27

maio12

Revista Caras faz sensacionalismo e condena relação entre crianças e animais domésticos

Revista Caras de 24/05/12, a edição que difama a relação entre crianças e animais domésticos

Na edição de 24/05, a mais recente, a revista Caras mostrou como não se falar de guarda de animais domésticos. Misturando um notável sensacionalismo mesclado com terrorismo psicológico e desinformação patente, a matéria, intitulada “Crianças que convivem com animais podem desenvolver doenças graves”, relaborada pela colunista e pediatra Filumena Gomes, deixa a entender que animais domésticos seriam um perigo constante e máximo para crianças.

A reportagem cita diversas doenças transmitidas por animais, como micoses, toxoplasmose e salmonelose, mas omite que tais problemas são evitáveis e/ou tratáveis e, em certos casos, como na toxoplasmose, só podem ser contraídos por humanos se a pessoa, por exemplo, comer as fezes do gato. Omite também como tais doenças são transferidas – se por contato cutâneo com a saliva, por toque na urina ou nas fezes, por mero contato com a pele, por ingestão de fezes… E até subestima a capacidade dos pais de mesmo evitar que seus filhos comam cocô de cachorro ou de gato ou lamba a saliva dos mesmos.

E continua seu terrorismo psicológico ao falar do risco de mordidas, arranhões e quedas, como se a tutela de um cão ou gato fosse um tormento e um desafio difícil. E cita precauções claramente exageradas, como confinar os animais em determinado cômodo da casa, varrer a residência todos os dias – presumivelmente para evitar o espalhamento dos pelos do animal – e evitar que os pequenos brinquem sozinhos com os cães e/ou gatos da casa.

É facilmente perceptível que essa reportagem, visivelmente desprovida de responsabilidade jornalística, desencoraja a guarda responsável de animais domésticos e, em última análise, pode estimular que pais de crianças pequenas abandonem seus animais de modo que seus filhos sejam protegidos das doenças que a pediatra cita como se fossem alarmantes.

Numa época em que os crimes de abandono e maus tratos contra cães e gatos estão sendo cada vez mais denunciados e comovem mais e mais a opinião pública, esse tipo de matéria atrapalha os esforços dos protetores de animais e corre o risco de incitar ainda mais a violência do abandono.

Tamanha trapalhada já vem causando a revolta de tutores por todo o Brasil. Na madrugada do último dia 26, subiu aos Assuntos do Momento brasileiros do Twitter a hashtag #RetrataCaras, exigindo da revista uma retratação pela matéria.

Usuários do Twitter revoltados com a reportagem desinformativa e terrorista da Caras contra a relação entre crianças e pets

A ONG Projeto SalvaCao respondeu à reportagem com um editorial de autoria de Taty Izquierdo. Nesse editorial, a médica veterinária Dra. Janaína Reis afirmou a Izquierdo:

O convívio com cães e gatos durante a infância é comprovadamente eficaz para o desenvolvimento do caráter e da personalidade deste indivíduo, assim como também auxilia no fortalecimento do seu sistema imunológico. Ter um animal vacinado, castrado e vermifugado não trará risco algum às crianças. Muito pelo contrário, será parte importante no seu desenvolvimento social. Medidas básicas de higiene, como lavar as mãos, já são capazes de evitar diversas doenças infecciosas, transmitidas ou não por animais domésticos. Vale lembrar que todo animal deve ser vacinado e vermifugado, e seus dejetos (fezes) devem ser recolhidos diariamente, evitando assim qualquer proliferação de parasitas ou doenças.

No mesmo texto, a mãe e tutora Nívea depõe:

Meu nome é Nívea e tenho uma filha com 5 anos e meio. Nasceu perfeita com 3 quilos e sempre conviveu com animais (inclusive galinhas). Quando ela nasceu, eu tinha 2 cães e nunca precisei separá-los, eles a entendiam e a protegiam… Hoje em nossa casa temos 3 cachorras, 3 gatas e 3 gatos que são a paixão dela. Ela nunca teve febre, nunca teve gripe… livre de qualquer doença! Ela dorme com os gatos… Gatos não transmitem doença! Toxoplasmose e asma não são transmitidos pelo gato. Informem- se mais antes de publicar bobagens! Quem sofre são os pobres bichinhos que serão abandonados devido a ignorantes que acreditarão em uma matéria como essa. Minha filha é saudável, inteligente (só recebo elogios do colégio) e conviver com animais a transformou numa criança de coração bom, que sabe ajudar os colegas que não conseguem fazer alguma atividade no colégio. É comprovado que crianças que convivem com animais são crianças melhores e serão cidadãos melhores!

