17

jun14

A veneração a Miguel Nicolelis: quando cientófilos agem como religiosos fervorosos e a esquerda age como a direita
O tão falado exoesqueleto do projeto "Andar de novo", encabeçado por Miguel Nicolelis

O tão falado exoesqueleto do projeto “Andar de novo”, encabeçado por Miguel Nicolelis

Atualizado em 17/06/14 às 18h54, com mais links questionando a pesquisa e a conduta de Nicolelis

Desde a cerimônia de abertura da Copa do Mundo, tem-se difundido na internet uma autêntica veneração à imagem do neurocientista Miguel Nicolelis. Ele tem se tornado praticamente um objeto de culto à personalidade, principalmente entre entusiastas da ciência e pessoas convictamente de esquerda. O que se tem visto é ceticismo científico e prudência política de menos e admiração demais, algo que viola seriamente o “espírito científico” e a convicção igualitária que essas categorias dizem ter.

Depois da demonstração do protótipo do exoesqueleto do projeto “Andar de novo”, alegadamente injustiçada por ter sido veiculada pela TV por apenas dois segundos, o nome do cientista foi elevado aos céus, quase como um messias da ciência brasileira. Tem sido afirmado, de forma comparável ao ufanismo de copa de muitos brasileiros, que o trabalho de Nicolelis “inquestionavelmente” vai fazer com que cadeirantes voltem a andar, e que o nome dele “será lembrado nos livros de História”.

Isso sem falar nas patadas verbais feitas pelo neurocientista via Twitter em resposta a nomes como Reinaldo Azevedo e Roger Moreira, ambos conhecidos pelo reacionarismo, que haviam tentado desmerecer de forma vazia o trabalho atribuído a ele. Grande parte da esquerda e dos governistas pró-PT comemoraram isso, e daí ele passou a ser um “herói” ao mesmo tempo tecnocientífico e político.

É curioso ver, com tudo isso, que tanto os “amantes da ciência”, muitos deles neoateus ferrenhos e autointitulados “céticos”, têm se comportado de maneira parecida com católicos ferrenhos que veneram santos e desdenham a ciência moderna, ignorando a necessidade de contemplar trabalhos científicos com senso crítico e evitação de respostas definitivas. E também a esquerda exaltadora de Nicolelis tem agido igual à direita forjadora de “heróis nacionais”, superestimando o “herói”, ignorando os coadjuvantes outrora ou atualmente liderados por ele e colocando-o num pedestal que o diferencia hierarquicamente dos “comuns”. Isso com a diferença de que, enquanto a direita costuma construir imagens “heroicas” de chefes de Estado, militares, magistrados e empresários do passado, a esquerda está tentando esculpir uma estátua de herói para um cientista do presente.

Nesse louvor onde os cientófilos fazem pouco caso dos valores imbuídos no método científico hoje predominante e muitos esquerdistas incidem em vícios de direita, Nicolelis tem sido superestimado. Esquecem que o trabalho dele não é algo imaculado, havendo muitas denúncias sobre exploração animal, questionamentos sobre a ética profissional das pesquisas que ele encabeça, objeções sobre os reais objetivos de algumas (se não a maioria das) pesquisas de autoria dele e o trato dele para com colegas de trabalho e dúvidas céticas sobre se ele realmente trabalha em prol da comunidade científica radicada no Brasil.

Trago alguns links que convidam aqueles que tanto têm venerado esse “herói da ciência” a repensarem se ele é realmente esse “herói imaculado” esculpido no imaginário coletivo:

http://www.ogritodobicho.com/2014/06/miguel-nicolelis-um-cientista.html
http://saude.estadao.com.br/noticias/geral,instituto-de-nicolelis-enfrenta-apagao-cientifico-imp-,974226
http://deolhonodiscurso.wordpress.com/2011/07/30/epoca-o-pesquisador-que-desafiou-o-mais-renomado-cientista-brasileiro/
http://oholocaustoanimal.wordpress.com/2014/04/30/o-lado-negro-dos-experimentos-de-miguel-nicolelis/
http://www1.folha.uol.com.br/fsp/ciencia/fe2607201101.htm
http://www.rsparadesporto.org.br/default.php?reg=1065&p_secao=30
http://noticias.terra.com.br/ciencia/instituto-de-nicolelis-passa-por-crise-e-questionamentos…
https://www.youtube.com/watch?v=lQ_ysnHOMqU

Também convido a pensarem se a ciência como se conhece hoje é realmente uma dimensão de conhecimento isenta de intenções políticas, interferências ideológicas e valores culturais, e se os cientistas realmente são seres abnegados, ideologicamente neutros, imunes a interesses políticos e cumplicidades com o sistema econômico vigente, comprometidos apenas com o “progresso da humanidade” e a produção de conhecimento. Ou se, pelo contrário, a ciência moderna também é orientada por valores culturais, movida a contextos políticos, suscetível às subjetividades e interesses dos cientistas, e as crenças e valores destes interferem diretamente na metodologia e nos resultados das pesquisas.

Em horas como essa, fica clara a necessidade de jamais abandonar o “espírito científico” e a prudência política quando o assunto é ciência. Quando não se aplica o ceticismo à própria ciência, que dizem ser cética por natureza, ela vira algo bem parecido com uma religião dogmática conservadora dotada de doutrina canônica e seres santos superpoderosos, e cientistas passam a ser tratados como “profetas” ou “messias” que “não devem ser questionados”. E é isso o que tem acontecido entre a opinião pública em relação a Nicolelis e seu trabalho.

imagrs

12 comentário(s). Venha deixar o seu também.

