28

ago13

Os médicos reaças e a saúde brasileira na UTI
Médicas reaças vaiam médico cubano que tinha acabado de desembarcar

Médicas reaças vaiam médico cubano que tinha acabado de desembarcar

A hostilidade de parte da classe médica brasileira contra o programa Mais Médicos chegou ao absurdo. Aquilo que aparentava (apenas aparentava, e de longe) ser uma queixa plausível sobre a desvalorização dos médicos virou baixaria, ódio, preconceito e reacionarismo. Os doutores cubanos foram ridiculamente hostilizados em sua chegada emergencial ao Brasil, não mais por médicos preocupados com a qualidade do SUS, mas sim por uma turba fascista corporativista em cujas mãos a saúde dos brasileiros corre risco.

Seria válido se houvesse realmente uma discussão mais profunda sobre como dar à classe médica do SUS valorização e condições de trabalho. Mas o problema mostrou-se distante disso. Tornou-se caso de racismo, elitismo, ódio, conservadorismo raivoso.

Nos perguntamos em que a saúde pública brasileira vai melhorar chamando os tantos doutores negros e mestiços vindos de Cuba de “escravos” ou entoando a frase “Somos ricos, somos cultos” num protesto tão infame quanto as manifestações pró-golpe militar. E sabemos a resposta: nada.

Pelo contrário, a situação da saúde brasileira se torna ainda mais crítica, caso de UTI, quando percebemos que nossa integridade físico-psicológica está em parte nas mãos de fascistas xenofóbicos e racistas. De gente que não está nem aí para nossas doenças. De elementos que estão ali só por status e dinheiro.

Contra os “ricos e cultos” revoltadinhos, precisamos nos revoltar. Devemos não só apoiar o trabalho dos cubanos, que vêm tapar os buracos de pessoal do SUS de tantos municípios carentes, mas também exigir que os reaças que envergonham a classe médica brasileira sejam punidos por falta de decoro ético e crime de racismo e xenofobia.

imagrs

15 comentário(s). Venha deixar o seu também.

Rogerio Bilibio

novembro 15 2013 Responder

Boa esta discussão. Tenho minhas restrições ao Mais Médicos, assim como o Bolsa Família. Mas ninguém pode ser tão inocente e achar que a elite se importa com os pobres. Se alguém reclama do Mais Médicos, deve considerar alguns pontos:
– Que garantia temos da qualidade dos médicos brasileiros? Eu trabalho em uma universidade privada onde os estudantes de medicina são seguidamente presos por embriaguez e conheço muitos deles que nunca permitiria que consultassem alguem da minha família, por não ter certeza de que estudaram para se formar.
– Porque o CFM nunca foi as ruas exigir infraestrutura da saúde pública, somente agora diante da chegada dos cubanos?
– se fossem médicos franceses, faria diferença?
– Cuba incomoda por falta de qualidade ou por proximidade ideológica?
– Se o governo de esquerda é ruim, porque a direita não eliminou a miséria durante todo o tempo que esteve no poder?
e teria mais…

Bruna Barros

setembro 6 2013 Responder

Muito bem Robson, concordo plenamente com suas palavras, vejo que seus argumentos são bastantes favoráveis. E sim, acho que os médicos brasileiros estão mostrando sinal de fraqueza em escolher o seu local de trabalho. Pois a realidade é que não escolhemos se ficamos doentes, nem a hora e muito menos o local para tal. E não vamos ficar esperando a boa vontade de um desses ‘médicos’. Não estou generalizando, mais boa parte destes não ‘trabalham’ por que querem e sim por uma mera obrigação ou capricho. E todos reclamam do governo, mais não olham o real objetivo dessas leis, que estão vendo sim que a saúde está precária e eles de uma forma ou de outra não querem ficar parados. Esperando a boa vontade de qualquer que seja o indivíduo para fazer o correto na hora certa. Está na hora de corrermos atrás dos nossos deputados e senadores para mudarmos o futuro do nossa país. Que esses sim estão precisando de uma bom banho de água fria para acordar, para ver no que a saúde está se tornando uma vergonha para todos… E MÉDICOS que acham que sabem tudo e não fazem nada é a mesma coisa que comer e cuspir no próprio prato..

Alex

setembro 2 2013 Responder

Ei Robson, eu tenho uma dúvida pessoal sobre você, posso perguntar publicamente?
É o seguinte, você é um homem, não é negro, não é homossexual, vive numa cidade grande, aparenta ser de classe média e, obviamente, não é um animal criado para ser abatido. Então, porque você defende todo mundo que não é seu semelhante? Por que ser contra: machismo, racismo, homofobia, “elite” e onivorismo? Fica parecendo que você defende todos que não são iguais você.

    Robson Fernando de Souza

    setembro 2 2013 Responder

    Duas palavras são o bastante pra responder: empatia e solidariedade.

      Alex

      setembro 10 2013 Responder

      Mas, por que não ter empatia por alguém que é homem, branco, heterossexual, classe média como você? Por que só defender os outros?

        Robson Fernando de Souza

        setembro 10 2013 Responder

        Quando você entender sobre opressão de minorias, vai saber por quê.

