29

jun13

Colunista diz defender a causa LGBT mas defende o projeto de lei da “cura gay”

cura-gay

A colunista Shirley Rodrigues, do portal da Folha de Boa Vista, defendeu na sua coluna de ontem o projeto de decreto legislativo que cassa a proibição do “tratamento da homossexualidade”, vulgarmente chamado de “cura gay”. Tentou ser didática e mostrar simpatia para com @s homossexuais, mas no final das contas declarou-se favorável ao bizarro PDL 234/2011 e aos psicólogos que queiram “consertar” a orientação sexual de seus pacientes, mostrando falaciosamente por que defende isso e demonstrando notável desconhecimento sobre o funcionamento da Psicologia Clínica.

Diz ela, tentando justificar sua posição, que “há muitos homossexuais (inclusive amigos meus) que não se aceitam como tal, por isso vivem amargurados. E o que o Projeto 234/11 visa é dar a essas pessoas – de acordo com suas próprias vontades – a opção de buscar ajuda técnica para ser como elas quiserem”.

Abaixo comento cada trecho da tentativa dela de justificar o injustificável.

* Todos sabem o quanto defendo a causa gay, inclusive com campanhas para que os enrustidos “saiam do armário”. Por conta disso, antes de criticar, li o Projeto de Decreto Legislativo 234/11, do deputado João Campos (PSDB-GO), apelidado pelos ativistas de “Projeto da Cura Gay”.
* Assim, aconselho todos a fazer o mesmo, ao invés de reproduzirem o que está na mídia. O referido projeto visa suspender o trecho da resolução do Conselho Federal de Psicologia (1999), que proíbe profissionais de colaborar com eventos e serviços que ofereçam tratamento para a homossexualidade.

O PDL não diz nada sobre por que tenta sustar apenas uma resolução proibitiva, justamente aquela que vai de encontro aos interesses dos homofóbicos teocratas. Lê-lo não vai esclarecer muita coisa sobre suas motivações reais, que transcendam o blábláblá legalista da justificativa.

* Então, vamos por partes. Para começar, psicólogos não curam ninguém. Estes profissionais apenas orientam e auxiliam as pessoas a enfrentar os problemas que os afligem, sem uso de qualquer medicamento. Além disso, já está mais do que provado que homossexualidade não é doença.

Não curam doenças (sozinhos), mas tratam problemas. E homossexualidade tanto não é problema que a resolução que o deputado fundamentalista quer cassar proíbe que psicólogos inescrupulosos a tratem como tal.

* Entretanto, há muitos homossexuais (inclusive amigos meus) que não se aceitam como tal, por isso vivem amargurados. E o que o Projeto 234/11 visa é dar a essas pessoas – de acordo com suas próprias vontades – a opção de buscar ajuda técnica para ser como elas quiserem.

É essa não aceitação de si mesmo que é o problema a ser tratado, e não sua homossexualidade. A colunista deixa a entender que, se alguém não se sente bem por ser homossexual e acredita que pode se converter a heterossexual, então é válido que o psicólogo @ “ajude” a “virar hétero” e abandonar a “amargura de ser lésbica/gay”. Além disso a colunista fala das “próprias vontades” das pessoas homossexuais e “buscar ajuda técnica para ser como elas quiserem”, validando assim que “mudar” de orientação sexual pode ser uma vontade válida e assistível pelo profissional. Ou seja, se a lésbica/o gay quiser se tornar hétero, o psicólogo deve ajudá-l@ a se converter, segundo a linha de raciocínio passada. Minimiza a questão de que o sofrimento da pessoa não tem como fonte a homossexualidade, mas sim a homofobia externa e/ou internalizada.

* Assim, vejamos: Por que alguém que é homossexual e por qualquer motivo não se aceita desta forma, e por isso viva atormentado, não tem direito de buscar ajuda psicológica pra ser como gostaria, se essa é a sua vontade? Sinceramente, não enxergo nisso mal algum.

1. “Por qualquer motivo” = por homofobia de origens externa e/ou interna. Essa homofobia e a rejeição de si mesm@ é que precisam ser tratadas, e não a homossexualidade.

2. A colunista deixa a entender mais uma vez que a fonte do tormento dessa pessoa é a homossexualidade em si, e não a não aceitação dessa homossexualidade. Mostra desconhecer o funcionamento da psicologia clínica, ao acreditar iludidamente que o psicólogo pode transformar @ paciente no que elæ quiser – por exemplo, transformar um vegetariano tímido que sofre bullying e odeia forró num onívoro muito extrovertido e popular e que adora forró – ao invés de basicamente fazê-l@ aceitar a si mesm@ como é e encontrar e reconhecer pontos positivos em sua personalidade e estilo de vida.

3. Ela “não enxerga mal algum” em psicólogos que acreditam que orientação sexual pode ser mudada, e nisso concorda mais com os teocratas homofóbicos do que com @s homossexuais cuja luta por direitos ela diz apoiar.

* É melhor o indivíduo tentar buscar ajuda no intuito de ser uma pessoa melhor, do que por não se aceitar deformar seu caráter, passando a perseguir os outros e fazer maldades, igualzinho ao personagem Félix, da novela Amor à Vida.

A colunista deixa a entender que o indivíduo que reprime sua sexualidade em prol de uma fachada “ex-lésbica/ex-gay” é “melhor” que aquele que permanece em dúvida sobre sua orientação sexual ou é vítima de coação homofóbica. E deixa a entender que é melhor uma pessoa homossexual ser “incentivada” a “virar hétero” (ou seja, reprimir seus autênticos desejos sexuais e orientação sexual-afetiva, nem que para isso passe a ostentar uma raivosa homofobia) do que continuar um/a homossexual em dúvidas.

* Li e reli o Projeto de Decreto Legislativo 234/11, do deputado João Campos, e sinceramente não vi nele nenhum despropósito. Ninguém será obrigado a ir ao psicólogo porque é homossexual. Muito pelo contrário, a proposta é de liberdade de opção.

1. O despropósito do PDL é completo no sentido de selecionar justamente a proibição do “tratamento” da homossexualidade com escusos pretextos legalistas.

2. Procurar um “psicólogo cristão” “curador” de homossexuais não é questão de “liberdade de opção” nem de uma obrigação explícita, e sim de coerção, de o indivíduo, constante vítima de bullying homofóbico e rejeição social e familiar, achar-se sem saída para ficar em paz com sua orientação sexual fora tentar “virar hétero” com ajuda de um “psicólogo” que diz “curar homossexuais”.

* Assim como qualquer pessoa tem o direito de ser gay e deve ter a sua orientação respeitada por todos, deve também ter o direito de querer não ser e ter oportunidade de buscar ajuda técnica, para pelo menos tentar ser da forma que se sinta confortável. Simples assim!

“Querer não ser” homossexual não é algo passível de ser um direito, porque não existem indivíduos ex-homossexuais (excluindo-se pessoas que descobriram ter atração sexual também por pessoas do outro sexo), da mesma forma que não é passível de direito um negro vítima de racismo querer ser um ex-negro. Essa vontade é um problema a ser tratado, e não um direito a ser validado.

