08

mar14

Danielle Bandeira: Aos homens que dão flores e parabéns no 8 de março

facepalm

O ótimo e forte texto abaixo foi publicado pela minha namorada Danielle Bandeira hoje no Facebook. Vale a pena ler, serve como um bom chá de semancol para homens que acham que hoje é dia de “homenagens” floridas e melosas às mulheres ao invés de uma data para se relembrar e reafirmar a importância da luta feminista.

 

Aos homens que dão flores e parabéns no 8 de março
por Danielle Bandeira

Pensei muito antes de escrever isso, pois ultimamente tenho querido evitar ao máximo uma comunicação agressiva. Mas quer saber… tem vezes em que é preciso ser direta e assertiva, principalmente se trato de algo que envolve meus direitos e integridade física e psicológica. Então, tenho certeza que vocês aguentam isso. ;-)
_

Hoje é dia de ler/ouvir chorume e receber florzinha, vegetal colorido que não vai me proteger quando eu for assediada na rua ou quando vier um babaca me chamar de vaca e me dizer que “male tears é meu sêmen na sua boca” (baseado em fatos reais).

Então, homens, em vez de dar flores, usem hoje e todos os dias do ano para educarem seus amigos (e se educarem também) de que mulher não é depósito de porra, que se aproveitar da menina bêbada na balada é estupro, que silenciar mulher nas discussões, e achar que tudo você sabe mais do que nós, é machista pra caralho.

Também que chamar mulher com roupa curta de puta e vadia não é apenas machista, mas ridiculamente moralista; que fingir ser amigo pela frente, mas quando reunido com outros homens falar coisas como “eu arrombaria a fulana, meteria o pau fundo na garganta” faz de você um merda.

Pensem nisso antes de dar “parabéns”, desejar “feliz dia da mulher”, dizer que somos guerreiras por sermos delicadas, lindas e todo o arsenal de imposições de beleza e comportamento. Não somos item decorativo. Não existimos pra embelezar a sua vida. Também não nos genitalize, pois nem toda mulher tem vagina. E parem de chamar travestis de traveco e de praticar transfobia.

Não quero florzinha nem parabéns. Não quero falso respeito uma vez ao ano. Quero viver livre como mulher. E pode ter certeza que esse também é o desejo das mulheres da convivência de vocês, mesmo daquelas que não têm consciência do quanto o machismo as oprime, pois apesar disso elas com certeza sentem o peso do machismo diariamente. Experimente perguntando à sua avó, mãe, irmã, amiga sobre quais situações cotidianas elas têm medo. Ou sobre qual parte de ser mulher é difícil pra elas. E você entenderá. E não dará mais parabéns nem florzinha no próximo 8 de março.

Ah, e vê se divide as tarefas de casa com sua companheira/mãe, pois tarefa doméstica não é obrigação da mulher; e não é um favor lavar os pratos.

Se tem filhxs, assuma as mesmas responsabilidades que a sua companheira tem como mãe. Sua companheira/mãe não merece seus parabéns por ter jornada tripla, ela merece a sua vergonha na cara de tirá-la dessa situação e dividir as obrigações.

Tenha um bom e reflexivo 8 de março.

imagrs

5 comentário(s). Venha deixar o seu também.

Filipe

março 10 2014 Responder

Olá! Td bem por aí?

Puxa, uma visão realmente diferente. Vou mostrar para minha namorada, que ficou triste por não ganhar flores… Mas dei outro presente, que deixou ela bem feliz.
Uma perguntinha: Como é a sua visão sobre a divisão de tarefas no lar onde o homem trabalha mais que a mulher?
Já trabalhei em uma fábrica onde eu fazia um turno que chegava a 12 horas, às vezes 7 dias por semana. Se eu fosse casado, não seria natural que a minha esposa acumulasse tarefas da casa e dos filhos se ela trabalhasse menos que eu fora?
Obrigado!

    Robson Fernando de Souza

    março 10 2014 Responder

    E se sua esposa não quiser essa divisão de tarefas, querendo ela trabalhar também e ter total autonomia sobre suas próprias ações?

      Filipe

      março 10 2014 Responder

      Robson, meu caro. Num bom casamento, ninguém tem total autonomia. Tudo é negociado! Estou desde já me preparando para isso!
      Além disso, você acha que os homens que tem esses turnos em fábricas fazem isso porque gostam? Muitos se submetem para dar vida melhor para esposa e filhos.
      Acho legítimo que que, se homem trabalha mais fora, a mulher trabalhe mais em casa. Se os turnos são iguais, eles devem dividir as tarefas, sem problemas. Não precisam ser as mesmas tarefas; a mulher pode cozinhar e o homem lava a louça, por exemplo. Ou vice-versa. Devem fazer o que for melhor para o casal.

    Soraia Castillo

    março 16 2014 Responder

    Pra mim, a resposta é absurdamente simples: quem mora na casa? Você e sua esposa? Então a tarefa de cuidar e limpar da casa É DOS DOIS.

    “ain, mas eu trabalho, e os caralhos”. Filhote, se você mora num recinto, é sua OBRIGAÇÃO CUIDAR DELE. E se mora outra pessoa com você, é DELA TAMBÉM. Fim de papo.

    Ananda

    março 8 2015 Responder

    Essa pergunta é tão esperada quanto as flores. Quando falamos de divisão de tarefas domésticas, sempre tem um homem que trabalha muitas horas por dia e espera a comida pronta, a roupa lava, o lençol cheiroso. Claro, se as pessoas moram juntas, se há tarefas para serem feitas, se há trabalho pra ser cumprido, não tem discussão. Mas cuidado, muito cuidado com a forma que molda os questionamentos. Nenhuma mulher é feminista pra não ter que cozinhar pro marido. O feminismo não está aí pra nos tirar o peso de obrigações, não está aí como sinônimo de preguiça. O quadro que queremos montar e esperamos que as pessoas entendam é o seguinte: se você trabalhasse 12h por dia, e sua companheira também trabalhasse 12 horas por dia no emprego dela, as tarefas domésticas restantes, inclusive educação dos filhos, seriam dividias igualmente entre os dois? Ou ainda seria obrigação da mulher lavar, cozinhar e etc? E se vocês trabalhassem o mesmo tanto de horas, se vocês tivessem as mesmas funções, vocês teriam os mesmos salários? Porque sabemos muito bem que não é assim. E quando você chegava em casa do colégio, ajudava sua mãe nas tarefas de casa?
    É esperado esse tipo de questionamento porque desde sempre as coisas tem funcionado muito bem da forma que estão. Para os homens. Pode parecer absurdo para algumas pessoas, mas não assinamos nenhum contrato quando nascemos com uma vagininha e não com um penizinho nos obrigando a trabalhar/viver para outros seres que tiveram a “sorte” de nascer homens.

Sua opinião é bem vinda, desde que respeitosa. Fique à vontade para comentar abaixo