17

nov11

Parodiando o gospel: transformando o cantar da intolerância num clamor pela tolerância

Muitos leitoræs devem se lembrar de denúncia que fiz aqui no blog, há alguns meses, de uma música evangélica que inspirava aos cristã(o)s que rompessem seus namoros com não cristã(o)s.

Pois bem, tive uma ideia bacana hoje e, alterando apenas alguns versos, transformei tal pérola de intolerância religiosa num clamor pela tolerância, um protesto pelo desrespeito que muitos cristãos dedicam a quem não tem religião.

A letra abaixo também é uma “homenagem” (entre aspas por não refletir sentimentos reais meus) à recente paquera fracassada que “perdeu todo o encanto” por mim apenas porque não acredito em Deus(es).

Com vocês, uma paródia pró-tolerância da música Metal Nobre – Não tem que ser assim:

 

Ao longo destes tempos eu te entreguei meu coração
Por você chorei, paguei o preço, e agora você diz não

Que não quer seguir comigo
Porque sou ateu
Só agora eu descobri que a tolerância
Não está nos planos teus

Você não faz ideia quanto tempo eu
Estive à procura
Alguém com quem pudesse dividir
O desejo de amar e respeitar
Te peço que se ligue apenas uma vez
Em tudo que eu vou dizer
Sei, vai ser difícil você entender
Mas assim não pode ser

Meu amor
Não, não me queira mal
Respeitar as diferenças para mim
É essencial
Vou dizer
Não tem que ser assim
Mas se este ateu não serve pra você
Você não serve pra mim

E se preciso for
Eu esqueço seus olhos
Dou um beijo de adeus
E vou…

(solo)

E se preciso for
Eu esqueço seus olhos
Dou um beijo de adeus
E vou

Meu amor
Não, não me queira mal
Respeitar as diferenças para mim
É essencial
Vou dizer
Não tem que ser assim
Mas se este ateu não serve pra você
Mas se este ateu não serve pra você
Mas se este ateu não serve pra você

Você não serve pra mim
Te dou um beijo de adeus e vou

imagrs

4 comentário(s). Venha deixar o seu também.

guerreiro

janeiro 4 2013 Responder

kkk deu dó de vc 1 por vc ser ateu e outra por alguem ter te trocado por Deus (alguém que vc nem acredita que exista).

valkiria

novembro 18 2011 Responder

affe… vc precisa superar isso… afinal, se ela fosse tão “devota de Deus” assim, saberia respeitar as diferenças, não é? esquece que pelo jeito não vale a pena..

    Robson Fernando de Souza

    novembro 18 2011 Responder

    Valkiria, eu já superei, na verdade. A homenagem foi pelo preconceito ter acontecido, não por eu realmente ter sofrido com o caso.

Fernando Cônsolo Fontenla

novembro 17 2011 Responder

“Ih, deixa essa menina pra lá! Essa menina aí não é de nada!” – Coringa, no filme Batman feira da fruta.

Sua opinião é bem vinda, desde que respeitosa. Fique à vontade para comentar abaixo