E novamente a colunista demonstra desconhecimento sobre o trabalho do psicólogo ao imaginar que ele pode transformar à vontade seus pacientes em quem estes quiserem – como no exemplo dado, o vegetariano tímido vítima de bullying que não gosta de forró num onívoro extrovertido e popular que adora forró – ao invés de fazê-los aceitar quem são e viver em paz consigo mesmos. Distorcer imaginariamente o trabalho dos psicólogos e pregar que pessoas podem ser mudadas por coerção não é nada “simples assim”.

Que fique a lição: ou é a favor da libertação LGBT, ou é a favor da antiética e cientificamente ineficaz modificação de orientação sexual. Não é possível ser um e outro ao mesmo tempo, visto que defender que homossexuais podem ser transformados em heterossexuais é ir contra a dignidade deles e dar vazão aos discursos dos sacerdotes do fundamentalismo cristão e do ódio homofóbico.

imagrs

51 comentário(s). Venha deixar o seu também.

Edson

julho 22 2013 Responder

Todo tipo de fanatismo é perigoso.

Jhonny F.

julho 19 2013 Responder

Cézar/

Agora uma pergunta: Se você me dizer que é hétero,quem sou eu para contesta-lo?

E se fulano diz que é gay,quem sou eu para contesta-lo?

Se você é o que se diz,e ninguém questiona(até porque seria ridículo perguntar: você é realmente gay??),porque a autodeclaração de um ex-gay teria menos valor do que a de um hétero ou de um gay??

    César Marques

    julho 20 2013 Responder

    “Reconheço sim,que muitos sofrem preconceito,são agredidos fisicamente,etc..
    Mais reconheço também que tantos outros vivem uma vida muito melhor que a minha(e provavelmente a sua) em termos de prestigio e dinheiro.”
    Por que o fato de terem prestígio e dinheiro os impediria de enfrentarem o preconceito indiretamente ou ainda serem vítimas de homofobia? O que você se recusa a enxergar é que, a não ser que viva isolado desde o nascimento numa ilha isolada, todo homossexual sabe que a sociedade o discrimina e que há a possibilidade de até ser morto por algum homofóbico mais “militante”.
    “Que direitos a bancada ‘’fundamentalista’’ tenta tirar do cidadão LGBT?
    O direito de ir e vir?,o direito a casa,comida e moradia?,saúde publica?,o direito a educação?
    Não seriam esse direito aplicáveis a TODOS os cidadãos independendo de credo,cor,raça ou opção sexual?

    E quanto a direitos que eram/são privilégios de heterossexuais, cuja conquista pelos homossexuais tem sua efetivação obstaculizada por esses abnegados deputados? Esses deputados foram os primeiros a se manifestar contra o reconhecimento pelo STF da união civil homossexual e dos direitos dela recorrentes e que eram negados aos homossexuais, e até hoje ainda tentam derrubar essa conquista, tentam barrar qualquer projeto do governo voltado para a conscientização da população sobre a homofobia, querem legalizar a “cura gay”, etc…
    “Você vê algum desses deputados ‘’fundamentalistas’’ querendo criminalizar a homossexualidade,ou impedir algum direito fundamental estabelecido por lei a está população?”
    A criminalização da homossexualidade AINDA não foi proposta. Mas não se preocupe, quem sabe em breve seus respeitáveis defensores da moral e dos bons costumes não elaborarão um projeto de lei com uma proposta tão maravilhosa quanto esta, não é mesmo? Afinal se há reversão para a homossexualidade, cadeia pode ser um belo método para alcançá-la. Aguarde.
    “porque a autodeclaração de um ex-gay teria menos valor do que a de um hétero ou de um gay??”
    Porque héteros não são pressionados pela família e pela sociedade a se tornarem gays. Porque héteros não têm sua condição sexual contestada, não precisam ter medo de assumir quem são e não há nenhum projeto de lei visando a “cura hétero”.
    E, para te dar o “gostinho de vitória” não responderei mais, não por estar convencido por seus argumentos “científicos” para a legalização da cura gay e de desconsideração de que um projeto vergonhoso como esse não afetaria em nada no aumento do preconceito contra os LGBT, mas porque simplesmente cansei dessa discussão improdutiva.

Jhonny F.

julho 19 2013 Responder

Cézar/

‘’Se fico repetindo o argumento é porque você insiste com a ladainha de que se pode ignorar completamente a estigmatização dos homossexuais e que os mesmos podem ficar infelizes por serem homossexuais “porque sim”, “porque eu quero que seja assim e pronto”.

R:Me mostre onde demonstrei ignorar os estigmas sociais dos homossexuais?
Reconheço sim,que muitos sofrem preconceito,são agredidos fisicamente,etc..
Mais reconheço também que tantos outros vivem uma vida muito melhor que a minha(e provavelmente a sua) em termos de prestigio e dinheiro.
Não é questão de querer,Cezar,procure na internet a respeito dos ex-gays,e vejam o que eles dizem,se não fui capaz de te convencer.

‘’Até que enfim admitiu que tal aberração em forma de projeto de lei atende aos interesses dos evangélicos fundamentalistas. Estamos evoluindo. Por que será que tal projeto partiu justamente de uma bancada política que tenta impedir todo e qualquer direito conquistado pela comunidade LGBT?’’

R:Que direitos a bancada ‘’fundamentalista’’ tenta tirar do cidadão LGBT?
O direito de ir e vir?,o direito a casa,comida e moradia?,saúde publica?,o direito a educação?
Não seriam esse direito aplicáveis a TODOS os cidadãos independendo de credo,cor,raça ou opção sexual?
Você vê algum desses deputados ‘’fundamentalistas’’ querendo criminalizar a homossexualidade,ou impedir algum direito fundamental estabelecido por lei a está população?

‘’Traduzindo: “Ex-gays são um fato científico incontestável, gays querem deixar de ser gays só por querer mesmo, tratamentos de cura gay tem eficácia 100% comprovada. Tudo isso é fato científico e pronto, eu quero que seja, então é.”

R:Não é questão de crença,a existência de ex-gays é facilmente comprovada empiricamente,Gay PODEM se sentir infelizes por sua condição SIM(vejo o relato de casos de conversão bem sucedido e veja o que as ‘’vitimas’’ dizem a respeito),ainda que esse ultimo item não possa ser cientificamente comprovado(não temos como saber com certeza o que ‘’sente’’ objetivamente uma pessoa) é filosoficamente consistente dize-lo.

Jhonny F.

julho 18 2013 Responder

César,

Citando?
”Mais uma vez esse “argumento” já rebatido no mínimo três vezes: não se trata de dogma, a rejeição motivada pela homofobia e ignorância da sociedade à condição diferente da heterossexual é que causa o sofrimento. Se fosse apenas questão de não gostar da condição sexual, desconsiderando todo o preconceito e homofobia, também haveria pessoas infelizes por serem heterossexuais e buscando tratamentos de “cura hétero”, por exemplo.”

