03

set11

[Altamente OFF] A falsa decadência da música internacional

Como não tenho outro lugar para discorrer sobre a imagem abaixo, decidi criar este post off-topic aqui no Consciencia.blog.br mesmo. Vi essa imagem no Blog do FU, possivelmente adaptada de blogs estadunidenses.

Percebi rapidamente que essa imagem é cheia de erros lógicos e acaba falhando em provar que tenha havido uma decadência na música internacional desde 2000.

Motivos:

1. Foge do escopo rock/metal ao teen pop no ano 2000, como se não houvesse bandas de rock, algumas bem pesadas, despontando desde então. Compara em visível falsa analogia bandas de heavy metal com pop adolescente.

2. Ignora as tantas bandas de rock, algumas delas bem pesadas, que decolaram ou mantiveram sucesso na década de 2000. Exemplos dessas bandas: Franz Ferdinand, Coldplay, Foo Fighters, Nickelback, Puddle of Mudd, Hoobastank, Audioslave, Linkin Park, Staind, Korn, Soulfly, Slipknot, Avenged Sevenfold…

3. Se fosse válido apontar o crescimento do pop não rock como evidência de uma decadência da música internacional, então essa decadência já vem desde as décadas de 70 (em que poderíamos incluir Abba, Olivia Newton-John, as divas da black music, a disco music etc.) e 80 (em que poderíamos incluir Cyndi Lauper, New Kids on the Block, Madonna etc. e o movimento synthpop/new wave como símbolos de uma música “decadente”, já que eram um pop que não estava contido na esfera do rock). “Pior” nos anos 90, em que o house/eurodance e as boy-bands explodiram – mas não foram citadas na imagem em questão.

4. A década de 2010 mal começou na música pop e já querem considerá-la uma década perdida? Bieber, Jonas Brothers e outr@s podem ter inaugurado o teen pop desta década, mas é certo que veremos muitas atrações altamente agradáveis no rock nos próximos nove anos (e talvez em 2011 ainda). Se esta imagem tivesse sido criada em agosto de 1991 (em vez de agosto de 2011), nenhuma banda citada no quadradinho 1990 teria aparecido.

Ah, mas aí fala o que se tocou nas rádios. Então por que não incluiu nas décadas de 2000 e 2010 a megastar Lady Gaga, nem Beyoncé, nem o fenomenal Foo Fighters, nem os tantos participantes da onda hip-hop? E por que não incluiu nos anos 80 nenhuma banda synthpop/new wave, nem o “casal real” Madonna e Michael Jackson, que explodiram nas rádios de quase todo o planeta bem mais do que as bandas incluídas no quadradinho 1980?

Vamos ser mais coerentes (e honestos) ao analisar a história da música internacional (e dos próprios rock e metal), né?

imagrs

8 comentário(s). Venha deixar o seu também.

Thiago

novembro 24 2015 Responder

Robson,

Eu sei que este é um post muito antigo para se comentar, mas… bem, um colega meu de faculdade, cujo nome não posso divulgar por temer represália, acredita piamente neste mito de decadência da música internacional. Ele acredita que a partir dos anos 80 começou a haver uma decadência cultural em todos os níveis, em especial na música, e ele fala muito mal de ritmos musicais considerados “popularescos” como o chamado funk carioca. Tem vezes em que não se sabe onde termina a crítica racional a este tipo de música em especial e onde começa uma série de xingamentos a favelados e outros que curtem funk carioca, chamando os de “sem cultura”, “antipolíticos” e outros.
Ele ainda acredita que música, pra ele, é só “jazz-blues-soul-rock-metal-MPB-erudito” (não necessariamente nesta ordem).
Ele desconsidera (ou parece ignorar, sei lá) que na década de 1990 e nos anos 2000, e mesmo nos anos 2010, surgiram, por exemplo, boas bandas de rock, algumas das quais você citou neste texto.
O que você acha das ideias desse meu colega?

Thiago, aquele que comentou sobre o livro de Norberto Bobbio “Direita e Esquerda”.

    Robson Fernando de Souza

    novembro 27 2015 Responder

    Olá, Thiago. Essa crítica dele parece misturar elitismo (ódio a estilos musicais da periferia e por ela apreciados) com subjetividade tosca. Essa crença de que houve uma “decadência musical” é muito da subjetividade da pessoa. E no caso de seu colega, é uma subjetividade preconceituosa.

    Abs

      Thiago

      novembro 28 2015 Responder

      Robson,

      Muito obrigado pelo esclarecimento a respeito do que o meu colega “pensa” (se é que o termo correto é esse). E, só pra constar e para deixar as coisas um pouco piores, ele já passou dos 50 anos de idade, e, além disso, comporta-se por vezes como um hippie anacrônico “paz e amor” (se bem que acho que hippies de verdade deveriam não ser tão intolerantes e tão elitistas, digamos; e pus o “paz e amor” entre aspas para denunciar a ironia no comportamento dele, ele se diz pró diversidade sexual, pró isso, pró aquilo, por exemplo – e ainda é vegetariano! – , mas tem esta outra face que denunciei no comentário acima).

      Enfim, é isso, um abraço e devo dizer também que o seu blog é um dos melhores que eu já li.

      Thiago

      P.S. quando acrescentei o “ainda é vegetariano”, eu quis dizer que o fato de ele ser vegetariano pouco ou nada tem a ver com o caráter do meu colega (ou a ausência deste caráter nele).

        Robson Fernando de Souza

        novembro 29 2015 Responder

        Gratidão, Thiago, pela apreciação =D Abração!

Washington

maio 21 2012 Responder

Me admira o autor não observar que a charge representa o que passa na mídia. E é isso mesmo. Sintonize a MTV. Passa algum clipe de rock de qualidade? Tenho quase certeza de que vc não conhece a TV União. Passa clipes também, mas é a mesma porcaria. Só transmite o que está na moda. Lady Gaga, Justin Bieber e toda essa praga que aterroriza os dias de hoje.

Sem contar na fragmentação musical. Esses canais só passam mesmice. Os outros gêneros musicais não tem espaço, ou seja, o que orienta as emissoras é o dinheiro, exclusivamente, não a qualidade, o entretenimento, a cultura.

Bárbara

janeiro 11 2012 Responder

Robson,
Se a gente considerar espaço na mídia, a figura tem um certo sentido. O rock clássico sumiu das rádios, e o pop cresceu. Pra quem gosta de rock, o cenário é ruim mesmo.

Rogéryo, se vc é antigo eu que gosto de rock dos anos 60-70 sou o quê? rs…

    Robson Fernando de Souza

    janeiro 11 2012 Responder

    Bárbara, mas o rock ainda tem espaço na mídia, vide Coldplay, Red Hot Chili Peppers e outros que ainda tocam com alguma frequência. E o pop sempre foi forte assim. Nos anos 80 talvez fosse ainda mais poderoso, sob a forma de synthpop e pop urbano.

rogéryo de oliveira

setembro 8 2011 Responder

boa noite! legal o tema e o que eu penso, sou super fã da cyndi lauper, michael jackson e u2, e gosto de outras cantoras e cantores e claro bandas de rock! só porque gosto mais das músicas da década de 80 e 90. dizem que eu sou antigo, apareceram de 2000 pra cá poucas coisas boas sejá cantora ou cantor ou banda e grupos! tenho pena desta adolescência e juventude hoje os cantores são só produto das gravadoras. rogério, madonna wrore,2002.

Sua opinião é bem vinda, desde que respeitosa. Fique à vontade para comentar abaixo