25

jun14

A direita que grita “Basta de algo ruim!” pedindo por algo ruim
"Basta de corrupção" ou "Basta de corruptos da oposição"? - uma das contradições entre o discurso e a prática de muitos direitistas brasileiros

“Basta de corrupção” ou “Basta de corruptos da oposição”? – uma das contradições entre o discurso e a prática de muitos direitistas brasileiros

Algo muito curioso vindo de uma significativa parte da direita brasileira é dizerem que repudiam algo que consideram ruim e, logo em seguida, pedirem que uma variante direitista desse mesmo algo ruim seja imposto no Brasil. É uma das mais gritantes contradições de muitos militantes de direita, uma amostra de que o que menos têm ao fazerem suas reivindicações é racionalidade e lógica.

São diversos os exemplos nos quais muitos pedem que X seja impedido instaurando-se uma versão oposta, mas dotada da mesma natureza, de X:

– Vocifera-se que o Brasil está ameaçado ou já foi tomado por uma “ditadura comunista”, e para combatê-la pedem por um novo regime militar, ou seja, uma ditadura liberal-conservadora. Pedem o fim de uma (suposta) ditadura pedindo por uma outra ditadura;

– Dizem querer liberdade religiosa, ao mesmo tempo que clamam por livre expressão e liberdade de culto para cristãos (conservadores), apoiam políticos que ameaçam a liberdade de expressão e culto de afrorreligiosos, espíritas, pagãos, ateus (no caso destes, de expressão e de não promover cultos religiosos), muçulmanos, cristãos “hereges” etc. Pedem por liberdade religiosa ao mesmo tempo que ameaçam a própria liberdade religiosa no Brasil;

– Clamam por liberdade de expressão, quando simultaneamente esforçam-se para calar seus opositores, através dessa própria reivindicação – que na verdade é uma tentativa de tirar a liberdade de outras pessoas de lhes criticarem por determinados discursos. Em outras palavras, querem discursar o que querem – mesmo discursos de ódio – sem que os outros tenham o direito de criticá-los;

– Exigem o tempo todo uma ordem social estável no Brasil, curiosamente demandando a manutenção da ordem social instável vigente. Querem que os pobres e excluídos parem de “violar a ordem” ao mesmo tempo que defendem a perpetuação de uma situação que, o tempo todo, alimenta protestos e revoltas sociais vindos dessas pessoas. E quanto mais vociferam por ordem, mais distante o Brasil fica de um estado de ordem e equilíbrio;

– Dizem querer uma economia próspera, quando estão se posicionando contra as iniciativas do Estado de reformar a economia no intuito de torná-la próspera. Entoam discursos de livre mercado e não interferência estatal, apostando num estado de coisas muito perigoso e potencialmente insustentável e não admitindo que um Estado capitalista possa ativamente beneficiar ao mesmo tempo as empresas, seus funcionários, os consumidores e os números econômicos gerais*;

– Discursam fortemente “contra a corrupção”, usando de meios corruptos para “combatê-la”. Por exemplo, é comum que usem citações falsas, boatos, fotomontagens e dados distorcidos e critiquem apenas corruptos aos quais fazem oposição, protegendo com silêncio e cumplicidade aliados indiciados em escândalos;

– entre outros exemplos.

Em casos assim, é de se duvidar fortemente se direitistas desse tipo realmente querem um mundo sem corrupção, com liberdades garantidas para todos, com ordem equilibrada e duradoura e com economias prósperas. É de se pensar se simplesmente querem, ao invés, que a direita assuma o poder e privilegie quem comunga com as crenças políticas oficiais.

Daí perguntemos a quem se diz de direita e defensor do que foi listado acima: A defesa da democracia deles inclui liberdades políticas para a esquerda assumida? A liberdade religiosa defendida também é para afrorreligiosos, espíritas, ateus, pagãos, muçulmanos etc.? A ordem é equilibrada por beneficiar a todo mundo de forma indistinta? A liberdade de expressão também inclui a liberdade de esquerdistas criticarem e condenarem certos discursos de direitistas? O desejo de uma economia próspera é incondicional, mesmo que não seja do jeito exato que a direita livremercadista quer? No país “sonhado” que combate a corrupção, direitistas também são indiciados, condenados e proibidos de legislar ou governar por ações corruptas?

E fiquemos de olho se eles responderem “sim” a essas perguntas mas agirem de tal forma que fica claro que mentiram e sua verdadeira resposta é “não”. Deve ficar claro se esses direitistas realmente querem um mundo melhor e mais livre para todos ou apenas um mundo onde ganhem privilégios por fidelidade ideológica a quem está no poder.

 

*Esse trecho não implica que eu defenda Estados capitalistas e economias capitalistas fortes. Me refiro, na verdade, a experiências socialdemocratas, que conseguiram dar um mínimo de direitos aos trabalhadores e aos consumidores sem que as empresas em sua maioria deixassem de lucrar.

imagrs

Seja a primeira pessoa a comentar

Sua opinião é bem vinda, desde que respeitosa. Fique à vontade para comentar abaixo