R:Voce não rebateu nada,você só fica repetindo eternamente esse seu mandamento.
Na vasta gama de comportamentos humanos é possível sim que a pessoa se sinta infeliz e incompleta sendo heterossexual,porque não?
A diferença é que eu não pretendo e nem quero proibir de fazer isso,mais o contrario não é verdadeiro,não é ‘’camarada’’ Cezar?
‘’Claro que sou capaz de conceber que o sujeito esteja infeliz com sua homossexualidade (é exatamente isso que venho comentando desde o início, o que você não entende, ou finge não entender). Mas por que essa infelicidade? Por causa da REJEIÇÃO de que a pessoa é vítima pelo simples fato de SER homossexual.’’

R:Depende de pessoa pra pessoal pó!!não adianta vir com formulazinha pronta quando se trata de comportamento humano.Novamente esse dogma.Pode repetir 1000 vezes que talvez se torne verdade,como diria Gobbels.

Revolucionário, eu? Quem é mesmo que está tentando derrubar uma resolução do Conselho Federal de Psicologia, em conformidade com a Organização Mundial da Saúde, vigente há mais de vinte anos e legalizar tratamentos para algo que não é doença, pura e simplesmente para atender interesses de uma bancada política homofóbica?
Não passa pela sua cabecinha reacionária que a sexualidade humana não se resume a homo e heterossexualidade? Que existem bissexuais, transexuais e mesmo assexuais?
Não passa pela sua cabecinha reacionária que não é institucionalizando “tratamentos” sem nenhum respaldo científico para forçar o indivíduo a se tornar heterossexual que irá fazê-lo “se entender”?

R:Não atende a nenhum dos deputados ‘’homofobicos-nazi-imperialistas-666-from hell’’mais do que atende a LIBERDADE de quem quer sair da homossexualidade.simples!
Sobre a cientificidade do tratamento: É engraçado você falar de ciência quando parte de vários princípios pseudocientíficos, como: Nasceu gay?Vai morrer gay?,Quer sair da homossexualidade? É homofobia interna,Não existe ex-gay,o heteronarmativismo é apenas um construto social,etc..

‘’Sua resposta apenas reforça tudo que já comentei a respeito de que a homofobia é o que move a criação de projetos de leis como esse. Sim, é um exemplo de homofobia esse seu tipo de tentativa de depreciação de toda a comunidade LGBT, com o “dogma” reacionário de que homossexualidade NUNCA será conduta sexual “adequada” (fundamentados em dados mal interpretados ou, em geral, proveniente de “estudos” duvidosos promovidos por entidades conservadoras) como justificativa para legalizar a “cura da homossexualidade”.
R:Olha a desonestidade rapaz!
Eis o seu argumento,se uma pesquisa cientifica séria demonstra os malefícios da homossexualidade como conduta sexual,demonstrando dados sérios e consistência cientifica ela não é valida,pois é homofóbica é vai contra o ‘’movimento’’.
Depois você tem a coragem de me dizer que não considera a conduta homossexual como superior?

    César Marques

    julho 18 2013 Responder

    “Voce não rebateu nada,você só fica repetindo eternamente esse seu mandamento.”

    Se fico repetindo o argumento é porque você insiste com a ladainha de que se pode ignorar completamente a estigmatização dos homossexuais e que os mesmos podem ficar infelizes por serem homossexuais “porque sim”, “porque eu quero que seja assim e pronto”.

    “Não atende a nenhum dos deputados ‘’homofobicos-nazi-imperialistas-666-from hell’’mais do que atende a LIBERDADE de quem quer sair da homossexualidade.simples!”

    Até que enfim admitiu que tal aberração em forma de projeto de lei atende aos interesses dos evangélicos fundamentalistas. Estamos evoluindo. Por que será que tal projeto partiu justamente de uma bancada política que tenta impedir todo e qualquer direito conquistado pela comunidade LGBT?

    “Sobre a cientificidade do tratamento: É engraçado você falar de ciência quando parte de vários princípios pseudocientíficos, como: Nasceu gay?Vai morrer gay?,Quer sair da homossexualidade? É homofobia interna,Não existe ex-gay,o heteronarmativismo é apenas um construto social,etc..”

    Traduzindo: “Ex-gays são um fato científico incontestável, gays querem deixar de ser gays só por querer mesmo, tratamentos de cura gay tem eficácia 100% comprovada. Tudo isso é fato científico e pronto, eu quero que seja, então é.”

    “Eis o seu argumento,se uma pesquisa cientifica séria demonstra os malefícios da homossexualidade como conduta sexual,demonstrando dados sérios e consistência cientifica ela não é valida,pois é homofóbica é vai contra o ‘’movim”ento’’.
    Depois você tem a coragem de me dizer que não considera a conduta homossexual como superior?”

    Fontes que atestem a seriedade de tal “pesquisa”? Qual o único propósito de tais “pesquisas” se não a tentativa de afirmar a homofobia?
    Eu não digo que homossexualidade é conduta superior, mas você está tentando a todo custo justificar sua homofobia, e provar que a homossexualidade é inferior a heterossexualidade.

Jhonny F.

julho 17 2013 Responder

‘’É esse o tema da discussão sim, pois homofobia é o que move a criação de projetos de lei como esse. Ainda que a pessoa alegue que não quer ser homossexual mesmo não tendo sofrido algum tipo de agressão física por homofobia (reacionários só enxergam homofobia quando a vítima sofre agressão física ou é morta), o fato de a homossexualidade ser vista como anormalidade e aberração (o que também faz parte da pressão homofóbica) sempre será o motivo que leva alguém a não se aceitar como homossexual.
R:SEMPRE será o motivo.
Novamente você repete esse ‘’Dogma’’ LGBT.
Eu sou capaz de admitir que é possível a pessoa querer sair da homossexualidade por motivo de homofobia,mais você não é capaz de sequer conceber que a pessoa esteja ifeliz com a sua homossexualidade.
Não passa pela sua cabeça que o sujeito talvez se sinta infeliz com a sua homossexualidade?

Não passa por essa cabecinha revolucionária que o sujeito em questão não seja realmente gay?
Que talvez ele só esteja confuso e querendo se entender?
E se ele for a um psicólogo,o que este vai dizer?

-Olha meu filho,você precisa se aceitar,você nasceu assim!!!

Ora! Como precisa se aceitar de algo que nem se tem certeza!

‘’ Se a sociedade for conscientizada de que a homossexualidade é uma condição sexual tão natural quanto a heterossexualidade, não haverá sofrimento por ser homossexual.’’

R: Mais Cezar, isso é contrario a própria realidade dos fatos.
Pode-se até considerar a homossexualidade como natural e boa no aspecto afetivo e emocional,mais nunca como conduta sexual.
Sabemos hoje que os homossexuais são atingidos com maior frequência por infecções,cânceres,patologias cardíacas,etc…
Nenhum outro grupo tem uma incidência tão alta de mortes precoces por volta dos 35-40 anos.
Não dá pra chamar de igual o que é claramente diferente(isso também é homofobia?).

