe causar doenças graves.
– Massacres de animais são muito comuns em situações de epidemia, como foram os casos da gripe aviária e a vaca-louca.

Bovinos
– O sistema Kibutz (israelense) de pecuária bovina separa os bezerros de suas mães logo ao nascerem, e os confina em gaiolas individuais.
– Essa quase todo mundo já sabe: antibióticos e anabolizantes são muito frequentes nas criações
– Doenças comuns na bovinocultura intensiva são o empanzinamento, a acidose, a intoxicação por ureia e o estresse ambiental.
– A castração de bois requer muitas vezes a contenção por amarração do animal com cordas atadas a uma cerca ou prendendo duas partes do corpo (ex.: focinho e patas traseiras, pescoço e cauda).
– Fraturas sérias para um bovino significam a morte no matadouro.
– Apenas bovinos “de valor” têm fraturas tratadas.
– Em muitos casos, quando o medicamento tem gosto ruim para o bovino, acontece a ingestão forçada do remédio, podendo ele ser introduzido no seu estômago por tubo de borracha ou dentro da boca, por garrafa resistente de pescoço longo.
– Uma das funções do aleitamento artificial bovino é quebrar os laços entre mãe e filho – o bezerro não será perturbado quando sua mãe morrer, e vice-versa.Búfalos
– A castração de búfalos é feita muitas vezes com faca, a sangue frio
– Búfalos são marcados a ferro incandescente ou superfrio até quando são vacinados.
– Filhotes de búfalos, ao serem separados de suas mães, têm posto no seu focinho “desmamadores”, alguns deles com pregos ou arame, de modo que não possam mais mamar em suas mães.

Porcos
– Leitões que nascem com menos de 700 gramas são imediatamente assassinados depois de pesados.
– Em criações intensivas, costuma-se amputar um terço da cauda dos porcos como medida a prevenir canibalismo.
– Na criação a pasto de porcos, são frequentes brigas entre os animais e tentativas de fuga, com diversos porcos se ferindo ao tentarem atravessar a cerca.
– Existe uma seleção entre as porcas designadas para a reprodução, na qual fêmeas doentes ou defeituosas são descartadas por assassinato.

Caprinos
– O único destino dado a caprinos albinos é a eliminação, o assassinato e descarte.
– Em alguns sistemas de criação intensiva de leite de cabra, os cabritinhos são separados da mãe logo depois de nascer, tendo que mamar colostro (pré-leite) por balde.
– Embora os chifres sejam naturais aos bodes, a caprinocultura costuma mutilá-los, na maioria das vezes com cauterização.
– Ao contrário do que costumamos ver em lugares como o Sertão nordestino, cabras leiteiras são geralmente criadas sob confinamento.
– Cabritos dotados de defeitos físicos e malformações e seus pais são assassinados e descartados pela caprinocultura.
– Cabritos filhos de cabras leiteiras são vendidos para o abate com apenas um mês de vida.

Ovinos
– Muitas raças de ovinos têm sua cauda mutilada para o animal não parecer “feio” com o rabo melado de fezes
– Nos anos 90, o rendimento médio de carne ovina no Rio Grande do Sul era de apenas 35 quilos por hectare por ano. Enquanto isso, um hectare de mandioca plantada pode render 40 toneladas por hectare por ano.
– Em criações ovinas intensivas de alguns países europeus, os cordeirinhos são separados da mãe logo após nascerem.
– Ovinos da raça crioula que nascem com cascos brancos são mortos ao nascer.
– Em algumas raças ovinas, nascer com chifre é motivo para assassinato e descarte.

Coelhos
– Grande parte das criações de coelhos que produzem carne também fornecem coelhos para laboratórios torturarem em experiências.
– São métodos de abate de coelhos a ruptura da coluna vertebral (tracionar a coluna segurando-se as orelhas e as patas traseiras do coelho), a ruptura do pescoço e o arrancar de um dos olhos.
– A grande maioria das criações de coelhos são de confinamento, com os animais engaiolados, condenados à prisão perpétua desde quando nascem.
– É comum o criador de coelhos induzir coelhas à gestação por fazê-la ser estuprada pelo coelho reprodutor – o criador segura a fêmea e o coelho macho viola-a sexualmente.
– Diarreias são frequentes entre coelhos que foram precocemente separados da mãe.
– Há o costume de se amarrar o coelho numa mesa para castrá-lo por ablação (mutilação com lâmina), quando não se dispõe de caixa ou goteira de contenção.
– Quando uma coelha-mãe morre e deixa seus filhotes órfãos e não há outra coelha matriz para lhes dar de mamar, os pequenos coelhinhos são assassinados ou vendidos para laboratórios onde serão torturados.
– Não são raros casos de canibalismo materno (mãe come filhotes) em criações de coelhos.
– Costume antigo, segurar coelhos pela orelha é muito doloroso e causa sofrimento, segundo assumem os próprios pecuaristas.

imagrs

7 comentário(s). Venha deixar o seu também.

Vivian

setembro 9 2011 Responder

Desculpa, mas sou veterinária (e vegetariana) e posso afirmar que muitas dessas informações estão desencontradas e não correspondem à realidade.

    Robson Fernando de Souza

    setembro 9 2011 Responder

    Vivian, eu obtive todas essas informações direto de livros de zootecnia – alguns mais antigos, outros mais recentes. Se vc quiser, eu lhe passo a bibliografia completa dos livros de onde tirei esses dados.

      Vivian

      setembro 9 2011 Responder

      Sim Robson, mas às vezes interpretamos algumas informações que não nos são familiares, de maneira a não traduzir a realidade. Muitas coisas são sim como você escreveu, outras não. Se tiver interesse posso apontar algumas.
      Como já disse, sou vegetariana, mas prezo pela conscientização através da informação e não por aterrorizar as pessoas.
      Muitos animais são sim “descartados” depois de abortar 2 vezes, mas alguém se perguntou o motivo?
      Em situações como a gripe aviária e mal da vaca louca, não há massacre, há abate sanitário obrigatório por serem doenças altamente contagiosas e perigosas para o homem e para outros animais. Os estabelecimentos devem ficar isolados, veículos rigorosamente higienizados e pessoas que precisam circular na área usam vestimenta especial e são submetidas a quarentena, além de várias outras medidas que devem ser tomadas.
      Há sim muita crueldade espalhada pelo mundo e, no caso de animais criados para alimentação, vemos mesmo muita ignorância e desinformação.
      Precisamos tentar mudar isso através da conscientização e não pela simples imposição das nossas ideias.
      Bom, é o que eu acho… se quiser ajuda na identificação de algumas falhas nas informações do texto, estou a disposição.
      Abraços

        Robson Fernando de Souza

        setembro 9 2011 Responder

        Vivian, vc pode mostrar quais são os pontos que não condizem com a realidade atual. Considere também que alguns dados que coloquei foram obtidos de livros de zootecnia dos anos 70.

Barbara DSa

abril 16 2011 Responder

Que horrivel. Cada frase que você lê dá mais desprezo desse povo sem noção e sem respeito pelos animais.

BÁRBARA DE ALMEIDA

abril 14 2011 Responder

Triste :/

Sua opinião é bem vinda, desde que respeitosa. Fique à vontade para comentar abaixo