19

ago13

Postagem no Facebook mistura mentiras com chantagem para advogar contra o direito ao aborto

post-aborto-chamada

Editado em 07/11/15 às 21h23

Na falta de argumentos válidos e no desespero de ter que defender uma causa, ainda que injusta, a todo custo, só resta para algumas pessoas partir para a distorção de fatos, que vem como um trenzinho acompanhada com falácias e mentiras. É o caso desse post no Facebook, que até o momento já conta mais de 2.600 compartilhamentos. Caso o post em questão seja apagado ou você não queira entrar no link, veja a postagem inteira abaixo (clique na imagem para vê- la em tamanho maior, se quiser):

post-mentiroso-aborto

O post em questão usa um misto de:

– Falácias do espantalho: segundo o post, pessoas defensoras do direito ao aborto:
a) pessoas defensoras do aborto são a favor do despedaçamento e remoção de fetos de oito meses do útero através da vagina da mulher;
b) decidem abortar por qualquer motivo, mesmo banal, e a qualquer instante da gestação, mesmo fetos prontos para nascer. Por exemplo, uma mulher, na imaginação de quem fez o post, abortaria um bebê de quase nove meses de gestação por causa de uma briga de casal;
c) são a favor de matar seres plenamente sencientes (fetos em estágio avançado de formação) por qualquer motivo.

– Fantasia, distorção de fatos:
a) Antropomorfiza um embrião (até a 12ª semana de gravidez, ainda é um embrião, ou um protofeto, nunca um feto em estado avançado de formação) que sequer desenvolveu o sistema nervoso e a senciência, dando-lhes sentimentos e capacidade sensório-perceptiva de uma criança já nascida de um ano de idade, como se pudesse sofrer com o aborto e “entendesse” plenamente que “sua mãe o matou”;
b) Desenha a mulher cis – ou o homem trans com vagina – como uma pessoa desalmada que não se importa em causar sofrimento a outro ser senciente;
c) Apela para uma crença religiosa desprovida de qualquer prova como se fosse verdade absoluta, segundo a qual uma alma já conteria a inteligência de um ser senciente plenamente desenvolvido e daria a um feto uma notável complexidade sensório-cognitiva a ponto de saber que está sendo morto e culpar a mãe por sua morte;
d) Imagina um falso aborto no qual o feto, em avançado estágio de formação, seria mutilado e despedaçado pouco a pouco, tendo seus restos mortais removidos do útero da mãe através da vagina. Na verdade, tal método, se sequer é praticado em algum lugar, é em meios clandestinos – que, a saber, só existem graças aos opositores do direito ao aborto – e tem um risco muito alto de acarretar a morte da gestante.

– Apelo à misericórdia/chantagem emocional: usa uma linguagem voltada para puxar pelo emocional, pela empatia, pela misericórdia, a pessoa que lê tal texto, de modo que fique comovida tanto com a história do “bebê,” que foi abortado e foi para o céu em intenso sofrimento físico e psicológico, como com a imagem do feto sendo despedaçado e removido do útero através da vagina da mãe. Escancara a falta de argumento racional do texto.

Isso na minha terra se chama desonestidade intelectual. É usar mentiras, falácias e manipulações (inclusive sentimentais) para puxar mais pessoas para negarem, junto aos religiosos fundamentalistas, às mulheres cis e aos homens trans o direito ao aborto. E espertamente o post foi fechado a comentários, visto que provavelmente seu ator esperava por uma enxurrada de protestos contra tamanha desonestidade.

E graças a esforços como esse vão se multiplicando as mortes tanto de embriões e fetos como de mulheres – que, no desespero da inviabilidade de serem mães naquele momento, recorrem a clínicas clandestinas que mais parecem açougues e podem matá-las.

Como resposta, recomendo que você compartilhe este post que fiz em resposta.

imagrs

3 comentário(s). Venha deixar o seu também.

Jhonny F.

agosto 24 2013 Responder

respondendo:

1. no US você consegue ver movimentos parecidos com os de um bebe humano,consegue ver o coração batendo com ritmo e frequência semelhantes aos de um bebe pequeno.

2. Nao são poucos casos.o numero de bebes ”abortados depois de nascer” por esse ”médico” chega quase a uma centena.

Porque não poderia ser feito em condições legalizadas se
até os seus colegas médicos defendem esse tipo de ideia?

O artigo foi publicado em um periodico médico(Journal of Medical Ethics).

2.1

Para você ver como não é caso isolado,vou postar mais dois links:

O primeiro trata-se de um artigo escrito no mesmo jornal de ética médica por dois expertos no assunto do aborto:

http://jme.bmj.com/content/early/2012/03/01/medethics-2011-100411.short

Em seguida dois artigos de Julian Savulescu,editor do periódico,defendendo os autores do texto anterior:

http://blogs.bmj.com/medical-ethics/2012/02/28/liberals-are-disgusting-in-defence-of-the-publication-of-after-birth-abortion/

http://jme.bmj.com/content/suppl/2012/03/01/medethics-2011-100411.DC2/Savulescu_JME_defence_editorial.pdf

Jhonny F.

agosto 23 2013 Responder

Boa noite,Robson

1.sobre o item a) Antropomorfiza um embrião

Se você olhar um utrasom de até 12 semanas você vai enxergar perfeitamente o formato de um bebe,portanto uma forma humana.
desenvolvimento do sistema nervoso e senciência não podem ser usados para definir se se a pessoa é ou não humana.

2.sobre o item d)da seção – Fantasia, distorção de fatos:

Já ouviu falar do aborto pós-natal?
alguns links em inglês sobre o tema:

http://www.foxnews.com/us/2013/05/13/jury-split-on-2-counts-in-trial-abortion-doctor-kermit-gosnell/

http://www.dailymail.co.uk/news/article-2325714/Dr-Kermit-Gosnell-case-We-plunged-sink-babys-arm-came-reveals-cop.html

http://www.policymic.com/articles/34339/dr-kermit-gosnell-s-abortion-trial-why-isn-t-the-media-covering-it

É só isso por hoje meu caro,no mais te desejo um belo fim de semana.

    Robson Fernando de Souza

    agosto 23 2013 Responder

    1. Diversas espécies de mamíferos têm a mesma aparência enquanto embriões. Um embrião que parece um humano pode ser um elefante.
    2. Esses alguns casos querem dizer que aborto pós-natal é comum em condições legalizadas?

Sua opinião é bem vinda, desde que respeitosa. Fique à vontade para comentar abaixo