    César Marques

    julho 18 2013 Responder

    “SEMPRE será o motivo.
    Novamente você repete esse “Dogma” LGBT.”

    Mais uma vez esse “argumento” já rebatido no mínimo três vezes: não se trata de dogma, a rejeição motivada pela homofobia e ignorância da sociedade à condição diferente da heterossexual é que causa o sofrimento. Se fosse apenas questão de não gostar da condição sexual, desconsiderando todo o preconceito e homofobia, também haveria pessoas infelizes por serem heterossexuais e buscando tratamentos de “cura hétero”, por exemplo.

    “Eu sou capaz de admitir que é possível a pessoa querer sair da homossexualidade por motivo de homofobia,mais você não é capaz de sequer conceber que a pessoa esteja ifeliz com a sua homossexualidade.”

    Claro que sou capaz de conceber que o sujeito esteja infeliz com sua homossexualidade (é exatamente isso que venho comentando desde o início, o que você não entende, ou finge não entender). Mas por que essa infelicidade? Por causa da REJEIÇÃO de que a pessoa é vítima pelo simples fato de SER homossexual.

    “Não passa por essa cabecinha revolucionária que o sujeito em questão não seja realmente gay?
    Que talvez ele só esteja confuso e querendo se entender?”

    Revolucionário, eu? Quem é mesmo que está tentando derrubar uma resolução do Conselho Federal de Psicologia, em conformidade com a Organização Mundial da Saúde, vigente há mais de vinte anos e legalizar tratamentos para algo que não é doença, pura e simplesmente para atender interesses de uma bancada política homofóbica?
    Não passa pela sua cabecinha reacionária que a sexualidade humana não se resume a homo e heterossexualidade? Que existem bissexuais, transexuais e mesmo assexuais?
    Não passa pela sua cabecinha reacionária que não é institucionalizando “tratamentos” sem nenhum respaldo científico para forçar o indivíduo a se tornar heterossexual que irá fazê-lo “se entender”?

    “Pode-se até considerar a homossexualidade como natural e boa no aspecto afetivo e emocional,mais nunca como conduta sexual.
    Sabemos hoje que os homossexuais são atingidos com maior frequência por infecções,cânceres,patologias cardíacas,etc…
    Nenhum outro grupo tem uma incidência tão alta de mortes precoces por volta dos 35-40 anos.
    Não dá pra chamar de igual o que é claramente diferente(isso também é homofobia?).”

    Sua resposta apenas reforça tudo que já comentei a respeito de que a homofobia é o que move a criação de projetos de leis como esse. Sim, é um exemplo de homofobia esse seu tipo de tentativa de depreciação de toda a comunidade LGBT, com o “dogma” reacionário de que homossexualidade NUNCA será conduta sexual “adequada” (fundamentados em dados mal interpretados ou, em geral, proveniente de “estudos” duvidosos promovidos por entidades conservadoras) como justificativa para legalizar a “cura da homossexualidade”.

César Marques

julho 17 2013 Responder

“Estou falando aqui que é ideologiazinha fajuta supor que NECESSARIA E OBRIGATÓRIAMENTE todo o homossexual que queira deixar de ser homossexual fez essa escolha por motivo de homofobia,é obvio que isso é mentira,pois cada pessoa é um universo em particular ,cada pessoa sente e pensa de um jeito,é impossível partir dessa regra geral e querer impor ela a todos os homossexuais. Acaso você se julga um espécie de deus,capaz de conhecer os sentimentos e pensamentos mais profundos de cada individuo?
Quanto a homofobia,é obvio que existem pessoas até dispostas a matar homossexuais por ódio.Mais esse não é o tema da nossa discussão.”

É esse o tema da discussão sim, pois homofobia é o que move a criação de projetos de lei como esse. Ainda que a pessoa alegue que não quer ser homossexual mesmo não tendo sofrido algum tipo de agressão física por homofobia (reacionários só enxergam homofobia quando a vítima sofre agressão física ou é morta), o fato de a homossexualidade ser vista como anormalidade e aberração (o que também faz parte da pressão homofóbica) sempre será o motivo que leva alguém a não se aceitar como homossexual. Se a sociedade for conscientizada de que a homossexualidade é uma condição sexual tão natural quanto a heterossexualidade, não haverá sofrimento por ser homossexual.

“Acho que você não entendeu o que estou querendo dizer.
Quero demonstrar que o sujeito pode querer se livrar de qualquer conduta sexual que lhe incomode,e isso ninguém questiona.
Mais quando se trata da homossexualidade, o camarada não tem esse direito.porque?”

Você não percebe (ou finge não perceber), mas colocou a homossexualidade no mesmo nível de neuroses como a zoofilia.

E por que a homossexualidade pode se tornar uma conduta sexual que incomoda? Devido à pressão homofóbica da sociedade. Por que será que não há procura para tratamentos de reversão da heterossexualidade? Por que apenas os homossexuais enfrentam esse dilema de “se podem ou não ser curados”? Simples: porque ser homossexual é visto como desvio ou aberração, e é isso que deve ser mudado, o que não ocorrerá através da aprovação de projetos de leis vergonhosos de fundamentalistas religiosos cuja intenção é associar homossexualidade à distúrbio (por mais que esbravejem que não é essa a intenção do projeto) e, assim, legitimizar o preconceito.

“Acaso a homossexualidade é melhor do que qualquer outra conduta sexual?”

É claro que não. Mas o fato de se querer institucionalizar a todo custo um tratamento sem respaldo científico para que homossexuais “se tornem” héteros é uma forma de afirmar por força de lei que ser gay é de fato aberração e que a heterossexualidade é a melhor condição sexual.

    Edson

    julho 18 2013 Responder

    Bom dia Cesar. O Jhonny não comparou homossexualidade à zoofilia. O exemplo que ele deu foi o seguinte: Uma pessoa que sofre de neurose, pode ter como válvula de escape, masturbação compulsiva ou a chamada zoofilia entre outros. E pode querer se livrar dessas condutas procurando um psicólogo. Em alguns casos, o mesmo neurótico pode camuflar seu problema em relações homossexuais. E da mesma forma, pode se sentir incomodado por sua conduta. Nos primeiros casos, ele poderá procurar ajuda sem problema nenhum. O psicólogo o atenderá e tentará ajudá-lo a se livrar ou diminuir significativamente da conduta indesejada. Mas se por acaso ele estiver passando pelo segundo caso (relação homossexual), o psicólogo lhe negará atendimento pelo simples fato de que a constatação não será de sua neurose e sim de que ele é um homossexual sofrendo com os preconceitos e discriminações da sociedade e que ele DEVE se aceitar.
    São casos específicos como esse que deixa tudo mais complicado. Não comparei (nem o Jhonny) a homossexualidade com zoofilia. Mostrei um caso onde o indivíduo se utiliza da homossexualidade para “abafar” sua neurose.
    Concordo com o Jhonny e até citei isso na minha declaração anterior, sobre o fato do movimento LGBT querer impor a homossexualidade à todos os homossexuais. Poxa, nem você, nem eu, nem ninguém sabe o que se passa DE VERDADE no interior de cada um. Se a pessoa não sofre preconceito direta ou indiretamente, a família e os amigos o aceitam com todo amor e carinho e mesmo assim a pessoa quer deixar a homossexualidade, porquê ela não tem esse direito? Se uma pessoa é heterossexual e por qualquer motivo pessoal que seja, queira ser homossexual, porquê ele não tem esse direito?
    Em alguns militantes LGBT eu vejo muito dos pastores evangélicos. Querem impor à sua classe como devem se portar: “Se querem ser gays, sejam 100%. Não queiram voltar a ser héteros pois vamos perseguir você e dizer que a sociedade lhe impôs isso.” É como se o orgasmo homossexual fosse Deus e a sociedade o Diabo. Abra sua mente e perceba que você não sabe o que se passa dentro de cada um.

