02

nov11

Veja Rio trata animais domesticáveis como objetos compráveis

No último domingo, uma reportagem-guia da Veja Rio mostrou diversos animais que podem ser “adquiridos” e cuidados como animais domésticos. Acabou servindo como propaganda para o comércio de novos animais domésticos, no qual animais são tratados como meros brinquedos, máquinas compráveis que têm um custo mensal de manutenção.

Alguns dos bichos listados têm habitat originalmente selvagem (não obrigatoriamente tendo sido sequestrados na mata) e/ou dependem de gaiola para serem domesticados.

Ferret descrito como se fose uma máquina comprável a demandar manutenção e cuidados de manuseio. Trecho da reportagem da Veja Rio.

A Veja não é de levar protestos a sério, mas nada custa expressarmos nosso descontentamento com a reportagem-guia, que coisifica animais e faz apologia ao seu comércio. Protestos podem ser postados na caixa de comentários ao fim da matéria – pelo menos vai servir para mostrar aos leitores dela que a cultura de comércio, propriedade e abandono de animais é cada vez menos tolerada.

imagrs

3 comentário(s). Venha deixar o seu também.

Bruna

novembro 3 2011 Responder

A revista vai recolher os que forem pra rua depois que o brinquedo, que ela disse ser tão legal, perder a graça??

Kellen

novembro 2 2011 Responder

Esqueceram de colocar na matéria que o furão, como qualquer outro animal, pode morder, arranhar, roer coisas e machucar os tutores, principalmente crianças que apertam, gritam e agitam o bichinho. E que na maioria das vezes assim que isso ocorre o animal é descartado como qualquer outra coisa comprada e que não funciona como deveria.

Mariane Marzochi

novembro 2 2011 Responder

Um absurdo, mas na verdade é isso mesmo. As pessoas já se acostumaram a tratar os animais como meros objetos e o pior de tudo é que quando se cansam, simplesmente se desfazem! É revoltante pensar que mesmo depois de tanta luta em defesa dos animais, uma das maiores revistas de circulação nacional publique uma matéria dessas!

Sua opinião é bem vinda, desde que respeitosa. Fique à vontade para comentar abaixo