28

abr12

Dom Pedro Carlos Cipolini: “Ao negar a existência de Deus, (…) elimina-se a lei e ética”

Mais um clérigo despeja preconceito contra o ateísmo, e, de brinde, discrimina os novos movimentos religiosos. O preconceituoso da vez é Dom Pedro Carlos Cipolini, bispo diocesano do município de Amparo/SP, ao dizer, em texto publicado no site do jornal O Serrano, a seguinte pérola sobre as “consequências” da liberdade religiosa e irreligiosa:

[No contexto multirreligioso atual, a] realidade se torna para o ser humano cada vez mais sem brilho, fragmentada e complexa, gerando frustrações e ansiedades. Há uma crise de sentido. Sentido que dá unidade a tudo e que chamamos de sentido religioso, o qual em nossa cultura começa a diluir-se, pois a sociedade acredita que pode agir como se Deus não existisse. Ao negar a existência de Deus, priva-se a sociedade do sentido da paternidade e da autoridade dela derivada, elimina-se a lei e ética, pois: sem Deus tudo é permitido.

Há um fortalecimento do individualismo nunca visto, substituição da ética pela estética (preocupação mais em parecer do que ser), consumismo e rejeição de qualquer compromisso duradouro: tudo se reduz ao financeiro. Não se adora mais um ídolo, simbolizado no “bezerro de ouro”; agora, adora-se apenas o ouro do bezerro.

Antes desse trecho, no mesmo texto, o bispo também havia soltado o seguinte minuto de preconceito contra os movimentos religiosos não cristãos:

E nossa sociedade? O Brasil não é mais, o maior país católico. Não só os evangélicos e pentecostais somam adesões, mas também o Espiritismo kardecista cresce, em especial em nosso Estado, e os postulados da Nova Era impregnam nossa cultura, e se exprimem como religiosidade dispersa, plural, flexível e narcisista. As denominações afro estão presentes: 7,4% da população se declara sem religião segundo o senso do IBGE de 2000 e outro tanto se declara ateu.

A busca da felicidade se direciona hoje, sobretudo para os bens econômicos, excluem-se os pobres, os que não têm dinheiro, propaga-se a ideia de que a felicidade é um bem privado que se consegue para ser usufruído sem os outros.

Curiosamente o bispo mistura a “busca da felicidade” em seu contexto capitalista com a descristianização, secularização e diversificação religiosa, e ainda chama as crenças dos novos movimentos religiosos de “narcisistas”.

A linha-dura conservadora da Igreja Católica morde-se de raiva ao ver o poder de sua denominação religiosa diminuindo e sendo dividido entre as mais diversas religiões e também perdido para o ateísmo, e isso acaba invocando textos claramente reacionários que despejam preconceito contra toda a sorte de (des)crenças não católicas, inclusive negando a dignidade da vida sem Deus, que os ateus em sua maioria levam muito bem. Para que a sociedade viva com harmonia e respeito entre as crenças e também entre as religiões e a irreligião, evitando-se uma futura escalada de sectarismo violento, esse tipo de comportamento não deve mais ser tolerado.

Protestos devem ser enviados para o formulário de contato d’O Serrano, e também para o e-mail oserrano@uol.com.br.

imagrs

7 comentário(s). Venha deixar o seu também.

Edison

setembro 1 2013 Responder

Engraçado que tudo que um religioso diz é motivo de apelação por parte de ateus, dizendo que este é preconceituoso e bla,bla,bla…
Vocês não consideram o fato dele escrever para a comunidade Católica.
Quanto as “vestes do Papa”, vc já se imaginou ter que usar aquela roupa em um dia quente? Será mesmo que é ostentação ou um tipo de mortificação? Não é por que vcs são ateus que precisam ser desonestos ou simplesmente desinformados.
O problema é que quando se coloca as palavras Igreja e história na mesma frase vcs só conseguem falar de Idade Média e Inquisição quando antes ainda o mundo se viu em muitas batalhas e foi a Igreja que sustentou a humanidade em muitas ocasiões.
As leis que temos hoje e a ética são frutos de um processo histórico onde a Igreja sempre deu sua contribuição.
O paganismo NUNCA construiu NADA em tempo nenhum.
Já o Cristianismo…

    Robson Fernando de Souza

    setembro 1 2013 Responder

    1. Consideramos o fato de que ele está reforçando o preconceito dos católicos.
    2. Me diga, por favor, quais teriam sido essas contribuições da ICAR à ética e à lei modernas.
    3. E o que o paganismo tem a ver com esse post? Se as religiões pagãs não contribuíram tanto pras sociedades atuais, não é por causa de alguma “inutilidade” delas, mas sim porque a Igreja Católica impediu que elas influenciassem as sociedades ao redor do mundo fora do aspecto estritamente cultural.

Ateu

maio 20 2012 Responder

Sendo a frase “crença não define caráter” um fato real em nosso mundo, ainda tem gente que … Realmente não consigo nem me concentrar para terminar de expressar meu pensamento… Nunca vi ignorância de tal magnitude, pelo jeito, precisamos aumentar exponencialmente a porcentagem de Ateus nas sociedades contemporâneas para que em grande número comessem a nos respeitar por obrigação, bando de alienados.

Alex Rodrigues

abril 30 2012 Responder

Olha aí mais um que resolveu falar besteira:

http://www.oecumene.radiovaticana.org/bra/articolo.asp?c=583274

Kellen

abril 28 2012 Responder

Cansei de ouvir isso “Sem deus tudo é permitido”, mas cansei mesmo, cheguei num ponto em que minha vontade é a de esbofetear o próximo boçal que disser essa frase estúpida. Nunca fumei, nunca roubei, nunca briguei na rua, estou na universidade e não tenho medos, tenho é muito respeito, como meu pai me ensinou, respeito pelos mais velhos, o respeito por qualquer ser eu aprendi sozinha, não precisei de deus pra isso, aliás, deus, inferno e jesus sangrando numa cruz só me trouxeram pesadelos até os 8 anos de idade. Outro dia no ônibus indo pra faculdade ouvi “Meu deus, quem esse velho pensa que é?” Eu, sem deus no coração nunca diria uma coisa tão babaca, até pq o senhor a quem essa cristã se referia já tinha descido e só estava reclamando o que lhe é de direito como consumidor. Pela lógica, se jesus já veio e salvou todo mundo e deus é amor e compaixão, tudo é permitido. Desculpa o desabafo Robson, mas é quase surreal viver rodeada de teístas, é um absurdo ver adultos acreditando em uma coisa tão patética e contraditória e ter que me manter calada, pois um olhar diferente já é considerado falta de respeito. Meu último comentário: O senhor bispo chama as crenças dos novos movimentos religiosos de narcisistas, queria que ele comentasse as vestes humildes em que desfila o Papa.

    Robson Fernando de Souza

    abril 28 2012 Responder

    Relax, não precisa se desculpar pelo desabafo ;-)

Jesiel

abril 28 2012 Responder

Escrevi pra eles. o/

Sua opinião é bem vinda, desde que respeitosa. Fique à vontade para comentar abaixo