19

jun12

Novela Carrossel faz apologia ao consumo de carne e sopa de tartaruga

Carrossel: Professora Helena diz a aluna que comer tartarugas é “nutritivo”.

O capítulo do dia 8 de junho da novela infantil Carrossel, exibida pelo SBT, mostrou uma cena que não deveria mais figurar em programas infantis: a apologia ao consumo de animais ameaçados de extinção.

No terceiro bloco desse capítulo, entre os instantes 04:53 e 05:02, uma aluna pergunta se é verdade que as tartarugas podem ser comidas pelo ser humano. Pergunta à qual a Professora Helena responde: “Naturalmente. Não temos esse costume aqui. Mas a sopa de tartaruga é riquíssima em vitaminas.”

Inúmeras espécies de tartarugas hoje correm risco de extinção, e tanto por isso quanto pelo desrespeito ao direito dos animais à vida, tratada como mero produto alimentício, a mensagem da professora se tornou antipedagógica, com o agravante de ser uma novela dirigida a crianças, seres humanos ainda em formação. Pensa-se que muitas crianças podem ter realmente se influenciado, apenas com tal diálogo, à curiosidade sobre se comer tartarugas é saboroso e nutritivo.

Se nem a apologia ao consumo de qualquer animal é adequada a um contexto que mistura entretenimento e educação infantil, o elogio ao consumo da carne de um animal ameaçado de extinção se torna um exemplo deletério à formação da mentalidade e do caráter compassivo das crianças. É um exemplo de educação antiambiental.

Reclamações podem ser enviadas ao formulário “Mande sua ideia” do site do SBT.

imagrs

10 comentário(s). Venha deixar o seu também.

Fred Santana

setembro 4 2012 Responder

[Trecho ofensivo apagado. RFS] A série original tem a mesma sequência, quando um menino tenta salvar a vida do zelador com essa sopa. O enfoque é totalmente em cima da inocência da criança. Quanto melindre…

Lorena

julho 2 2012 Responder

Hoje a professora Helena libertou um pássaro da gaiola e os alunos ficaram todos felizes porque não queriam deixar ele preso também. Não assisto, mas por acaso tava passando de canal e vi…

Isabel

junho 22 2012 Responder

Robson, gostaria de fazer uma crítica. Acho o tom do blog sensacionalista. Se a cada ponto final falarmos “É um absurdo” ou “Põe na tela”, parece um programa do Datena, só que com o vocabulário mais refinado. Acho que esse tratamento dos temas acaba afastando muita gente simpatizante. Eu mesma, que sou vegetariana, não consigo ler uma matéria completa. E olha que faço o mesmo curso que você, os conceitos e ideias apresentados não me são estranhos.

    Robson Fernando de Souza

    junho 22 2012 Responder

    Oi, Isabel. Vc fala do blog como um todo ou da notícia sobre Carrossel?

    Repare que eu não uso apelos subjetivos como “absurdo” ou “barbárie”. Tudo o que eu escrevo pode ser percebido de forma objetiva, inclusive neste post.

    Peço que vc me detalhe melhor onde o blog está sendo sensacionalista, aí talvez eu perceba algum vício de linguagem a ser evitado no futuro.

      Isabel

      junho 22 2012 Responder

      Eu falo do blog como um todo. O que percebi que mais incomoda as pessoas com relação a esses assuntos, é o fundamentalismo e posição dos defensores como se fossem os detentores da absoluta verdade. Não falo de expressões específicas, mas de posicionamentos que poderiam ser vistos como tendenciosos. Por que não questionar a atitude da professora, se seria válida ou não, levando aos leitores questionarem-se a si mesmos? Acho preferível uma abordagem assim do que já partir para uma possível apologia.
      Bem, é uma sugestão. Mas cada um usa os recursos discursivos que prefere. Faço minha sugestão com a finalidade de conquistar mais defensores da causa animal, feminista ou o que for, e não afastar ainda mais as pessoas dos ideais que compartilhamos.
      E desculpe-me qualquer coisa. :D

        Robson Fernando de Souza

        junho 22 2012 Responder

        É aquela coisa: o blog é profundamente parcial, editorialmente a favor dos Direitos Animais. E as notícias de fato são postas com essa parcialidade.

        Alguns podem se incomodar com essa postura, já outros gostam e até passam a pensar sobre as questões expostas.

Fernado Soares

junho 19 2012 Responder

Não entendi a crítica. Não deixa de ser nutritivo, ou deixa? Ela fez apologia onde? Você está inventando coisas.

    Robson Fernando de Souza

    junho 19 2012 Responder

    A professora propagandeia carne de tartaruga. E isso independe de isso ser nutritivo ou não. Procure interpretar melhor as coisas antes de acusar os outros de “inventar coisas”.

      Fernado Soares

      junho 19 2012 Responder

      uma aluna pergunta se é verdade que as tartarugas podem ser comidas pelo ser humano. Pergunta à qual a Professora Helena responde: “Naturalmente. Não temos esse costume aqui. Mas a sopa de tartaruga é riquíssima em vitaminas.”

      Não há apologia.

        Robson Fernando de Souza

        junho 19 2012 Responder

        O que você acharia se professora Helena falasse que carne de cachorro ou carne humana é rica em nutrientes? Ainda mais numa novela infantil?

        Num contexto adulto, não se configura uma apologia direta. Mas num contexto infantil e, pior, educativo, torna-se uma apologia e das fortes, por causa da alta sugestividade das crianças.

Sua opinião é bem vinda, desde que respeitosa. Fique à vontade para comentar abaixo