      Ana

      outubro 7 2013 Responder

      Conheci seu blog agora e estou admirada pelo seu trabalho!
      Realmente empatia e solidariedade é o que falta nos brasileiros.É inacreditável que há pessoas que não acreditam que ainda exista preconceito,racismo.E que não lute contra a opressão das minorias.É tipo “se não é comigo,então tá tudo bem”.

        Robson Fernando de Souza

        outubro 7 2013 Responder

        Obrigado, Ana! =)

Jhonny F.

agosto 31 2013 Responder

Aline,O pessoal acha que qualquer coisa é melhor do que nada,mais será que isso é verdade?
como cidadão brasileiro eu não aceito qualquer coisa não!

quero que o governo tome a melhor decisão possível para solucionar esse problema,e não simplesmente fazer o anda fazendo:Criando problema para vender a solução (é a mesma lógica do borracheiro que coloca pregos no chão para ganhar clientes),e a solução é em beneficio próprio,não do povo.

Aline h

agosto 31 2013 Responder

Gostei e concordo com sua pergunta 2 jhonny, todos temos que refletir e argumentar sobre esse assunto,pois tudo tem seu ponto negativo e positivo. Tem pessoas que sao contra e aquelas que afirmam que preferem ser atendida por medico cubano do que ficar meses esperando um medico daqui…

Jhonny F.

agosto 30 2013 Responder

Certamente Robson,a discussão está rasa de ambos os lados.
Por exemplo,tenho total repudio a algumas atitudes de alguns médicos como esses que fizeram a tal ”boas-vindas” no aeroporto,e a tal menina que falou em matar cubanos no twitter.

Nao podemos culpar o povo cubano,ou ainda,esse ou aquele médico,pelas ações do seu respectivo governo.

Quanto aos profissionais que vieram:tenho muita pena deles,por não serem livres e por estarem eternamente atrelados a um governo ditatorial.

Acho que o foco deve ser outro:Repudiar o governo por estar de acordo com um regime assassino e ditatorial,e por estar usando mão-de-obra semi-escrava em nosso território.

Jhonny F.

agosto 29 2013 Responder

Agora vou apresentar alguns argumentos porque sou contra a vinda desses médicos.

1)Em 2011 a folha de São Paulo noticiou que de 628 inscritos (em boa parte,cubanos) para prova de revalidação somente 2 passaram!

Vocês acham que se a medicina fosse de ”ponta” o médico recém formado teria tanta dificuldade em ser aprovado??

2)Qualquer um que pesquise a sério sobre o que acontece em Cuba(além da propaganda de esquerda) sabe que a realidade da saúde publica é sofrível:pacientes jogados em leitos imundos,chão cheio de fezes,etc..

3)Na Venezuela e na Bolívia, onde esse profissionais também ”desembarcaram” várias reclamações por parte dos Conselhos Médicos,entre eles:

a)Não haver apresentação de diplomas comprovando a graduação médica.

b)Falta de habilidades técnicas como arrancar um rim de um paciente que só possuía um desses órgãos.

4)Qualquer acordo com um país cujo regime é ditatorial,onde a população vive na miséria total,onde não há liberdade de imprensa e de livre pensamento, e onde os homossexuais eram presos e mortos é ser cúmplice desses crimes,é ter as mãos cheias de sangue.

Fontes:

http://www1.folha.uol.com.br/saber/986716-exame-de-revalidacao-de-diploma-tem-baixa-aprovacao-na-1-fase.shtml

http://biodireitomedicina.wordpress.com/2013/05/30/paraguai-rejeita-medicos-cubanos-formacao-mediocre-impede-exercicio-de-profissao-no-pais/

    Robson Fernando de Souza

    agosto 30 2013 Responder

    Se esses problemas são genuínos, não houve a condição de civilidade necessária pra se discutir isso com sobriedade. Pelo contrário, vi muito do lado dos médicos nacionais corporativismo e reacionarismo em sua forma pura, o que inviabilizaria qualquer discussão saudável sobre a questão.

Jhonny F.

agosto 29 2013 Responder

Caro Robson,

A objeção aos médicos não é por causa de raça.

A discusao sobre esse assunto é fraca no geral,pois as pessoas se esquecem de fazer perguntas de vital importância para o intendimento do problema.

É muito fácil dizer:sou a favor,e que é contra é racista e fascista e assim encerrar a questão.

O foco principal deve ser guiado por algumas perguntas:

1.é legitimo o que o governo está fazendo?a forma como se conduz as coisas estão sendo de forma democrática e seguindo a lei?

2.Em qualquer pais a ideia de receber médicos sem revalidação de diploma seria logo rechaçada pelas autoridades como inadimissivel.será o brasil o pais do ”tudo pode”?

3.Como é a formação desses médicos,são ensinadas as mesmas disciplinas e com o mesmo rigor do que em nosso pais?

4.como é o médico cubano,tem ele competência técnica para exercer a medicina?

Bárbara de Almeida

agosto 29 2013 Responder

Sinto muita vergonha alheia por conta disso tudo, Rob. Bem se vê que temos um sério problema de EDUCAÇÃO também neste país.

Sua opinião é bem vinda, desde que respeitosa. Fique à vontade para comentar abaixo