07

jul11

ABIN “bisbilhota” ONGs ambientalistas internacionais contrárias a Belo Monte

Paulo Henrique Amorim, notório militante pró-desenvolvimentismo insustentável, divulgou anteontem um documento supostamente confidencial da ABIN – Agência Brasileira de Inteligência, descrevendo resumidamente as diversas ONGs ambientalistas internacionais envolvidas na luta do mundo contra a usina de Belo Monte.

O documento em si não lista nada de comprometedor, que necessariamente atrelasse as ONGs a interesses privados, escusos e/ou criminosos, não falando nada além de fatos – são muitas as ONGs e personalidades estrangeiras que consideram os problemas amazônicos algo de interesse mundial, por a Amazônia ser um hotspot ecológico globalmente estratégico -, mas faz no final uma acusação que soa como nada mais que uma argumentação subjetiva de desenvolvimentistas defensores da hidrelétrica:

As campanhas contrárias à construção da UHE de Belo Monte têm recebido apoio de estrangeiros e ONGs internacionais cujas atividades no País são parcialmente financiadas por organismos internacionais e governos estrangeiros. Tais campanhas têm disseminado, no Brasil e no exterior, posicionamento ideológico maniqueísta, nortrado por suas sedes internacionais, que vislumbram o projeto de Belo Monte como símbolo internacional de um conflito recorrente entre os governos e seus interesses no desenvolvimento social e econômico de um lado e as sociedades tradicionais e indígenas e seus interesses na defesa dos direitos humanos e do meio ambiente de outro.

Isso me soa como vigilantismo ideológico, pelo qual a convicção política de quem pensa diferente do governo se torna tema de documentos da agência de inteligência. E me autoriza a perguntar: qual o interesse público desse documento? Em que ele vai contribuir para atender aos anseios da população? Ou será ele utilizado para fins de perseguição ideológica em prol de um p$eudonacionali$mo?

Na verdade só serve mesmo de combustível (adulterado, pela qualidade) para desenvolvimentistas exporem com mais força seus argumentos que menosprezam a causa socioambiental, se não também para motivos obscuros que possam envolver o “devido” tratamento para os organismos internacionais que se juntaram aos brasileiros para lutar por uma política de sustentabilidade e respeito ao meio ambiente.

O Movimento Xingu Vivo Para Sempre deu uma resposta ao relatório e ao post de Paulo Henrique Amorim – este como sempre demonstrando menosprezo e pouco respeito à convicção de quem quer nada mais do que um meio ambiente íntegro e respeitado:

Conversa fiada: o brilhantismo da ABIN e a credulidade de Paulo Henrique Amorim
Nota MXVPS

No último dia 5, o blog Conversa Afiada, do jornalista Paulo Henrique Amorim, publicou na íntegra um “documento sigiloso” da Agencia Brasileira de “Inteligência” (Abin) sobre Organizações Não Governamentais estrangeiras atuantes na campanha contra Belo Monte (o documento já havia sido mencionado em 19 de junho pelo colunista Ilimar Franco, no jornal O Globo).

De acordo com o Relatório de Inteligência 0251/82260/ABIN/GSIPR/9 MAIO 2011, “O projeto de construção da UHE Belo Monte em Altamira/PA tem enfrentado oposição de diversos segmentos da sociedade civil internacional em defesa dos direitos humanos e do meio ambiente”. Inegável verdade.

Desde a década de 1980, quando os povos indígenas iniciaram a luta contra a usina, a comunidade internacional tem sido um pilar importante na divulgação das ameaças e na defesa dos direitos humanos dos povos do Xingu. Começando com Sting, passando por James Cameron, desembocando na Corte Interamericana de Direitos Humanos.

O patético do último relatório da Abin é que as verdades que contém são mais do que públicas. Basta entrar no site do Movimento Xingu Vivo para Sempre e ver nos documentos e materiais audiovisuais quem são nossos parceiros e apoiadores. Não precisava o governo gastar dinheiro dos contribuintes com esta “investigação”.

