10

dez11

“Tá.”: a resposta de Dilma aos cidadãos opositores de Belo Monte

Dilma definitivamente traiu a população que votou nela, ao impor de forma autoritária decisões e obras, algumas delas remanescentes dos projetos da ditadura militar. Ela não ouve críticas e apelos populares com honestidade e sinceridade, respondendo com um lacônico “Tá.” aos apelos de uma representante da população contrária à famigerada Usina de Belo Monte. Esse foi o relato dela ao portal d’O Estado de S. Paulo:

A paulista Ana Gabriela, de 19 anos, foi uma das premiadas do evento – ficou em primeiro lugar na categoria estudante do ensino médio com a pesquisa “Embalagens ecológicas para mudas”. Ao subir ao palco para receber o prêmio das mãos da presidente, apareceu com a frase “Xingu vive” escrita no braço e trocou palavras com Dilma.

“Falei com ela sobre Belo Monte rapidinho, ela não demonstrou interesse, não deu muita importância“, disse Ana Gabriela. “Pedi que ela desistisse da usina e salvasse o Xingu. Não queria perder a oportunidade de estar na frente de tantas autoridades políticas e não demonstrar o meu interesse pela vida no Xingu.”

Segundo a estudante, a presidente deu uma resposta monossilábica (“Tá”) e continuou sorrindo à frente das câmeras. Ana Gabriela disse que não é ligada a organizações não-governamentais , mas afirmou que costuma participar de protestos contra Belo Monte.

Ana Gabriela foi até felizarda por não ter sido imediatamente reprimida, por não ter sofrido (ainda) uma represália parecida com a sofrida por cidadãos como o ex-presidente do Ibama Abelardo Bayma, o procurador Felício Pontes Jr, o cacique Megaron Txucarramãe e, em sua época de ministra-chefe da Casa Civil, a então ministra do Meio Ambiente Marina Silva, que foi tão pressionada pelos atores principais do projeto desenvolvimentista antiambiental do PAC de Lula e Dilma que acabou tendo que pedir demissão.

Milhões de brasileiros incluindo eu não votaram em Dilma Rousseff para ela responder aos anseios de uma população oprimida e demandante de voz política com um “Tá.”. Não votamos nela para ela represaliar contra seus opositores sinceros. Não fizemos a democracia (?) brasileira engrenar (?) em outubro de 2010 para que viesse ao poder um governo que não segue preceitos democráticos e age exatamente como se temia que o outro candidato (Serra/PSDB/DEM) agisse.

Me pergunto se é isso que pessoas como os jovens do “Tempestade em copo d’água?” e do “Verifique os fatos” querem para o Brasil: um progresso econômico que não respeita o socioambiental, não conhece democracia, age com opressão e repressão contra opositores, destrói sem remorso o meio ambiente, dá a um governo democraticamente eleito uma roupagem de ditadura, desrepeita convenções internacionais… Se realmente não querem isso, mas sim um desenvolvimento* justo e pautado no respeito aos valores democráticos, então cometeram um erro grave contra sua própria convicção.

 

*Sobre o tal do desenvolvimento, recomendo o livro Dicionário do Desenvolvimento, de Wolfgang Sachs

imagrs

3 comentário(s). Venha deixar o seu também.

Sua opinião é bem vinda, desde que respeitosa. Fique à vontade para comentar abaixo