16

mar13

“Pênis pequeno”: protesto contra caça combate opressão especista com opressão machista

big-gun

A imagem acima vem circulando no Facebook, inclusive em fanpages pró-veganismo, exibindo um protesto contra caça com a plaquinha em forma de seta escrito “Big gun, little dick” (grande arma, pequeno pau/pênis) (a plaquinha também foi usada nessa foto). A manifestação aconteceu em 2009, no estado australiano de Victoria.

Convém ressaltar algo que talvez nem tenha passado pela cabeça dos manifestantes em questão: o apelo ao pênis pequeno é uma forma de opressão sexista contra homens, de lhes impor o papel de gênero de portadores de pênis grandes. Eu posso dizer que é a ramificação masculina do slutshaming – enquanto mulheres são constrangidas através de pejorações contra ter uma vida sexual ativa (daí o uso do nome slut, ou “vadia”), homens recebem o mesmo constrangimento pejorando-se o pouco tamanho de seus pênis.

O pênis é praticamente o centro do valor patriarcal da masculinidade, e interpreto que chamar alguém de “pau pequeno” é uma forma de dizer que ele “não é tão masculino assim” e é “ruim de cama”. Assim sendo, acaba sendo de fato uma atitude machista, que exige dos homens a “qualidade” da masculinidade, do atendimento aos padrões de gênero esperados dos homens – “virilidade”, órgão sexual robusto e vida sexual ativa, entre outros. É assim que, através do xingamento de “pau pequeno”, o machismo acaba constrangendo e discriminando homens por não atenderem à mesma normativa patriarcal que submete mulheres a um papel de gênero que as ata a um comportamento esperadamente submisso, passivo, dócil, objetificado etc. O machismo também castiga homens.

Levando-se isso em consideração, percebemos que o grupo ativista que recorreu ao apelo à ridicularização do pênis pequeno cometeu um erro ético ao combater a opressão especista, que ali se manifestava pela caça, com opressão machista, que exige dos homens o atributo de gênero de “bem dotados” – e, por tabela, de “bons de cama”, sexualmente ativos. É profundamente incoerente combater especismo usando-se de machismo, ainda mais vexatório. É semelhante a tentar combater o racismo usando-se de homofobia, ou combater intolerância religiosa com elitismo.

Valeria muito mais questionar o caráter da pessoa que mata animais por diversão do que o tamanho de seu pênis ou sua vida sexual. Os animais não precisam ser defendidos por expedientes machistas. Usar opressão para combater opressão, no final das contas, nunca tornará este mundo um mundo mais igualitário.

imagrs

2 comentário(s). Venha deixar o seu também.

Rogerio

março 23 2013 Responder

Perfeito! Isso sim eh escrever!

    Robson Fernando de Souza

    março 23 2013 Responder

    Valeu ae =)

Sua opinião é bem vinda, desde que respeitosa. Fique à vontade para comentar abaixo