Constrangedoras, porém, são as mentiras, pelas quais o contribuinte também paga. Desafiamos a Abin a comprovar que recebemos algum apoio de governos, por exemplo. E a lista das ONGs que supostamente nos financiam… Ficaríamos muito felizes se fosse verdade. Da uma sensação de vergonha alheia o fato de os arapongas do órgão de inteligência do nosso país construírem seus relatórios pelo Google, sem ao menos uma checagem básica dos fatos. Um estudante de jornalismo faria melhor.

Por outro lado, a Abin esqueceu de listar o Painel de Especialistas, a Associação Brasileira de Antropologia, o Inpa, a SBPC, departamentos da USP, da Unicamp, da UFPA, da UnB e dos mais diversos órgãos de pesquisa do país entre os críticos a Belo Monte. Mas claro, rastrear na internet todos os acordos de cooperação internacional destas instituições daria muito trabalho; e poderia resultar numa aterradora “descoberta” da existência de uma terrível “conspiração internacional” com o nefasto objetivo de defender ribeirinhos e indígenas no Xingu.

A bem da verdade, o relatório da ABIN não suscitou mais que comentários pouco elogiosos aos seus autores nas redes sociais. Dolorosos foram os comentários de Paulo Henrique Amorim, que num só fôlego ataca quem se opõe a Belo Monte e ao novo Código Florestal dos ruralistas. “Atacar Belo Monte e acusar o Código de ‘perdoar o desmatador’, e Belo Monte de ‘monstro’ que vai ‘destruir a floresta’, são a cara e a coroa dos mesmos interesses não-brasileiros”, diz PHA. Espera lá, o que têm de brasileiros a Alcoa, Cargill, Bunge, ADM, Monsanto, beneficiários da usina e de mudanças das leis ambientais?

Gostaríamos de convidá-lo, Paulo, a fazer uma visita a Altamira para subsidiar suas opiniões; um jornalista nunca deve acreditar cegamente em tudo que lhe contam, comenta-se nas redações. Mas marque sua viagem com antecedência, o vôo de 75 minutos Belém-Altamira já está custando entre R$ 600 e R$ 800. Também as diárias dos hotéis estão pela hora da morte, e é cada vez mais difícil achar vaga, a Norte Energia tem ocupado todos os quartos. Se quiser experimentar o delicioso pescado do Xingu, também nos avise porque temos que encomendar com dois dias de antecedência, o peixe está rareando por essas bandas. E se planeje para não depender de celular ou internet, isso não funciona muito bem por aqui. Infelizmente também não poderemos emprestar os nossos, porque muitas vezes ficamos sem crédito por falta de recursos… a despeito das “contribuições” de potências estrangeiras que a Abin diz que estariam nos financiando.

Para ler o post de PHA com o documento da Abin, clique em http://www.conversaafiada.com.br/politica/2011/07/05/abin-identifica-as-ongs-estrangeiras-que-boicotam-belo-monte/

Movimento Xingu Vivo para Sempre

imagrs

1 comentário(s). Venha deixar o seu também.

Tony Costa

agosto 18 2011 Responder

Sou musico compositor e canto na noite, também sou um grande simpatizante das questões Ambientais e queria poder ajudar apesar do poço tempo que tenho, mas resolvi contribuir com a musica, então fiz estes dois Clip’s estão no YOU TUBE letra e musica são minhas Amazônia blá-blá-blá e o outro é MENSALÃO “ Quero Money “ que vai como BONUS EXTRA. Veja se gostar divulga. abrçs

http://www.youtube.com/watch?v=sf-gtFUB-WM

http://www.youtube.com/watch?v=p75zL8mIVDA&feature=related

Sua opinião é bem vinda, desde que respeitosa. Fique à vontade para comentar abaixo