01

dez11

Tortura em nome da ciência (Parte 72)

Mais uma edição da sequência de posts Tortura em nome da ciência vem mostrar a você leitor/a que muitos dos avanços científicos de que a humanidade tanto se orgulha implicou violência explícita contra animais não humanos. Indução de câncer e outras doenças, infecção com micro-organismos patogênicos, testes roleta-russa, muitos são os métodos violentos que causam sofrimento a animais todos os dias nos laboratórios de todo o planeta.

É de se perguntar: até quando teremos que escorar nossas ciências experimentais na crueldade contra seres inocentes?

 

1. Causando ataque cardíaco em camundongos

Foi descoberto, numa experiência cruel contra camundongos, que o óleo de alho pode ser capaz de proteger o coração após ataques cardíacos. Para tal conclusão, os vivisseccionistas bloquearam as artérias coronárias de camundongos por 45 minutos, causando um ataque cardíaco para o teste do trissulfeto dialil, composto do óleo de alho. Houve um grupo controle que não recebeu a substância e sofreu integralmente com o ataque cardíaco, agonizando provavelmente até a morte.

 

2. Pela enésima vez, câncer contra camundongos, e cães são ameaçados

O Brasil orgulha quem não se importa com os animais vítimas de laboratórios, e envergonha quem respeita integralmente os animais. Foi descoberta uma vacina que foi testada em camundongos que tiveram câncer induzido. Para engrossar o caldo, o mesmo grupo de vivisseccionistas que explorou os camundongos está ameaçando também explorar cães para a repetição da experiência.

 

3. Gatos deverão ser explorados e torturados em testes de doenças humanas

Manipulação genética está gerando gatos transgênicos que “podem se tornar modelos mais apropriados ao estudo de doenças humanas”, mais precisamente doenças infecciosas. Perspectiva de sofrimento para muitos animais, mesmo pertencentes a uma espécie mimada pelos próprios especistas.

 

4. Camundongos e macacos serão torturados com substância do látex

Macacos-resos e camundongos transgênicos serão torturados pelo teste, inclusive de toxicidade, de uma substância extraída do látex de uma planta típica do Piauí. Diz-se não haver ainda testes conclusivos sobre como o corpo humano reagirá à administração dessa substância, por isso a ameaça está sendo feita, e os animais deverão ser torturados já no ano que vem.

 

5. Camundongos induzidos à deficiência cerebral

Não dito se por transgenia ou por indução in vivo, camundongos sofreram com uma deficiência cerebral que carregaram até a idade adulta: seus cérebros eram incapazes de responder ao hormônio leptina, que regula o metabolismo e controla o peso. Consequentemente, sofreram de obesidade mórbida por muito tempo, até que seus cérebros receberam transplante de neurônios. E houve um grupo controle, que sofreu integralmente com a obesidade mórbida e a deficiência metabólica.

 

6. Causando dor em camundongos

Para descobrirem como o paracetamol funciona em aliviar dores, vivisseccionistas presumivelmente causaram dor em camundongos com a proteína TRPA1 ativada e desativada, os quais receberam paracetamol em seguida. Os que tinham a proteína desativada sofreram integralmente com a dor.

 

7. Anemia contra camundongos

Para o teste de “veias artificiais”, vivisseccionistas induziram anemia em camundongos, “para simular a anemia por que passam pacientes em tratamentos de radioterapia ou por falhas nos rins”.

 

8. Malária contra camundongos

Para o teste de uma nova droga, vivisseccionistas causaram malária em camundongos. Aqueles que tiveram essa droga injetada ainda na fase em que a malária está concentrada no fígado sobreviveram 19 dias mais do que o presumível grupo controle, que sofreu integralmente e não foi tratado. Pelo visto, aqui nem mesmo o sacrifício foi realizado, uma vez que dá para entender que os camundongos agonizaram por dias até a morte.

 

9. Teste roleta-russa e indução de câncer atormentam ratos e camundongos

O teste de um tratamento antienvelhecimento implicou duas violência contra ratos e camundongos: primeiro, o fato de o tratamento ter tido probabilidade significativa de falha – se tivesse falhado, os animais teriam sofrido efeitos colaterais muito dolorosos e até morrido -; segundo, câncer induzido – “O tratamento também diminuiu de 1,4 a 7 vezes a incidência de câncer e o desenvolvimento de tumores induzidos em ratos e camundongos”.

 

10. Tumores implantados em ratos

O uso de luz infravermelha para o tratamento de câncer foi testado em ratos que tiveram tumores implantados em seus corpos. A pesquisa não é conclusiva para seres humanos:

Mas, é claro, existe muito trabalho pela frente. O grupo afirma que o método promete, mas é preciso ainda avaliar o funcionamento em humanos. Uma das barreiras, por exemplo, é o fato da proteína do câncer de mama usada no estudo estar presente em menos da metade dos casos em humanos. 

 

11. Ratos transgênicos recebem vírus da Aids

Segundo a notícia presume, ratos transgênicos foram infectados com o vírus da Aids para o teste de uma terapia contra a doença. A terapia induziu a produção permanente de anticorpos anti-HIV, mas não se afirmou a porcentagem de sucesso na notícia.

 

12. Lente de contato com função de tela eletrônica testada em coelhos

Nem mesmo a tecnologia é algo vegano, que respeita os animais não humanos. Uma lente de contato que projeta imagens na retina foi testada em coelhos. A afirmação da notícia de que “todos os testes mostraram que o sistema não fez mal aos olhos dos coelhos” revela que foi feito basicamente um experimento roleta-russa: as lentes poderiam ter feito mal aos olhos dos animais explorados.

imagrs

Seja a primeira pessoa a comentar

Sua opinião é bem vinda, desde que respeitosa. Fique à vontade para comentar abaixo