31

jan13

Consciencia.VLOG.br: Veganismo, indígenas e situações extremas

conscienciaVLOGbr-miniaturaUm assunto que ainda põe muitos vegetarianos e veganos em dúvida é se é possível os povos indígenas, que geralmente comem carnes, também podem se tornar veganos sob a influência da civilização moderna. No vídeo abaixo, do Consciencia.VLOG.br, explico por que isso não é viável.

Da mesma forma, explico também a validade de se abrir exceção ao veganismo em situações extremas de sobrevivência, como depois de acidentes de avião ou naufrágios em regiões remotas distantes de povoados humanos ou ao se viver na selva – o que derruba o argumento dos carnistas reacionários de que viver na selva seria a única maneira de não consumir nada de origem animal.

Vale a pena elucidar essas questões para que nosso veganismo continue amadurecendo.

Vídeo abaixo:

imagrs

4 comentário(s). Venha deixar o seu também.

Marden Carvalho

fevereiro 7 2013 Responder

Excelente vídeo Robson! Já havia discutido esses mesmos tópicos (e outros parecidos) com os meus amigos Veg(etari)anos de Montes Claros. Inclusive abordei a mesma problemática: a questão dos nossos índios. Infelizmente, muitos veg(etari)anos ainda não conseguem enxergar esse delicado problema e alguns ainda se dizem favoráveis a uma dizimação da população indígena, ainda que disfarçada de “conscientização dos povos indígenas”. Felizmente nem tudo estará perdido nos movimentos veg(etari)anos, enquanto existir pessoas como você. Boa sorte e felicidades ai para você e sua família.

    Robson Fernando de Souza

    fevereiro 7 2013 Responder

    Obrigado Marden =)

Flavio

fevereiro 5 2013 Responder

Deixa eu ver se entendi. Os esquimós podem consumir carne, entre outras razões, por causa da religião, mas o cristão não pode usar a bíblia para justificar a mesma coisa ?

    Robson Fernando de Souza

    fevereiro 5 2013 Responder

    Não os esquimós, mas os maasai. E nesses casos a religião é apenas um trecho de todo o contexto cultural deles, ao qual a lógica ocidental é alienígena.

Sua opinião é bem vinda, desde que respeitosa. Fique à vontade para comentar abaixo