16

abr13

Sobre a “imposição de ideologias na alimentação”
Imposição alimentar para crianças, uma "queixa" carnista muito frequente.

Imposição alimentar para crianças, uma “queixa” carnista muito frequente.

De vez em quando, carnistas vêm acusar os vegetarianos e veganos de estarem “impondo sua ideologia” às crianças, através do condicionamento delas a uma dieta livre de alimentos de origem animal (ou simplesmente livre de carne, no caso de pais ovolactovegetarianos). Segundo eles, estamos “violando a liberdade alimentar” dos nossos filhos, impedindo-os de “escolher” o que querem comer. Então dirijo algumas perguntas aos carnistas que nos dirigem tais acusações.

Caros antivegetarianos, nos respondam:

1. Vocês permitem a seus filhos, mesmo muito pequenos, escolher livremente o que querem comer? Acreditam que crianças de quatro ou cinco anos de idade têm discernimento e conhecimento de Nutrição para selecionar os alimentos que desejam e os que rejeitam? Ou vocês fazem o que nós fazemos – impor aos pequeninos o perfil alimentar que os pais acreditam ser o melhor para eles?

2. Como vocês fazem para convencer seus filhos de que é bom consumir alimentos de origem animal? E o que faz esse convencimento ser mais válido do que o convencimento vindo de pais veg(etari)anos?

3. Se seus filhos crianças decidirem se tornar vegetarianos, o que vocês vão fazer em relação a isso?

4. Como vocês provam que a alimentação vegetariana é perigosa para crianças, enquanto uma alimentação onívora rica em resíduos de hormônios, antibióticos, pus, salmonela e outros ingredientes bizarros não o é? Não vale falácia de apelo à autoridade.

5. Se impor uma alimentação veg(etari)ana é errado por ser uma “ideologia imposta”, o que dizer então do:
a) anticanibalismo?
b) anticarnedecachorrismo?
c) anticarnessilvestrismo? (proibição de comer carne de animais silvestres)
d) antivenenismo? (não consumo alimentar de veneno)
e) antissuinolactismo? (proibição de consumir leite de porca)
f) onivorismo/carnismo? (a alimentação mais comum, centrada em alimentos de origem animal culturalmente permitidos)
Também são ideologias cuja imposição é errada e deve ser abandonada em prol da liberdade alimentar?

Suas respostas ajudarão os veg(etari)anos a saber como lidar com esse dilema que vocês inventaram sobre imposição X liberdade alimentar.

 

imagrs

2 comentário(s). Venha deixar o seu também.

Leigh

julho 11 2013 Responder

Se o homem for herbívoro, suponho que o vegetarianismo estrito não seja mais do que a dieta natural e não ideologia dietética. Não sendo o homem herbívoro, como parece ser o caso dos que conheço, então o vegetarianismo estrito parece ser a prática dietética da ideologia que priva o consumo natural de alimentos de origem animal, em favor de suplementos, e/ou ao puro risco da abstenção.

roberta Muller

abril 16 2013 Responder

Meu filho rejeita alimentos de origem animal. Cheira e empurra o prato se sente cheiro de carne. Desde muito pequeno tem esse comportamento. Como o pai do menino e a avó são ‘carnistas’, o alimento com carne sempre esteve disponível à mesa. Nunca houve qualquer restrição ao consumo. Entretanto, parece que a carne não lhe apetece. Há poucos meses apresentou um processo alérgico acentuado e o médico identificou como alergia a ovos e leite. O menino não consumia tais produtos puros, mas em algumas receitas. Tivemos que cortar ovos e leite também de sua alimentação. Não falta quem atribua o hábito alimentar do Victor ao meu veganismo.Fazer o quê? Com relação à postagem, tenho outras perguntas aos carnistas que pensam que impomos nossa ideologia alimentar.
1. Se a criança rejeita e apresenta processos alérgicos a produtos de origem animal, isso é imposição?
2. Não parece ideologia carnista oferecer somente alimentos com carne nas escolas? Os poucos alimentos servidos que não tem origem animal vem com molho de carne, ou qualquer outra coisa de origem animal. Meu filho, por exemplo, não come na escola porque todos os alimentos oferecidos, a exceção do suco e da fruta, têm origem animal. Oferecer somente alimentos assim a crianças de seis a dez anos não é uma forma cruel de imposição alimentar?
3. Não parece estranho que em uma casa onde apenas uma pessoa não consuma alimentos de origem animal a criança opte por seguir a alimentação justamente dessa pessoa? Não seria natural ela seguir o hábito mais comum e mais fácil? Isso é imposição?
4. Se a criança está livre para consumir pratos de origem animal ou de origem vegetal e opta pela segunda alternativa, não seria razoável considerarmos que está mais predisposto à alimentação vegetariana? Talvez ele tenha desenvolvido o processo alérgico porque alimentos de origem animal não sejam uma boa escolha para humanos. Eu, por exemplo, sou vegetariana há quase trinta anos e me tornei vegana há três. De lá pra cá, livrei-me de uma série de alergias, me livrei de muitas impurezas na pele, melhorei meu raciocínio e memória e minha disposição geral quadruplicou. Associo todas essas coisas ao não consumo de leite e ovos. Se soubesse antes que maior parte do meu mal estar vinha daí, teria deixado de consumir ovos e leite há muito mais tempo.

Sua opinião é bem vinda, desde que respeitosa. Fique à vontade para comentar abaixo