    Apenas à título de curiosidade e informação.
    O Dep João Campos retirou o projeto da Câmara e solicitou arquivamento. O que ocorreu dia 02/07/2013.

    Mais uma vez, obrigado pelo espaço.

Jhonny F.

julho 17 2013 Responder

P/Cézar

Citando:
”Então dizer que a homofobia é causa do sofrimento dos homossexuais é “ideologiazinha fajuta retirada dos manifestos da militancia LGBT”? O que falta agora, afirmar que a homofobia não existe e que homossexuais não sofrem nenhum tipo de discriminação simplesmente por serem o que são?”

R:Estou falando aqui que é ideologiazinha fajuta supor que NECESSARIA E OBRIGATÓRIAMENTE todo o homossexual que queira deixar de ser homossexual fez essa escolha por motivo de homofobia,é obvio que isso é mentira,pois cada pessoa é um universo em particular ,cada pessoa sente e pensa de um jeito,é impossível partir dessa regra geral e querer impor ela a todos os homossexuais. Acaso você se julga um espécie de deus,capaz de conhecer os sentimentos e pensamentos mais profundos de cada individuo?
Quanto a homofobia,é obvio que existem pessoas até dispostas a matar homossexuais por ódio.Mais esse não é o tema da nossa discussão.

‘’E associar homossexualidade à zoofilia para justificar que homossexualidade é “neurose” é um dos “arjumentos” mais primários de reacionários. Claro que zoofilia é um distúrbio, animais irracionais não tem capacidade de consentir sexo com humanos. Muito contrário de uma relação sexual consentida entre duas pessoas adultas, como é o caso da homossexualidade.’’

R:Acho que você não entendeu o que estou querendo dizer.

Quero demonstrar que o sujeito pode querer se livrar de qualquer conduta sexual que lhe incomode,e isso ninguém questiona.
Mais quando se trata da homossexualidade, o camarada não tem esse direito.porque?
Acaso a homossexualidade é melhor do que qualquer outra conduta sexual?

Jhonny F.

julho 16 2013 Responder

P/Cézar

Citando:”o que causa sofrimento é a homofobia e ignorância, e não a homossexualidade, somente a miopia reacionária não percebe isso.”

R:Quem é você para determinar qual é a causa do sofrimento?
Cada pessoa é unica e dever ser atendida de forma unica!
Voce parte de uma ideologiazinha fajuta retirada dos manifestos da militancia LGBT.

”Ninguém é proibido de conversar sobre frustrações sexuais com o psicológo. O que não se deve é institucionalizar uma forma de “tratamento” que não tem respaldo científico, cujo único propósito é, repetindo, atender aos interesses de homofóbicos fundamentalistas.”

R:Trata-se não a condição homossexual,e sim de outros aspectos da personalidade,e se caso a homonexualidade for fake,ela desaparecerá.simples assim!

Para exemplificar cito aqui Felipe Moura Brasil:

”Todo neurótico pode se masturbar 3 vezes ao dia; transar com 7 peguetes por semana; participar de ménage (à trois) e suruba (à dix-huit…); dar e levar chicotadas de lingerie sadomasô; pagar prostitutas; comprar bonecas infláveis e vibradores; e até comer eguinhas pocotós, gatinhas e cachorras (refiro-me aos animais), além de zebras, vacas e macacas (idem) que ninguém lhe negará uma consulta psicoterapêutica (ou psiquiátrica), caso se sinta incomodado com suas próprias condutas sexuais. Afinal, ele pode estar, através de qualquer uma delas, encobrindo a sua neurose e camuflando assim conflitos emocionais de outra ordem que, tão logo nomeados e resolvidos, o permitam, digamos, pegar mais leve — ou mesmo desistir de tamanhas desventuras.

Mas ai dele, ai do infeliz, coitado!, se a sua válvula de escape é “brincar de médico” com voluntários do mesmo sexo… Aí não pode! Aí ele será considerado de antemão um homossexual de nascença e vitalício, impedido de sentar no divã por 1 minuto sequer para ser analisado. Sua neurose será protegida por lei, e qualquer psicólogo que o ajude será punido, uma vez que fica proibida a distinção entre o homossexualismo de fato e a doença; entre o impulso autêntico e o forjado.”

    César Marques

    julho 16 2013 Responder

    Então dizer que a homofobia é causa do sofrimento dos homossexuais é “ideologiazinha fajuta retirada dos manifestos da militancia LGBT”? O que falta agora, afirmar que a homofobia não existe e que homossexuais não sofrem nenhum tipo de discriminação simplesmente por serem o que são?

    E associar homossexualidade à zoofilia para justificar que homossexualidade é “neurose” é um dos “arjumentos” mais primários de reacionários. Claro que zoofilia é um distúrbio, animais irracionais não tem capacidade de consentir sexo com humanos. Muito contrário de uma relação sexual consentida entre duas pessoas adultas, como é o caso da homossexualidade.

    Impossível debater com trolls, sempre apelando e buscando reduzir os argumentos do outro das maneiras mais infantilóides.

Jhonny F.

julho 14 2013 Responder

Ainda p/César

citando:”E não há fundamentalismo nenhum em impedir a aprovação de projetos de leis absurdos criados exclusivamente para atender aos interesses de evangélicos fundamentalistas, cujo interesse maior parece ser a hostilização da comunidade LGBT.”

”Não há forma de reverter a orientação sexual.”

Como não há fundamentalismo?
Você parte do ”dogma” que a homossexualidade é imutável e vitalicia para todos os individuo,mesmo que só ele saiba os seus sentimentos.
acaso, você(ou qualquer militante) sabe mais sobre o individuo do que ele próprio?

Outra coisa:

Eu defendo tanto o direito da pessoa ser homossexual,quanto defendo o direito das pessoa de abandona-lo.
Isso se chama liberdade.

