29

set12

Hebe, um ser humano que errou e foi vítima de erros

Faleceu na madrugada de hoje Hebe Camargo, um ser humano que cometeu e sofreu erros. Por duas vezes, ela foi assunto aqui no Consciencia.blog.br – uma por um erro que ela cometeu, e outra por ter  sido vítima do erro de seres humanos desalmados e preconceituosos. Vale relembrar os dois momentos em que ela apareceu por aqui.

Antes de tudo, ela foi uma apresentadora que fez (aliás, faz) parte da história da televisão brasileira. E, à parte a qualidade subjetiva de seus programas e outros eventuais erros cometidos ao longo de sua vida, fará falta.

 

“Tenho pena de quem não acredita em Deus”

O erro de Hebe que mais me tocou foi ela ter afirmado, em 2011, ter “pena de quem não tem fé, de quem não acredita em Deus” e sido consentida pela presidente de direita Dilma Rousseff – no programa em que esta foi a entrevistada, na RedeTV!.

O falecimento dela acabou sendo um gélido banho de realidade em quem sente pena de ateus por não acreditarem em Deus, em milagres, em proteção e providência divinas. No final das contas, o motivo que fez Hebe sentir pena de nós por nossa descrença acabou falhando miseravelmente – o “milagre” de ela ter sido supostamente curada, que se mostrou inválido por ela ter continuado a sofrer com os sintomas do câncer e morrido na madrugada de hoje em decorrência dos mesmos.

Não alardeio isso como uma evidência da inexistência de um deus pessoal ou de milagres, mas sim como uma lição que todo religioso preconceituoso deveria assimilar. A lição de que religião jamais deve ser motivo de se ter pena de pessoas que pensam e acreditam diferente. Porque a crença, a oração, a fé podem falhar, e o religioso que diz sentir pena de ateus por sua descrença acabar engolindo o que falou, “pagando” pelo preconceito expressado.

 

A gerontofobia da turba

Este ano, ela passou a ser o alvo de preconceito. Uma turba de preconceituosos, num blog anexo ao portal da Folha de S. Paulo, mostrou que é forte no Brasil uma forma de discriminação e intolerância tão forte quanto o racismo, a ateofobia, a misoginia e a homofobia: a gerontofobia, o preconceito e ódio contra idosos. Foi uma enxurrada de xingamentos, ofensas e escárnios contra Hebe em função da idade dela. A criatividade para o mal foi intensa em se inventar formas de escarnecer da apresentadora por ela ser idosa. Foi lamentável ver a memória da história dela sendo pisoteada por uma horda de pessoas que pareciam acreditar que serão jovens para sempre ou morrerão cedo por vontade própria.

Menos de dois meses depois, Zagallo também se tornou alvo do ódio gerontofóbico de muitos leitores da Folha de S. Paulo.

 

Descanse em paz

Ela ter manifestado preconceito contra ateus – manifestação que infelizmente acabou se voltando contra a vida dela por coincidência – não a faz menos digna do luto por sua morte. Como já foi dito, ela fez história na TV brasileira, e também todo ser humano comete erros. Não existe aquela pessoa que nunca manifestou um preconceito alguma vez na vida, seja contra idosos, negros, mulheres, ateus, espíritas, afrorreligiosos, LGBTs, pagãos, gordos, indígenas, imigrantes, veg(etari)anos, animais não humanos ou contra qualquer outra minoria sociopolítica.

Como ser humano que errou e foi vítima de erros, ela merece nosso respeito e consideração. E que zelemos pela memória dela.

Obrigado, Hebe Camargo, por tudo que a sra. fez pela TV brasileira. Descanse em paz.

imagrs

3 comentário(s). Venha deixar o seu também.

humberto

outubro 10 2012 Responder

Eu vou tentar te explicar o porque uma pessoa que crê em Deus lamenta pela falta de crença e fé de alguém… A experiência religiosa, ou melhor, a fé tem exatamente a mesma natureza que tudo nos humanos, ou seja, eh dual, ou seja, ninguém crê ou não crê o tempo todo, somos o tempo todo convidados por argumentos e experiências a esbarrar em ou outro lado destas, isso para os dois lados normalmente só reforça o lado em que já se está… estou dizendo isto para que vc entenda que normalmente aqueles que carregam o estigma da fé muitas vezes questionam coisas e buscam respostas… Bem o que a Hebe e muitas pessoas diriam para quem não tem uma experiência de fé. Eh que quem vivencia isto tem um preenchimento de vida que bem além do que eh visível, eh algo da natureza sutil, que não se vê como o ar, mas se pode sentir, assim como quem não crê se sente confortável em não estar sendo iludido ou sente que não escapa da realidade tal qual ela se apresenta… Quem crê se sente amparado por algo superior, imagine saber-se em contato direto com a entidade criadora do universo, nada mal hein? Isto eh indescritível, ou se sente ou não, e ai eu que tenho formação filosófica muito pesada lhe digo, tem uma hora que tanto faz se Deus criou o homem ou o homem eh que criou Deus a sua semelhança, se Jesus subiu aos céus, se casou, se a Maria era virgem, eh algo além que transcende… Eh algo intrínseco, uma presença intima, que conforta onde a ciência não explica…
E ai eh da mesmo essa sensação assim como quem não crê vê o que crê iludido, fantasioso, quem crê vê o descrente com um vazio, com algo que lhe falta, como se esta visita preciosa não lhe tivesse acontecido… Só isto

Marcelo Silva

setembro 30 2012 Responder

Quer dizer que Ateu não morre? Ou quem acredita em Deus tem que ser imortal?

Hebe tinha 83 anos, que eu saiba o ciclo natural da vida é morrer, ela tinha uma idade bem avançada.

Quanta leseira cara… tas falando água ai, se atenha ao fato dela ter sido uma pessoa muito bem sucedida na área de atuação que escolheu e é só vê que todos que conviveram com ela estão bastante abalados com a partida dela, demostrando que ela era uma ótima pessoa. Morrer todo mundo morre, agora ser uma pessoa realizada, quase ninguém consegue, corra atrás e para de ficar julgado os outros.

    Robson Fernando de Souza

    setembro 30 2012 Responder

    Não entendi sua colocação, nem o que ela tem a ver com o post.

Sua opinião é bem vinda, desde que respeitosa. Fique à vontade para comentar abaixo