07

jul13

Francisco Antero e Luh Souza: O “teste do pescoço”

criancas-negrasAbaixo, um artigo muito interessante e conscientizador, composto por Francisco Antero e Luh Souza e divulgado no Facebook. Leia e tire suas conclusões sobre a inclusão/exclusão dos negros na sociedade brasileira.

 

Teste do pescoço
por Francisco Antero e Luh Souza

Querem saber se existe racismo no Brasil? Façam o Teste do Pescoço!

1. Andando pelas ruas, meta o pescoço dentro das joalherias e conte quantos negros/as são balconistas;

2. Vá em quaisquer escolas particulares, sobretudo as de ponta como; Objetivo, Dante Alighieri, entre outras, espiche o pescoço pra dentro das salas e conte quantos alunos negros/as há . Aproveite, conte quantos professores são negros/as e quantos estão varrendo o chão;

3. Vá em hospitais tipo Sírio Libanês, enfie o pescoço nos quartos e conte quantos pacientes são negros, meta o pescoço a contar quantos negros médicos há, e aproveite para meter o pescoço nos corredores e conte quantos negros/as limpam o chão;

4. Quando der uma volta num Shooping, ou no centro comercial de seu bairro, gire o pescoço para as vitrines e conte quantos manequins de loja representam a etnia negra consumidora. Enfie o pescoço nas revistas de moda , nos comerciais de televisão, e conte quantos modelos negros fazem publicidade de perfumes, carros, viagens, vestuários e etc.;

5. Vá às universidades públicas, enfie o pescoço adentro e conte quantos negros há por lá: professores, alunos e serviçais;

6. Espiche o pescoço numa reunião dos partidos PSDB e DEM, como exemplo, conte quantos políticos são negros desde a fundação dos mesmos, e depois reflitam a respeito de serem contra todas as reivindicações da etnia negra;

7. Gire o pescoço 180° nas passeatas dos médicos, em protesto contra os médicos cubanos que possivelmente irão chegar, e conte quantos médicos/as negros/as marchavam;

8. Meta o pescoço nas cadeias, nos orfanatos, nas casas de correção para menores, conte quantos são brancos, é mais fácil;

9. Gire o pescoço a procurar quantas empregadas domésticas, serviçais, faxineiros, favelados e mendigos são de etnia branca. Depois pergunte-se qual a causa dos descendentes de europeus, ou orientais, não são vistos embaixo das pontes ou em favelas ou na mendicância ou varrendo o chão;

10. Espiche bem o pescoço na hora do Globo Rural e conte quantos fazendeiros são negros, depois tire a conclusão de quantos são sem-terra, quantos são sem-teto. No Pequenas Empresas & Grandes Negócios, quantos empresários são negros?

11. Nas programações das TVs abertas, acessível à maioria da população, gire o pescoço nas programações e conte quantos apresentadores, jornalistas ou âncoras de jornal, artistas em estado de estrelato, são negros. Onde as crianças negras se veem representadas?

Aplique o Teste do Pescoço em todos os lugares e depois tire sua própria conclusão. Questione-se se de fato somos um país pluricultural, uma Democracia Racial e se somos tratados iguais perante a lei?!

* Você descobriu mais alguma coisa? Envie-nos para acrescentarmos a esta lista.

* * Este teste me foi ensinado pelo amigo Francisco Antero, e tenho adaptado no meu dia a dia. Foi assim que eu comecei a perceber todas as desigualdades existentes no meu país e mudei a minha opinião a respeito das Cotas Raciais para Negros e Índios.

imagrs

1 comentário(s). Venha deixar o seu também.

Natália Regina Salvator

agosto 10 2013 Responder

Muito bom! Só de pensar e lembrar das situações do dia a dia já dá pra perceber o quão racista é a nossa sociedade! Mais uma coisa que eu reparei esses dias: quanto dos galãs e musas do cinema são negros/negras? Claro existem vários atores e atrizes de sucesso negros/negras, mas veja bem, pouquíssimos deles são exaltados pela sua beleza, a grande maioria das “beldades” reflete o padrão europeu de beleza…

Sua opinião é bem vinda, desde que respeitosa. Fique à vontade para comentar abaixo