02

fev12

Machismo, homofobia e incentivo à violência doméstica em letra de dupla sertaneja

Descobri agora uma música que é tudo o que há de mais preconceituoso, homofóbico, machista e conjugalmente violento. Chama-se “Bruto, rústico e sistemático”, da dupla sertaneja João Carreiro e Capataz.
A letra fala por si só, e acompanhá-la com o vídeo abaixo irá chocar todo aquele que preza pelo humanismo e pelo fim dos preconceitos:

Tudo que dá na tv minha muié qué fazê não mede as consequências
Fez um tar de topless quando vi me deu um stress
Perdi minha paciência
Por mim faltaram respeito, na muié eu dei um jeito, corretivo do meu modo
No quarto deixei tracada, quinze dia aprisionada e com ela não incomodo

Aqui não
Posso até não ser simpático
Comigo não tem desculpa
Minha criação é chucra
A verdade ninguem furta
Sou bruto, rústico e sistemático

Fim de semana passado
Conheci o namorado da minha filha caçula
Achei que não depareia , tava de brinco na orelha e o corpo cheio de figura
Não suportei por muito tempo
Nesse relacionamento eu tive que opinar
Sujeitinho era roqueiro não dá certo com violeiro
Nos num ia combinar

Aqui não
Posso até não ser simpático
Comigo não tem desculpa
Minha criação é chucra
A verdade ninguem furta
Sou bruto, rústico e sistemático

Sistema que fui criado vêr dois homem abraçado pra mim era confusão
Mulher com mulher beijando
Dois homens se acariciando , meu deus que decepção
Mas nesse mundo moderno não tem errado e nem certo achar ruim é preconceito
Mas não fujo à minha essencia pra mim isso é indecencia
Ninguem vai mudar meu jeito

Aqui não
Posso até não ser simpático
Comigo não tem desculpa
Minha criação é chucra
A verdade ninguem furta
Sou bruto, rústico e sistemático

***

Essa letra é caso de Ministério Público, cabe a cada um de nós denunciar esse tipo de letra que atenta completamente contra os Direitos Humanos.

imagrs

20 comentário(s). Venha deixar o seu também.

Leo

agosto 6 2016 Responder

Olha RfS, concordo que o meu português é horrível, talvez por isso, vc interpretou , minha réplica de uma forma totalmente equivocada. Vc enxergou que sou contra liberdade, a não violência,, que eu acho que a mulher deve ser submissa , que sou a favor da homofobia e a violência contra as crianças. Nada disso, eu apenas acho que a música está interpretando um “PERSONAGEM” de um homem do campo, criado em uma época em que se tinham outros costumes outros valores. Se essa música sugere entre outras coisas machismo, homofobia………o que dizer das novelas de época que mostram a época da escravidão? Então os atores que interpretam os coronéis são racistas? Não sou contra a liberdade, justamente por isso, defendo que os velhos , os IGNORANTES, que não tem informação ou cultura sobre o andamento do mundo atual. Eles também são gente, portanto não podem ser descartados e nem ignorados por achar estranho algumas mudanças. Sou a favor da não violência, e acho que a melhor forma de acabar com a mesma, é educando nossos filhos de uma forma bem rigorosa,para que eles não se tornem, bandidos, vagabundos,portanto se vc entendeu diferente, ??????? Submissão feminina? Minha mãe é minha Heroína (feminino de herói, não estou me referido à drogas). [Trecho machista apagado. Acho que minha interpretação foi correta mesmo, pelo visto. RFS] Quem pensa diferente, não é problema meu, cada um cuida da sua vida, sou obrigado a respeitar, não a concordar.Não sou a favor da homofobia, nem a favor da héterofobia, acho que tem gays bons , héteros sem vergonha, e vice versa, devemos julgar as pessoas pelo caráter, pela honestidade, e não pela opção sexual. Mais achei um sensacionalismo exagerado seu comentário sobre essa música, Observe que os dois cantores usam tatuagens, um deles é cabeludo, e principalmente, como o João Careiro trata sua esposa em seu ultimo trabalho. E pra terminar, sou totalmente contra a violência contra crianças, esse presente que Deus nos entrega. Justamente por isso, eu acho que devemos educa-los da melhor maneira para que quando eles se tornarem pais, saibam respeitar e educar meus netos assim como meu pai me educou e como eu os eduquei. Violência maior contra a criança, na minha opinião, é deixar que ela cresça sem regras , sem limites, e defesa contra as armadilhas do mundo. Espero que vc me entenda, não quero desavença com ninguém , somos todos iguais, todos viemos e voltaremos pro mesmo lugar! Pense nisso, vc me interpretou errado!