    César Marques

    julho 16 2013 Responder

    Repetindo: o que causa sofrimento é a homofobia e ignorância, e não a homossexualidade, somente a miopia reacionária não percebe isso.
    Ninguém é proibido de conversar sobre frustrações sexuais com o psicológo. O que não se deve é institucionalizar uma forma de “tratamento” que não tem respaldo científico, cujo único propósito é, repetindo, atender aos interesses de homofóbicos fundamentalistas.
    Esse “direito da pessoa deixar de ser homossexual” nada mais é do que a defesa de que a pessoa deve ceder ao preconceito e procurar ser aquilo que os homofóbicos querem que ela seja.

      César Marques

      julho 16 2013 Responder

      E mais uma coisa: dizer que não há fundamentalismo em institucionalizar “tratamento” para algo que não é doença é no mínimo absurdo.
      Isso se chama legitimação do preconceito.

César Marques

julho 8 2013 Responder

A “cura gay” deve ser legalizada porque sexo anal é conduta de risco. Sério? Em que mundo os defensores desse absurdo vivem? Será que essa gente não compreende que existem várias métodos para praticar sexo com segurança? Já ouviu falar em preservativo?
E quem seriam os profissionais habilitados para realizar o “tratamento” de reversão da sexualidade? Certamente os “psicólogos cristãos” e sua ladainha preconceituosa, moralista e perigosa, os únicos interessados na aprovação desse projeto de lei vergonhoso.

    Jhonny F.

    julho 9 2013 Responder

    César,mesmo com o uso de preservativos o sexo anal apresenta riscos,pelo fato do anus ser muito sensível e fácil de ser ”rasgado”,liberando bactérias patológicas proveniente das fezes.
    Quem faria essa reversão?
    Qualquer psicologo não só cristão.
    Conheço até psicólogos existencialistas que trabalham na reorientação sexual.

      César Marques

      julho 14 2013 Responder

      Reacionários como sempre deturpando a realidade com sua visão míope. Por acaso, já ouviu falar em higiene corporal? Já parou para pensar que as pessoas precisam do mínimo de higiene antes de qualquer ato sexual?
      Além do mais, homossexualidade não se resume apenas a sexo anal, é uma manifestação efetiva com envolvimento emocional tanto quanto nas relações hétero. Esse “argumento” baseado nessa “pesquisa” em torno do sexo anal não passa de uma tentativa de desmoralizar a comunidade LGBT na busca por justificativa à aprovação desse projeto patético.
      A grande maioria dos profissionais da psicologia é contra a aprovação desse projeto. Os poucos que os defendem são, sim, fundamentalistas homofóbicos, como Silas Malafaia e Marisa Lobo, a “psicóloga cristã”. Ademais, ninguém é proibido de conversar sobre sexualidade com o psicológo. Várias igrejas realizam suas correntes de “cura gay”. Não se pode é institucionalizar uma forma de tratamento inexistente, praticamente charlatanismo.

    Jhonny F.

    julho 9 2013 Responder

    Esse projeto de lei não atende os interesses dos ”Fundamentalistas homofóbicos”,atende aos interesses do homossexual comum,que deseja deixar a homossexualidade.

    O problema desse projeto de lei é que vai contra outro tipo de fundamentalismo:O dos militantes LGBT que querem impedir de qualquer maneira que o homosensual comum(aquele que pode ser seu amigo de trabalho ou até o seu chefe), de procurar sair da homossexualidade,sendo que se um hétero deseja mudar sua orientação o mesmo é visto como natural e permissível.

      César Marques

      julho 14 2013 Responder

      Não atende aos interesses dos fundamentalistas homofóbicos? Faça-me rir. O texto é de autoria de um deputado evangélico que acredita que homossexualidade é um distúrbio psicológico e aprovado por outro fundamentalista que, ironicamente, é presidente da Comissão de Direitos Humanos.
      E no mundo em que você vive deve ser muito comum heterossexuais fazerem tratamento para reverter sua condição sexual e se tornarem homossexuais, afinal, ser heterossexual é motivo para discriminação e rejeição pela sociedade, não é mesmo?
      Não há forma de reverter a orientação sexual. E não há fundamentalismo nenhum em impedir a aprovação de projetos de leis absurdos criados exclusivamente para atender aos interesses de evangélicos fundamentalistas, cujo interesse maior parece ser a hostilização da comunidade LGBT.

        Jhonny F.

        julho 14 2013 Responder

        César,
        Esses deputados são tao fundamentalistas(não somos todos nós ligados a alguns fundamentos,afinal) e ”odeiam” tanto os homossexuais,que querem dar a liberdade para eles saírem da homossexualidade,coisa que se depender dos militantes LGBT NUNCA VAI ACONTECER!

        Nao se sente bem sendo homossexual?

        Ok,passe a vida sofrendo em nome da ”diversidade”.

        justo isso não ?

          César Marques

          julho 16 2013

          Esses abnegados deputados defendem tanto os homossexuais que tentam derrubar qualquer direito que essas pessoas conquistam e promovem cada vez mais o preconceito contra elas, através de projetos vergonhosos como esse, por exemplo. Realmente, esses deputados são árduos defensores dos cidadãos homossexuais. Faça-me rir de novo.

          Por que não criam um projeto de lei para conscientizar a população de que homossexualidade não é doença, não é aberração, que ser homossexual não é sinônimo de ser um monstro e que ninguém deveria ser discriminado por isso? Com a conscientização de que a homofobia é o problema e não a homossexualidade, ninguém sofreria por ser homossexual.

          Não se sente bem por ser homossexual e discriminado por isso? Ótimo. Faça o tratamento inexistente e sem nenhuma comprovação científica de eficiência de reversão da condição sexual, torne-se heterossexual (ou seja, engane a si mesmo, viva na ilusão de que consegue reprimir seus verdadeiros desejos ou viva em constante abstinência, para atender ao ego de uma sociedade hipócrita e de fundamentalistas homofóbicos, mesmo que isso apenas aumente seu sofrimento.
          Muito lindo e justo, não?

Jhonny F.

julho 7 2013 Responder

Eu queria demonstrar que por ser uma conduta possivelmente de risco para o sujeito,este deve ter o direito de deixa-la ou simplesmente a possibilidade garantida por lei de procurar um profissional habilitado que o auxilie a abandona-la.

Jhonny F.

julho 7 2013 Responder

Nao depreciei nenhuma minoria, so constatei um fato sobre a pratica do sexo anal.
Nao da para discutir com voce, ja que acha que constatar um fato cientifico eh igual a ter odio de homossexuais.

    Robson Fernando de Souza

    julho 7 2013 Responder

    Qual foi o seu propósito de trazer esse “fato” sobre sexo anal então?

jhonny F.

julho 6 2013 Responder

Quando eu venho e te mostro que nao difamei nada e nao inventei dado nenhum voce apaga o meu comentario?
bacana hein…

    Robson Fernando de Souza

    julho 6 2013 Responder

    E vou apagar enquanto você tentar vir com comentários depreciando qualquer minoria. Aliás, se reincidir com homofobia, é ban.

jhonny F.

julho 5 2013 Responder

Homofobico????
Falei apenas a verdade e sou homofobico???