A jornalista Rosana Hermann, também apaixonada mãe e tutora, também deu seu depoimento à SalvaCao, afirmando com propriedade:

A Caras é uma revista famosa, de grande circulação, que roda casas, consultórios, cabeleireiros, todo lugar. Ao publicar uma matéria alarmista, colocando os animais de estimação como vilões perigosos, ela presta um desserviço imenso. Uma pessoas que estivesse pensando em adotar um cão para sua casa pode mudar de ideia ao ler um texto que gera terror. Em nossa família, sempre tivemos cachorro, desde que meus filhos eram pequenos. Criança brinca no chão, come terra, lambe cachorro, sim. Há teorias de que essa ‘vitamina S’ de sujeira ajuda a criança a criar anticorpos e crescer de forma saudável. Além disso, os cachorros são vacinados e tratados, vão na veterinária e os filhos ao pediatra. Tudo está sempre sob controle, todos convivem em harmonia. As doenças existem, bactérias estão em toda parte, tanta coisa pode causar alergia. Mas o amor, o respeito à vida, o laço de afeto que existe entre seres humanos e animais é tão superior a tudo que não faz sentido dizer que um cachorro pode causar ‘arranhões’. Se a gente for pensar assim, todos os esportes podem causar lesões, todos os alimentos podem causar intoxicação, tudo é perigoso e viver é muito arriscado! Entendo as colocações médicas, mas o texto, a manchete, o ‘abre’ da matéria, tudo, foi colocado de uma forma tão errada que não tem como não esperar, no mínimo, uma retratação, um esclarecimento.

Mas, apesar de todos os protestos, a Caras e a pediatra continuam sem se retratar e sem ao menos dar qualquer resposta à revolta das pessoas. Portanto, os protestos devem continuar. Mensagens de repúdios devem ser enviadas ao e-mail da autora, a pediatra Filumena Gomes; ao formulário de contato da revista Caras; à fanpage da revista no Facebook e ao perfil do Twitter da mesma. Pede-se que os manifestantes não se exaltem e não ofendam a pediatra, sob risco de perdermos a razão.

imagrs

2 comentário(s). Venha deixar o seu também.

Eline

maio 29 2012 Responder

Meu filho tem rinite alérgica desde que nasceu. E ouvi todas aquelas recomendações de pediatras sobre não ter cortinas, tapetes e DE JEITO NENHUM animais. Mãe de primeira viagem, eu atendi.
Dois anos atrás cedi aos apelos dele que resgatou um gatinho nas ruas. E pasmem! Desde que o Nicolas veio morar aqui em casa as crises de rinite SUMIRAM. Nariz escorrendo, entupido e dores de cabeça são coisa do passado. Ele dorme com o Nicolas e a experiência foi tão boa que adotamos a Bebel um ano depois.
São vacinados, vermifugados castrados, vão ao veterinário e tomam banho 1x por mês. O único cuidado extra é limpar a caixinha de areia 2x por dia, afinal vc também lava o seu vaso sanitário né?

Alex

maio 27 2012 Responder

Convivi com vários animais desde que nasci e nunca tive nenhum problema relacionado. Pelo contrário, hoje sou justamente biólogo. Hoje existe uma falsa onda de “higienismo”, onde se passa a mensagem que tudo é sujo, transmite doenças, etc. O homem moderno veio a esquecer que ele é apenas mais um animal, que conviveu por milhões de anos com os outros, com a natureza, com a dita “sujeira”, e foi isso que o fez mais forte e adaptado para viver neste planeta. Quanto mais ele se afastar dos outros animais e mais se isolar neste seu ambiente “higiênico” urbano, mais suscetível estará para doenças. Isso só serve para sustentar indústrias de produtos de limpeza, que acabam mais por destruir a vida do que preservá-la.

Sua opinião é bem vinda, desde que respeitosa. Fique à vontade para comentar abaixo