15

nov11

Rayssa Gon: Como seria uma ditadura homossexual?

Abaixo o trecho inicial de um excelente texto, da humanista secular Rayssa Gon, colunista e editora do Bule Voador, imaginando como seria a tal “ditadura gay” que os homofóbicos juram que os LGBT querem implantar no Brasil.

O texto completo você pode acessar clicando no título do artigo. E aviso: leia o texto completo até o fim antes de emitir alguma opinião.

 

A Ditadura Gay
por Rayssa Gon

E no ano de 2030, finalmente se concretizou o que já era esperado: instaurou-se a ditadura gay.

No dia do golpe, houve confusão, brigas, assassinatos, resistências. Um completo caos. Mas os pobres heterossexuais brasileiros não puderam evitar que seu Estado fosse tomado, apesar da força com que lutaram. Os homossexuais estavam em vantagem, já orquestravam tudo desde muitas décadas antes.

O apoio internacional fez toda diferença. Afinal, sem o encorajamento e recursos enviados da Holanda (a grande pátria gay) a vitória seria incerta.

No Brasil gay não se encontra qualquer casal formado por uma mulher e um homem, pois esse tipo de relação humana sempre esteve na mira dos gays, que queriam acabar com ele há séculos.

Os livros e filmes que retratavam historias de amor entre héteros foram confiscados e queimados, em sua maioria. Produções culturais que tenham esse conteúdos são proibidas. Para se evitar que qualquer menção a essa vergonhosa tara seja publicada, o Estado gay exerce uma censura prévia aos trabalhos de diretores, escritores e artistas em geral. Mas suspeita-se que alguns deles consigam seus torpes objetivos de exaltação do heterossexualismo maquiando as historias dos livros e as letras das musicas. O governo busca formas de conseguir rastrear significados ocultos nas obras de artes.

O hino nacional foi substituído por uma versão de “It’s Raining Man” em português cantada por Edson Cordeiro. Essa decisão foi tomada depois de muita discussão. O congresso se dividiu em 2 alas principais:  a vencedora, e uma outra, que considerava a música YMCA mais apropriada para substituir o antigo hino. As lésbicas, por sua vez, se apropriaram da bandeira da nação: no circulo azul central, as estrelas formam a silueta de duas mulheres se beijando.

Existe todo um setor especifico da policia (o Departamento de Combate e Repressão ao Heterossexualismo) que investiga e encarcera qualquer suspeito de ser heterossexual ou de encorajar tal costume. Todas as semanas são estourados bares e casas clandestinas de encontro entre heteros, muitos dos quais são mantidos e escondidos com a ajuda dos próprios gays!

(Continua no blog Bule Voador. Clique no título do artigo para lê-lo completo)

imagrs

2 comentário(s). Venha deixar o seu também.

Bryght Kapisâba Netto

novembro 17 2011 Responder

Seria realmente um sonho já que a Holanda também é reconhecida como uma Nação altamente Escolarizada e Democrática.
Brasília finalmente teria sua Faxina.

ruth iara

novembro 16 2011 Responder

Forte ! Sacode com a gente.

Abraço, prá ti, ateu luminoso !

Sua opinião é bem vinda, desde que respeitosa. Fique à vontade para comentar abaixo