César Marques

julho 5 2013 Responder

Por que não propor um projeto de lei para o tratamento da homofobia?
Será que os reacionários não entendem que a não-aceitação, o sofrimento pelo qual passam muitos homossexuais é consequência da ideia de que homossexualidade é uma aberração, um desvio? O fato de não haver o “gene da homossexualidade” por acaso é prova de que a mesma é opção, algo que pode ser revertido? Ora, quem escolheria ser homossexual numa sociedade em que ser homossexual é visto como desvio e motivo para discriminação?
A ideia de reversão da homossexualidade é tão absurda, como, por exemplo, um tratamento para a reversão da heterossexualidade.

jhonny F.

julho 5 2013 Responder

Comentário homofóbico apagado. Vá inventar dados e difamar a homoafetividade em outro lugar, não aqui. RFS

Edson

julho 3 2013 Responder

É interessante ver que a militância LGBT quer impor suas vontades aos demais. O projeto não visa cura à ninguém, não torna homossexualidade doença, não obriga ninguém a procurar psicólogo. Se você, Robson, sabe a origem e a causa da homossexualidade, por favor nos conte. O projeto prevê proteção ao psicólogo e em nada aflige os homossexuais. Não há como o movimento LGBT saber o que se passa na cabeça de cada uma das pessoas. Se o indivíduo está insatisfeito com sua orientação, ele pode ou não procurar ajuda psicológica para ajudá-lo a se aceitar ou tentar reverter sua orientação sexual. Por opção, não pressão da sociedade ou quem quer que seja. Direito de escolha. O CFP, CFM e OMS não reconhecem nenhum método de tratamento para reversão da sexualidade, OK. Porém, não têm informações concretas da origem ou causas da homossexualidade. E a resolução do CFP é autoritária e inconstitucional no que tange à liberdade de expressão, pois proíbe o psicólogo de divulgar estudos relacionados às possíveis causas e possíveis terapias que sejam descobertas ou não. Imagine um conselho de físicos que proíba os físicos de contestarem a teoria da relatividade. A questão é ideológica. Psicologia não é ciência exata para que digam que a homossexualidade é universal. Cada indivíduo encara de uma forma, não há como generalizar. Se a pessoa quer psicólogo para ajudar a se aceitar, ok. Se a pessoa quer psicólogo para tentar reverter sua orientação, ela tem esse direito e o CFP não deveria intervir nisso. Quanto ao que você mencionou que adolescentes poderiam ser obrigados à ir à psicólogos para tratamentos, o Art. 3 da resolução deixa bem claro que psicólogos não deverão adotar ação coercitiva orientando homossexuais à tratamentos não solicitados. Ou seja, continua da forma que está. O código de ética do psicólogo não permite que ele “trate” alguém que não queira. Logo, a sua justificativa da obrigatoriedade imposta por pais extremamente religiosos ou não, de que seu filho(a) faça tratamento, não é válida, já que psicólogo nenhum obrigará o menor de idade a continuar a terapia caso não queira. A comparação com “um negro que não queira ser negro” é triste e despropositada. Minha mãe, foi casada por anos, teve muitas relações hétero e atualmente é homossexual assumida e não quer saber de relações hétero. Tenho um primo que sofreu com o preconceito e não aguentou, se é que me entende. Toda essa tempestade criada em cima do projeto é desnecessária. É triste o nome vulgar, irresponsável e mentiroso que deram ao projeto. Dificilmente ele será aprovado e será uma vitória do movimento LGBT sobre uma causa que não era sua, mas do profissional de psicologia e da liberdade de escolha do cidadão. Obrigado pelo espaço.

    salete

    outubro 14 2013 Responder

    Prezado Edson, parabéns por suas palavras. São fortes, diretas, objetivas e muito verdadeiras. Na verdade, a essencia de tudo é que os movimentos pro-gays se ancoram no principio da liberdade de ação e no entanto,não agem no mesmo principio. Dois pesos e duas medidas. abraços

César Marques

junho 30 2013 Responder

Além do mais, não há lei que proíba ninguém de conversar sobre seus desejos e frustrações sexuais com o psicológo. O que não é admissível é institucionalizar terapias de “reversão da homossexualidade”, que não têm sequer respaldo científico, podem causar danos psicológicos ao paciente e, o que é pior, disseminar ainda mais preconceito contra aqueles que ainda estão em fase de descobertas com relação à própria sexualidade.

Muito boa essa imagem:
http://4.bp.blogspot.com/-_5CzUj_OXS4/UczHnQXkW9I/AAAAAAAA9Cc/mPNQO4MvT_o/s480/1+a+1+a+a+a+a+h+cura+nao+eh+cura+gay+imagina.png

César Marques

junho 30 2013 Responder

Defensores desse projeto de lei bizarro alegam que por não haver a palavra “cura” no texto o mesmo se torna legítimo. Mas não, isso não modifica o fato de que o mesmo pretende coagir as pessoas a “tratarem” a homossexualidade, principalmente os mais jovens que ainda vivem com os pais. Imagine, por exemplo, quantas famílias religiosas extremistas(e não são poucos casos), poderão impor a “terapia de reversão da sexualidade” ao(a) filho(a) homossexual. Dizer que homossexualidade pode ser revertida “por livre e espontânea vontade” tem praticamente o mesmo efeito que considerar que ser gay é doença, pelo menos para grande parte da população.

Juliane

junho 30 2013 Responder

Vc leu a tal lei, Robson?

Juliane

junho 30 2013 Responder

A “Cura gay” é uma expressão criada pela mídia. Não existe isso de cura gay, existe é orientação.
Se a pessoa não está feliz, está deprimida com a sua condição, vc não acha que ela deve procurar orientação para saber que caminho quer seguir? É esse o papel do psicólogo nesse projeto.

Adrian

junho 29 2013 Responder

É um fenômeno complexo mais que manifesta-se como um sentimento pelo sexo oposto.

Adrian

junho 29 2013 Responder

E pode ser mudada livremente? Se sim, como prova?

É auto-evidente.
Se homossexualidade é um sentimento e podemos mudar nossos sentimentos,logo é possível mudar a sexualidade.

    Robson Fernando de Souza

    junho 29 2013 Responder

    Tem certeza que homossexualidade é apenas um sentimento?

Jones

junho 29 2013 Responder

“Cura gay” é uma burrice extrema, uma vez que a homossexualidade é inerente à natureza individual do homossexual; consequentemente, todo projeto político que envolva a orientação sexual de um indivíduo, não passa de imbecilidade religiosa infiltrada no cenário político, não há outra explicação. Se uma pessoa não se aceita sendo homossexual, nada o impede de ir a um psicólogo se consultar devido ao suposto problema, que não é o homossexualismo, e sim, a incapacidade de se sentir bem consigo mesmo. Esses asnos que defendem a “cura gay” em nosso meio político, não entendem que política não tem nada haver com medicina e psicologia. Só falta agora criarem um projeto de lei para curar homens que possuem desejo sexual por loiras…não desacredite do retardamento mental de nossos representantes!