João

outubro 31 2015 Responder

Ele é um neurocientista, pode ser o primeiro brasileiro a ganhar um prêmio Nobel e o trabalho dele vai ajudar milhares de pessoas. E você… quem é você, mesmo?

O problema seria que ele vilipendia os bichinhos, nossos amiguinhos? O que você sugere então? Gostaria muito de ver a sua alternativa.

FYI, um tal de Mengele fazia experimentos e usava cobaias humanas em suas experiências. O pessoal não gostou muito do que ele fez. Só para te avisar, caso você não saiba.

    Robson Fernando de Souza

    outubro 31 2015 Responder

    “Ele é um neurocientista, pode ser o primeiro brasileiro a ganhar um prêmio Nobel e o trabalho dele vai ajudar milhares de pessoas. E você… quem é você, mesmo?” – Eu “sei” quem você é: um usuário da falácia dupla de apelo à autoridade e desqualificação pessoal (ad hominem), que jura estar “arrasando” com meu texto ao tentar atacar minha pessoa ao invés dos argumentos que meu texto traz.

    “O problema seria que ele vilipendia os bichinhos, nossos amiguinhos? O que você sugere então? Gostaria muito de ver a sua alternativa.” – Pergunte aos biotecnólogos que respeitam os animais, eles estão desenvolvendo alternativas.

    “FYI, um tal de Mengele fazia experimentos e usava cobaias humanas em suas experiências. O pessoal não gostou muito do que ele fez. Só para te avisar, caso você não saiba.” – Pro caso de você não saber, você está usando falácia do espantalho mista com falsa dicotomia, ao (parecer) crer que nós defendemos que pesquisas cruéis sejam feitas em humanos e que só existem dois meios de realizar esse tipo de pesquisa: em animais não humanos ou em humanos.

Pedro Abreu

julho 8 2014 Responder

Mais um pra lista:

“…nenhum outro movimento foi realizado pelo exoesqueleto, além daquele que aparece nos 2 segundos de transmissão da TV. O paciente não se levantou de uma cadeira de rodas, e não andou em nenhum momento. Ele foi colocado em campo já em pé, transportado por um carrinho de golf equipado com um pequeno “guindaste” na parte de trás. Não deu nenhum passo.”

http://blogs.estadao.com.br/herton-escobar/andar-de-novo-o-que-a-tv-nao-mostrou/

FÁBIO

junho 28 2014 Responder

Concordo que culto à personalidade é coisa primária e obedece aos mesmos impulsos que movem o espírito religiosos. O próprio Nicolelis tem frisado que o que faz é um trabalho coletivo e que ele coordena, Não tem tanta culpa quando os outros tratam de fazer discursos ufanistas em torno do seu trabalho colocando o cientista em evidência. Na verdade ele coordena um grupo ao qual orienta na definição de suas grandes linhas. Para a grande maioria das pessoas Nicolelis nem será lembrado ainda mais com 2 segundos de fama,
Mas acho o seguinte numa onde as pessoas se permitem tietar o Latino, Ivete Sangalo, pagodeiros, funkeiros, Luiciano Hulck, e muitos etc lhe digo…Nicolelis é um luxo, uma calça de veludo em meio a uma plêiade de celebridades com bunda de fora. .
.

Ricardo

junho 27 2014 Responder

Concordo quando louvam o cientista como se fosse um santo, sem criticidade e um pouco de aprofundamento, excluindo sua equipe e instituição que o apoia. Quanto a exploração de animais, não sei como ele fazia isso. Acredito que a melhor alternativa até agora, excetuando testes em humanos (que são animais de qualquer forma), seria testar tais experimentos e teorias em animais. Não tenho embasamento científico para tal, mas pesquisei um pouco e por enquanto, foi o melhor que encontrei.

Eugênio Andreola

junho 21 2014 Responder

Se você quer seu comentário aprovado, comente sem baixaria e sem depreciar meu trabalho, ok? RFS

    Eugênio Andreola

    junho 21 2014 Responder

    Ou seja, devo concordar com tudo o que você falou né?
    Aprova ele ai!

      Robson Fernando de Souza

      junho 21 2014 Responder

      Promovendo críticas destrutivas, baixaria e grosseria, nem pensar. Saiba criticar com civilidade e sem mostrar desprezo pelo meu trabalho, aí seus comentários serão liberados.

Ebano

junho 20 2014 Responder

Como sempre digo: é mais fácil criticar do que fazer algo! Que tal se aqueles que o criticam tentassem fazer o mínimo para a melhoria de alguma coisa neste país? Além disso, vamos considerar que o cara é reconhecido internacionalmente, especialmente através do apoio e financiamento que recebe a partir da Universidade de Duke. Mas, é a síndrome do vira-lata: se é um brasileiro que fez, então não presta….

    Robson Fernando de Souza

    junho 20 2014 Responder

    Criticar brasileiros que exploram animais é síndrome de vira-lata, é isso?

Tiago

junho 20 2014 Responder

Esse texto seu considera que o cara não só reconhecido no Brasil? E por isso reduz de ser uma coisa política. Não né. Pois é… É a síndrome do vira-lata né. Já leu este texto?
Abraço!

    Robson Fernando de Souza

    junho 20 2014 Responder

    E pelo visto vc não considerou que eu mencionei exploração animal e questionamentos de conduta.

Sua opinião é bem vinda, desde que respeitosa. Fique à vontade para comentar abaixo