06

ago14

Notícias rápidas – 06/08/14

noticias-rapidas

A partir de hoje, sempre que houver muitas notícias que sejam numerosas demais para eu trazer individualmente, trarei um post como este, de “notícias rápidas”, resumindo essas matérias e alimentando a consciência de quem quer pensar o mundo sob um ponto de vista libertário.

***

O candidato a governador do Rio de Janeiro Marcelo Crivella (PRB), depois de ter dito em evento recente que “homossexualismo (sic) é pecado”, prometeu que seu governo “não terá homofobia”. Pelo visto ele não sabe direito o que é homofobia (menos ainda o que é heterossexismo – preconceito contra qualquer pessoa não heterossexual), ou distorce livremente, à maneira do homem-ovo Humpty Dumpty, o significado de “homofobia” para que pareça algo que é conveniente para ele dizer que “é contra”. E de quebra prometeu a expansão das Unidades de Polícia “Pacificadora” (UPPs), reforçando que seu governo pretende continuar as políticas de policialização de problemas sociais.

***

O vereador de Rio Grande (RS) Wilson Duarte da Silva fez um discurso constrangedor na Câmara Municipal daquela cidade, dizendo que “os negros querem se favorecer, isso que é racismo, afinal os negros já estão quase brancos, estão saindo com loira, polaca, estão comendo em restaurantes…”, em referência às cotas raciais. Tentou negar o racismo no Brasil utilizando ele próprio um discurso racista.

***

O governo Dilma acumula mais um recorde negativo em se tratando de política (anti)ambiental: é o primeiro governo, desde a redemocratização, que não criou nenhuma unidade de conservação na Amazônia. Em todo o seu primeiro mandato, aliás, só criou três unidades, totalizando 44 mil hectares, enquanto Lula havia criado 26,7 milhões de hectares de UCs. Isso é o governo que quer ser reeleito em outubro – um governo alinhado com os interesses não da Natureza humana e não humana, mas sim dos latifundiários e das empresas madeireiras, mineradoras e empreiteiras.

***

Apesar de ter sido provado que Fábio Hideki e Rafael Lusvarghi não carregavam nenhum artefato explosivo – a acusação de porte de material perigoso foi uma tentativa da polícia de São Paulo de persegui-los politicamente -, o juiz Marcelo Matias Pereira se negou a libertá-los, mantendo-os vítimas de prisão política. E ainda chamou os adeptos da tática black bloc de “esquerda caviar”, num grave caso de interferência radical de convicções político-ideológicas numa decisão de caráter judicial.

imagrs

3 comentário(s). Venha deixar o seu também.

Ricardo Ibn

agosto 7 2014 Responder

Boa tarde!

Não entendi o comentário sobre a primeira noticia. A homofobia está em considerar a homossexualidade um pecado?

    Robson Fernando de Souza

    agosto 7 2014 Responder

    Isso =) Da mesma forma que considerar “pecadora” uma mulher por ela não ser submissa ao marido seria misoginia.

Sua opinião é bem vinda, desde que respeitosa. Fique à vontade para comentar abaixo