Leo

agosto 4 2016 Responder

Comentário multipreconceituoso apagado. Se você acha, em outras palavras, que liberdade e não violência são aberrações, que as mulheres deveriam continuar submissas em nome do “respeito” e que a homofobia e a agressão contra crianças deveriam ser toleradas e aceitas, então lamento dizer que esse tipo de “opinião” não tem vez por aqui. RFS

Leo

agosto 3 2016 Responder

Essa música está apenas transmitindo o sentimento dos caipiras antigos, como eles penssavam e agiam. Pergunte à seus avós ou seus pais( que tenham mais de 60 anos) como era a cultura , a forma de criação dos filhos, o papel da mulher na sociedade, a forma com que os homosexuais eram vistos e tirem suas conclusões. Perguntem a eles tbn, se eles eram felizes ou infelizes e se eles gostariam de viver a realidade do mundo atual.

    Robson Fernando de Souza

    agosto 3 2016 Responder

    O problema, Leo, é que essa música é da década de 2010, e não da de 1950 ou 1960.

Nome (necessário)

junho 9 2015 Responder

“Não tenho preconceito, mas…” Esse tipo de comentário não é aceito por aqui. Comentário homofóbico apagado. RFS

Ana

novembro 27 2014 Responder

Acho moda de viola lindo, mas essa letra é decepcionante, é exatamente esse tipo de preconceito enraizado que devemos erradicar, o maior mal do mundo é não saber lidar com as diferenças

Eric Coimbra

julho 2 2013 Responder

Há limite para o relativismo, senão vira vale-tudo. Se discriminar homossexual e mulher pode, também pode ser racista, pedófilo, nazista, corrupto, assassino, etc…

A ética vem em 1 lugar, a liberdade vem em logo depois. A única coisa que está acima da liberdade é a ética, algo que muitos nem sabe o que é.

Julia

março 8 2013 Responder

Cara eu A-M-E-I essa música

    Eric Coimbra

    julho 2 2013 Responder

    Quando seu marido se sentir desrespeitado por você, vc aceitará numa boa o corretivo que ele lhe der, do modo descrito na letra, né?

    “Por mim faltaram respeito, na muié eu dei um jeito, corretivo do meu modo
    No quarto deixei tracada, quinze dia aprisionada e com ela não incomodo”.

    Tudo bem, vc tem o direito de querer ser mulher de malandro. Em alguns casos, a pessoa só se conscientiza na marra.

Mp

junho 11 2012 Responder

Trolls não são permitidos aqui. RFS

JP

fevereiro 16 2012 Responder

[Editado, RFS] quando não se tem que fazer criticam o trabalho dos outros. A palavra da moda é homofobia, entam o que a musica fala para insinuar algo.

    Robson Fernando de Souza

    fevereiro 16 2012 Responder

    5ª estrofe

Luís Cláudio

fevereiro 14 2012 Responder

Discordancia não é homofobia!!

    Robson Fernando de Souza

    fevereiro 14 2012 Responder

    Discordar de algo que é natural e é intrínseco a algumas pessoas e não tem qualquer consequência deletéria a outrem não tem nenhuma razão fora o preconceito. E preconceito contra homossexuais e contra a homossexualidade é homofobia.

Luís Cláudio

fevereiro 14 2012 Responder

1. Respeitarei sua opinião (dependendo do caso) se você trouxé-la com respeito, coisa que você não fez.
2. Jamais respeitarei seu ponto de vista distorcido que trata orientação sexual como algo que pode ser escolhido e discordado. Aqui não é lugar de se expressar homofobia.

