04

ago13

Desmentindo imagens antirreligiosas preconceituosas: o “iceberg” da religião
Clique na imagem para vê-la em tamanho completo

Clique na imagem para vê-la em tamanho completo

Depois de alguns meses sem encontrar imagens preconceituosas de intolerância antirreligiosa, volto a encontrar uma figura do tipo, na famigerada fanpage da ATEA. É uma versão traduzida dessa outra imagem:

Clique na imagem para vê-la em tamanho completo

Clique na imagem para vê-la em tamanho completo

Ambas repetem a velha falácia de generalização apressada mista com inversão do acidente, de que fundamentalismo religioso e a religião em si são rigorosamente a mesma coisa e todos os indivíduos religiosos seriam potenciais terroristas homicidas. É de se pensar: será que, para quem criou a imagem acima e para quem a traduziu, a wicca defende a escravidão e o assassinato? O espiritismo é envolvido com abuso de crianças e misoginia? O candomblé e a umbanda são religiões racistas? A fé Hare Krishna prega a submissão e o medo? A Igreja Cristã Contemporânea é homofóbica e lava dinheiro? A Teologia da Libertação milita pelo medo, ódio e ganância? A religião Asatrú é a favor de genocídios?

Fica parecendo que tais pontos não são fundamentalistas que defendem, mas sim todo aquele ser humano que tem uma religião. Que religiões em geral corrompem e malignizam pessoas. Em contraste, por eliminação, ainda que não fique claro na imagem, o (neo)ateísmo aparece como o “grande salvador”, a libertar os seres humanos do evil chamado religião. É a dicotomia antirreligiosa que coloca religião como “o mal” e a ausência dela como “o bem”, muito embora existam pessoas irreligiosas e antirreligiosas machistas, homofóbicas, etnocêntricas, nacionalistas, transfóbicas, elitistas e tudo o mais.

E também é mais que visível o extremo reducionismo dos pontos positivos da religião, reduzidos ao único atributo do amor (e na tradução, também ao altruísmo). Meditação, contemplação, comunhão, sentimento de integração com o todo universal, compaixão, solidariedade, alívio ou libertação do sofrimento, sabedoria, nada disso é levado em consideração pelos indivíduos que fizeram tais imagens.

É mais uma imagem que reflete uma ignorância filosófica histórica e socioantropológica patente dos indivíduos antirreligiosos que criam figuras como essa panfletando de forma difamatória e caluniosa contra as religiões e a religiosidade em geral.

imagrs

4 comentário(s). Venha deixar o seu também.

Ace

fevereiro 15 2015 Responder

Se aplicar isso a ambos os fanatismos (religioso e antiteísta) a imagem estaria correta ao meu ver.

    Robson Fernando de Souza

    fevereiro 16 2015 Responder

    A imagem é correta quando se refere ao fanatismo. Mas não à religião em si.

denise

novembro 6 2014 Responder

ACREDITO QUE DEUS EXISTE SIM , PORÉM NÃO ACEITO MAS RESPEITO CADA UM OBRIGADO.

Sua opinião é bem vinda, desde que respeitosa. Fique à vontade para comentar abaixo