14

abr14

Nathan Palmares: Sobre o “marxismo cultural”

dia-do-orgulho-reacionario

Abaixo está um ótimo artigo de Nathan Palmares, do blog Centro do Socialismo, sobre o mito do “marxismo cultural” tão propagado pela parcela mais paranoica e fanaticamente antiesquerdista da direita brasileira. Vale lê-lo para se pensar se realmente está havendo uma doutrinação ideológica massiva de esquerda nas escolas e universidades brasileiras e na imprensa nacional.

E aviso de antemão: fugir da leitura do texto só por ter vindo de um blog socialista só deporá contra a pessoa que foge, evidenciando ela que seus motivos de ser de direita nada mais são do que passionais, de ódio injustificado à esquerda e a suas bandeiras.

 

Sobre o marxismo cultural
por Nathan Palmares, com algumas correções minhas

A direita, nos últimos tempos, vem falando constantemente sobre um tal de “marxismo cultural” que está em processo de desenvolvimento no Brasil. Segundo eles mesmos: “Marxismo cultural é um movimento ideológico que pretende implantar a revolução marxista. Não através dos meios armados ou de uma movimentação de violência, mas por meio da transformação da cultura ocidental. Na verdade, o Ocidente é uma cultura que está toda baseada, desde o tempo dos antigos filósofos gregos, principalmente depois do Cristianismo, na espiritualidade.” ¹

E nesse caminho por onde a direita ataca o suposto “marxismo cultural”, escritores como Lukács e Gramsci são descontextualizados e rotineiramente são banhados de mentiras, o que somente pessoas que nunca leram nem sequer uma única linha da obra de ambos os autores (não só deles, mas também de qualquer literatura marxista) seriam capazes de fazer.

Lukács e Gramsci jamais negaram a revolução armada, nem disseram que a revolução aconteceria única e exclusivamente pelo meio cultural. Isso é antimaterialista e, pior, pode cair no campo do idealismo. De fato, eles e a grande maioria dos escritores marxistas criticam a cultura burguesa, e isso seria algo ruim? Uma cultura classista, homofóbica, machista, racista etc. jamais deve ser a cultura de uma sociedade socialista. Dito isso, vamos voltar à realidade brasileira.

A direita enche a boca pra falar que os meios culturais são ocupados por marxistas, que a mídia é composta por marxistas, que a população após o governo do PT está com idéias marxistas na cabeça e coisas do tipo. Nesse papo furado a gente tem que escutar que “novela da Globo é propaganda marxista”, “ser de direita virou crime”, “a ditadura comunista está sendo implantada no Brasil” e coisas do tipo. Vamos avaliar as seguintes situações, para mostrar que isso não passa de pura invenção e simplismo ideológico do discurso reacionário.

Você vai numa livraria, na vitrine você vai encontrar todos os guias politicamente incorretos, o livro do Olavo, livros do Pondé, o best-seller do Lobão e atualmente o livro Esquerda caviar do Constantino. Você caminha um pouco mais na livraria e vai até áreas específicas como Política, Filosofia, Economia e História. Provável que encontrará esses mesmos livros divididos em algumas dessas áreas, mas ouse procurar algum livro marxista – se você achar “O Manifesto do Partido Comunista” ou “O Capital”, é muito. Em Economia terá mais livros ensinando a ganhar dinheiro ou explicando como o Facebook, a Apple ou qualquer empresa grande ficou rica, e os de análise econômica serão sobre como organizar financeiramente sua empresa ou algo do tipo.

Em História estarão os guias politicamente incorretos, fora livros como O livro negro do comunismo e alguns outros livros de assuntos levianos como O Carisma de Hitler e coisas do tipo, que estão lá mais pra vender do que trazer levantamentos históricos realmente importantes. Até Hobsbawn, que é mais famoso, dificilmente encontramos suas obras na seção de História. Política terá muito livro falando do mensalão e mal do governo do PT, livros como Por que virei à direita e alguns poucos como A privataria tucana e coisas do tipo. Ainda tem os clássicos, como O príncipe, mas bem poucas unidades. Filosofia terá o Guia politicamente incorreto da Filosofia, e alguns livros sobre amor, alma, e essas coisas. Dificilmente encontrará clássicos e quando encontra é um ou outro, e de autor marxista, se achar A Ideologia Alemã, é muito.

Você liga a TV e, se assistir pelo menos um jornal em qualquer canal, vai ver alguém falando mal da esquerda ou qualquer movimento ligado a ela, aí você vai assistir um programa de humor e encontra pessoa falando mal da esquerda. A novela que os reacionários tanto falam, reforçam estereótipos que são alimentados pela burguesia. Você encontra, por exemplo, como em Amor à Vida, um ex-guerrilheiro palestino que é mostrado como ex-terrorista. Você vai ao Youtube, pesquisa “socialismo” e aparece vários vídeos do Dâniel Fraga e do Olavo e outros ícones da direita, explicando como o comunismo é malvadão. Você pesquisa “comunismo” no Google e de cara aparece um site reacionário tipo Mídia sem Máscara, dizendo que o comunismo mata milhões, comunista come crianças e etc. Você acessa os sites de notícia e pelo menos uma sobre política é falando mal da esquerda. Você chega na escola ou pra sua família, fala que é de esquerda e é ridicularizado, afinal “socialismo é ditadura e blábláblá”.

Aí o PT² vai lá, privatiza setores importantes da economia, fecha diálogo com boa parte dos movimentos sociais, apoia governos como o do Rio de Janeiro, mas mesmo assim alguém faz uma imagem associando o PT com socialismo falando que todos problemas do Brasil são culpa do “bolivarianismo etc etc” e a imagem (ou vídeo) bomba na internet, 500 mil “curtir” pra cima. Aí a direita fala que as aulas de história são doutrinação marxista, simplesmente pelo fato de que na aula de história terá assuntos relacionados ao socialismo, afinal, como vamos falar do século XX sem falar das revoluções socialistas? Além do mais, nessas explicações a gente escuta coisas do tipo “Na URSS não podia casar”, “Na China não pode cortar o cabelo”, “Em Cuba o povo não é livre, é tudo escravo dos irmãos Castro”.

Constantemente vemos a criminalização dos movimentos sociais, e a prisão de ativistas políticos de esquerda. E mesmo assim a direita sai por aí afirmando com todas as letras que está sendo perseguida e etc., todos os meios de comunicação em massa se colocando contra a esquerda. Só mostra como a mídia é “censurada pela esquerda”.

Tendo em vista o que foi dito acima, já percebemos qual é a desse papo de “marxismo cultural”, ou que o Brasil beira “uma ditadura comunista gramsciana do PT”. O nome disso é esquizofrenia, síndrome do pânico ou sei lá o quê. “Marxismo cultural” só existe no mundo fechado dos reacionários. Gostaria que eles falassem com alguém na rua, alguém aleatório e perguntasse o que a pessoa acha sobre socialismo, Cuba ou assuntos derivados. Mas a direita trabalhar com a realidade é pedir demais, é bem mais fácil criar um mundo de ilusões onde as suas falsificações históricas ganham sustento em suas próprias mentiras.

 

Notas:

1 – http://www.fimdostempos.net/marxismo_cultural.html

2 – A intenção aqui não é fazer uma análise profunda do governo petista, mas sim demonstrar que não é um governo socialista.

imagrs

Seja a primeira pessoa a comentar

Sua opinião é bem vinda, desde que respeitosa. Fique à vontade para comentar abaixo