RFS

Victor Maia

fevereiro 5 2012 Responder

Concordo com o Sebastião, mas, de novo, discordo do blog. É triste haver uma letra assim, realmente. Mas quando a leio, só lembro de um sistema educacional e cultural que faz pessoas pensarem assim.
O capitalismo tem algo de muito interessante: o poder do consumidor. E é através dele, e não de qualquer tipo de censura, que pode-se criar algum conceito de bom ou ruim, ou mesmo respeitoso ou não. Lembra-se do: “Isso vai contra os bons costumes, a moral e a família.”, lá da ditadura? Pois é.
E outra, e se for uma letra de protesto, como o produtor da dupla afirmou? Lembra-se da música de Chico Buarque, “Mulheres de Atenas”? É machista, ou um protesto contra o machismo?

Enfim, acredito que a única censura que temos, e podemos ter, é a nossa escolha de consumo. Não gosta? Não consuma, escreva sobre, se mobilize. Mas impedir a circulação, impedir que outros tenham acesso, creio ser inaceitável, um desrespeito.

Respeitosamente,

Victor Maia.

    Giulia

    fevereiro 13 2012 Responder

    Ah, por favor. Qualquer um que conhece o Chico sabe que ele nunca escreveria uma música machista. O protesto contra o machismo em “mulheres de Atenas” está bem escancarado até na melancolia em que a letra é cantada, dando a entender o quão triste era esse mundo onde as mulheres não tinham voz. Agora essa outra é música pra se dançar, é música pras pessoas cantarem junto e não questionarem a letra. Não tem nem comparação. E desde quando violência doméstica é uma questão de opinião?

Sebastião Carreiro

fevereiro 3 2012 Responder

Cara, o seu blog é sensacional!!! Quanta coisa util, informativa e relevante tem nele. Acho que o Brasil inteiro, quissá o mundo deveria acompanha-lo…
Onde já se viu escrever uma letra dessa, puro machismo, luxuria, violencia, isso nao deveria ser permitido nunca! Vamos nos unir e tomar providencias para que isso nao chegue nos ouvidos de ninguem!!!
Um dia espero ver esse blog na globo.com ou no trendtopics…
PS: na minha humilde opinião voce deveria expandir suas reinvindicaçoes para que mais pessoas possam desfrutar de tanta integridade.

    Rodrigo

    fevereiro 8 2012 Responder

    Pessoal, concordo que todas as pessoas são livres e devem sim ser iguais perante a Lei, concordo que não se pode e nem se deve discriminar alguem por ser homossexual.
    Mais vamos a esta musica, bom para quem não sabe esta musica é apenas uma regravação da saudosa dupla Tião Carreiro e Pardinho; a letra, assim como toda musica sertaneja de raiz traduz o pensamento e o sentimento do homem do campo, assim como não temos o direito de discriminar o homossexualismo, creio que os amantes da moda de viola também não estão gostando nada desta discursão. Lembro ainda que, pelo todos os casos que tive noticia, os agressores de homossexuais eram adversos aos admiradores da moda de viola. Liberdade e respeito é a chave para os dois lados, ja imaginou se alguem decide proibir a venda de biblias porque ela fala que os “afeminados” (entendam como preferir) irião queimar no inferno ? Concordo em grau, genero e numero que não podemos discriminar ninguem, isto inclui os crentes, os caipiras, e as pessoas que não se sentem bem em ver duas pessoas do mesmo sexo se beijando. Todos tem seus direitos garantidos e é isso que vale. Não importa o que A ou B acredite.

      Carlos Cavalcante

      maio 12 2013 Responder

      Será que se a letra falasse de alguém que não se sente bem na presença de negros, por exemplo, você também a defenderia como forma de liberdade de expressão?

      Letras como essas são daninhas e devem ser denunciadas!

Sua opinião é bem vinda, desde que respeitosa. Fique à vontade para comentar abaixo