Adrian

junho 29 2013 Responder

”E se eu dissesse que a felicidade de um negro discriminado estaria em não ser mais negro?”

Nao há como um negro deixar de ser negro,são duas coisas diferentes pois:

A cor de pele é o característica física.

A homossexualidade é uma característica psicológica e emocional na qual não se tem consenso sobre a origem.

”Por que você se sentia triste?”

Me sentia triste pois não queria corresponder ao meu desejo pelo mesmo sexo,queria queria que aqueles sentimentos fossem embora.

    Robson Fernando de Souza

    junho 29 2013 Responder

    A homossexualidade é uma característica psicológica e emocional na qual não se tem consenso sobre a origem.

    E pode ser mudada livremente? Se sim, como prova?

    Me sentia triste pois não queria corresponder ao meu desejo pelo mesmo sexo,queria queria que aqueles sentimentos fossem embora.

    Não entendi.

Adrian

junho 29 2013 Responder

”– Ela não tá condenada a nada. O psicólogo poderá ajudar a pessoa a se livrar da homofobia internalizada, se aceitar como é e ser mais resistente ao preconceito externo.”

Se a felicidade dela for em não ser homossexual estará sim condenada a infelicidade!

todo o futuro dela já foi decidido de antemão pelos militantes que afirmam,sem base nenhuma conhecer os sentimentos mais profundos do individuo e saber o que é melhor para ele.

    Robson Fernando de Souza

    junho 29 2013 Responder

    “Se a felicidade dela for em não ser homossexual estará sim condenada a infelicidade!”

    E se eu dissesse que a felicidade de um negro discriminado estaria em não ser mais negro?

    Eu deixei a homossexualidade por escolha minha,sempre fui aceito por familiares e amigos,nunca sofri bulling,e mesmo assim estava cada vez mais triste.

    Por que você se sentia triste?

Adrian

junho 29 2013 Responder

O que aqui é ideológico?

É ideológico supor que a pessoa deva trabalhar para se aceitar em qualquer situação,mesmo que ela se sinta infeliz e não se suporte sua condição.

Eu deixei a homossexualidade por escolha minha,sempre fui aceito por familiares e amigos,nunca sofri bulling,e mesmo assim estava cada vez mais triste.

Adrian

junho 29 2013 Responder

Boa noite,

Possuo algumas objeções ao seu texto:

1)‘’É essa não aceitação de si mesmo que é o problema a ser tratado, e não sua homossexualidade.’’

Essa a sua opinião,se a pessoa pensar o contrario e querer mudar ,ela estará condenada a passar o resto da vida sendo infeliz porque um grupo de ideólogos decidiu isso por ela?

2)‘’Minimiza a questão de que o sofrimento da pessoa não tem como fonte a homossexualidade, mas sim a homofobia externa e/ou internalizada.’’

Cada caso é um caso,e deve ser tratado separadamente.
Partir de um pressuposto ideológico como verdade absoluta e querer impor isso aos demais é uma forma de coibir a liberdade do individuo.

3)“Por qualquer motivo” = por homofobia de origens externa e/ou interna. Essa homofobia e a rejeição de si mesm@ é que precisam ser tratadas, e não a homossexualidade.

Sim, por qualquer motivo!

que provas você tem que a pessoa sofre de homofobia institucionalizada,se cada caso é muito particular?

A colunista se mostra muito mais favorável a diversidade do que muitos militantes LGBT,pois defende o direito incondicional do homossexual,inclusive se este quiser deixar a homossexualidade.

4)”Procurar um “psicólogo cristão” “curador” de homossexuais não é questão de “liberdade de opção” nem de uma obrigação explícita, e sim de coerção, de o indivíduo, constante vítima de bullying homofóbico e rejeição social e familiar, achar-se sem saída para ficar em paz com sua orientação sexual fora tentar “virar hétero” com ajuda de um “psicólogo” que diz “curar homossexuais”.”

Como pode haver coersao se a pessoa de livre vontade foi buscar o auxilio profissional?

5)psicólogos que queiram “consertar” a orientação sexual de seus pacientes, mostrando falaciosamente por que defende isso e demonstrando notável desconhecimento sobre o funcionamento da Psicologia Clínica.

Quem está mostrando um desconhecimento notável em psicologia aqui é você: acaso nunca ouviu falar em Homossexualidade ego-distônica ?

6)“Querer não ser” homossexual não é algo passível de ser um direito, porque não existem indivíduos ex-homossexuais.

[Trecho grosseiro editado. Se quer discutir com respeito por aqui, evite grosseria. RFS] existe vasto material sobre ex-homossexuais,embora poucos em português.

ex-gays existem sim ,não são muito visíveis ,pois é só aparecer um na mídia para ser acusado de charlatão,mentiroso,etc…

Concluo dizendo que os que se opõem a ”cura gay” são tão fundamentalistas quanto os seus opositores.

    Robson Fernando de Souza

    junho 29 2013 Responder

    “Essa a sua opinião,se a pessoa pensar o contrario e querer mudar ,ela estará condenada a passar o resto da vida sendo infeliz porque um grupo de ideólogos decidiu isso por ela?”

    – Ela não tá condenada a nada. O psicólogo poderá ajudar a pessoa a se livrar da homofobia internalizada, se aceitar como é e ser mais resistente ao preconceito externo.

    Partir de um pressuposto ideológico como verdade absoluta e querer impor isso aos demais é uma forma de coibir a liberdade do individuo.

    O que aqui é ideológico?

    que provas você tem que a pessoa sofre de homofobia institucionalizada,se cada caso é muito particular?

    A colunista se mostra muito mais favorável a diversidade do que muitos militantes LGBT,pois defende o direito incondicional do homossexual,inclusive se este quiser deixar a homossexualidade.

    Primeiro, é homofobia internalizada. Segundo, como eu falei, não existe mudança de orientação sexual.
    http://prcequinel.blogspot.com.br/2013/06/nao-existe-cura-gay-o-que-existe-e-cura.html

    Como pode haver coersao se a pessoa de livre vontade foi buscar o auxilio profissional?

    Livre vontade ou coerção sofrida por todos os lados, incluindo muitas vezes bullying violento?

    Quem está mostrando um desconhecimento notável em psicologia aqui é você: acaso nunca ouviu falar em Homossexualidade ego-distônica ?

    Sobre egodistonia, leia o link que mostrei acima.

    Porra cara,vai ler! existe vasto material sobre ex-homossexuais,embora poucos em português.

    ex-gays existem sim ,não são muito visíveis ,pois é só aparecer um na mídia para ser acusado de charlatão,mentiroso,etc…

    Primeiro, baixaria aqui não é permitida, seu comentário foi editado por isso. Segundo, se você quer que eu leia, me aponte suas fontes.

Rafael

junho 29 2013 Responder

“não é passível de direito um negro vítima de racismo querer ser um ex-negro”

Uau! Perfeita a colocação Robson!

Sua opinião é bem vinda, desde que respeitosa. Fique à vontade para comentar abaixo