11

set11

Diretora do SOS Criança de Mato Grosso do Sul “dateniza” dizendo que “ausência de Deus” motiva violência contra crianças

O Correio do Estado, portal de Mato Grosso do Sul, noticiou a disparada dos casos de violência contra crianças do sexo masculino naquele estado. De acordo com o portal:

Todos os meses, pelo menos 4 crianças do sexo masculino são vítimas desse tipo de agressão, conforme dados do SOS Criança. O órgão registrou no segundo trimestre desse ano 13 agressões, sendo que no mesmo período do ano passado apenas um menino foi violentado sexualmente.

As autoridades do MS não sabem ainda as causas desse aumento nas estatísticas de violência infantil, mas a diretora do SOS Criança daquele estado, Marli Tonete, talvez inspirando-se em José Luiz Datena, tratou de tentar criar no ateísmo um bode expiatório:

Sem religião
Embora ainda não tenham encontrado uma explicação para o mudança no alvo do agressor, Marli acredita que a ausência de Deus nas família[s] seja o principal fator de tanta violência. “Quem tem Deus no coração não perde a paciência e não agride ou violenta uma criança”.

E novamente, quando as autoridades competentes não conhecem plenamente as causas de altas taxas de violência, alguma “otoridade” usa de seu preconceito pessoal para tentar preencher a lacuna, culpando os irreligiosos, em especial os ateus, pelas maldades que assolam a sociedade. Pessoas dotadas de importância pública taxarem o ateísmo, renomeado como “falta/ausência de Deus”, como problema de ordem pública é tudo o que se precisa para que as taxas de intolerância religiosa contra ateus e outros irreligiosos continuem tão altas, e religiosos fanáticos continuem tratando essa minoria tão mal.

É momento de protestarmos, dirigindo críticas e moções de repúdio ao SOS Criança e, em especial, à diretora Marli Tonete, por seu preconceito que, em última análise, piora ainda mais a própria violência que ambos pretendem denunciar e combater.

As únicas formas possíveis de entrar em contato com nossos protestos são pelo formulário de contato (Selecione “Conselhos de direitos” no menu “Assunto” do formulário) da Secretaria de Trabalho e Assistência Social do Mato Grosso do Sul (secretaria essa que regula o SOS Criança) e pelos telefones do SOS Criança: (67) 3381 6000 ou 0800 647 1323.

imagrs

3 comentário(s). Venha deixar o seu também.

Erica

maio 26 2013 Responder

Bom dia , gostaria de apontar se existe um pais sem leis? Que regem os individuos e os faz andar corretamente.Assim na maioria das vezes o individuo verdadeiramente temente a Deus, fará.E esta mesma pessoa cheia do amor de Deus não terá violencia alguma com pessoas diferentes. Temos que amar do jeito que são…esse é o verdadeiro amor.Sem raiva ou preconceito.Pois JESUS andou com individuos que eram discriminados e mostrou seu amor. Então por que generalizar? Aqui este artigo está generalizando e com certa violencia acusando.Voce sabe na verdade o que move esta pessoa para julga la ?

    Robson Fernando de Souza

    maio 26 2013 Responder

    Você realmente entendeu o post?

BrightCapiXaba Netto

setembro 12 2011 Responder

Mais uma Idiota ,desta vez uma Funcionária de um órgão estatal que desconhece totalmente a Realidade: Em 99% dos Casos de Violência contra Crianças o Agressor não só faz parte do Círculo Familiar como é um indivíduo que sempre se diz “temente a Deus”.

Sua opinião é bem vinda, desde que respeitosa. Fique à vontade para comentar abaixo