21

out14

Atenção a mendiga branca de Niterói considerada bonita contrasta com desprezo a moradoras de rua negras

mendigata-racismo

Desde o último dia 18, o portal do jornal O Globo está falando de uma moradora de rua de Niterói, atraindo para ela a atenção da população brasileira e, de certa forma, despertando alguma compaixão de muitos leitores do site pela situação dela de vulnerabilidade social. Branca, bonita e caída da classe média, Jéssica Pinto da Luz, chamada de “mendigata”, tem recebido uma grande atenção e admiração, contrastando com milhares de outras mendigas que, negras, de origem pobre e consideradas “feias”, têm nada mais do que o desprezo e até o nojo dessa mesma população. E reacende a discussão sobre racismo, elitismo e compaixão seletiva por pessoas em situação de risco social.

O portal descreve-a fisicamente, destaca que ela “chama a atenção” dos transeuntes que passam perto dela e mostra que há pessoas compadecendo-se de sua situação:

Com 1,74m, 55 quilos, olhos castanhos claros, rosto delicado e cabelos ruivos até a altura do ombro, Jéssica, com sua beleza, chama a atenção dos pedestres do bairro, que a apelidaram de “mendigata” e “Gisele Bündchen”.

— Ela é uma menina linda, inteligente e dócil, mas infelizmente está perdendo a luta contra as drogas. Torço para que consiga se libertar desse vício e possa um dia sair das ruas — deseja o porteiro José Aldir dos Santos (a quem Jéssica chama de coroa), que sempre que pode dá comida e conselhos à jovem.

A Prefeitura de Niterói diz que já está provendo assistência social à moça, segundo O Globo:

Em nota, a prefeitura afirma que “a jovem não se encontra mais no local e está sendo acompanhada desde quinta-feira pelas equipes de assistência social e saúde”. Jéssica diz que tem passado os dias no abrigo municipal Florestan Fernandes, no Centro, e que, à noite, volta às ruas para dormir.

O portal também divulgou fotos dela de quando era uma contente moça de classe média e morava em alguma cidade do estado do Espírito Santo. Fala dos sonhos dela. E reporta que ela também recebeu a atenção da atriz Fernanda Lacerda, a “Mendigata” do programa Pânico na TV, que quer ajudá-la.

Enquanto a “mendigata de Niterói” recebe toda essa atenção e compaixão, milhares de moradoras de rua negras pelo Brasil, excluídas do padrão de beleza vigente e que nunca pertenceram à classe média, continuam sendo tratadas como lixo, como “rejeitos urbanos”. E recebem muito menos atenção positiva e compaixão.

O que mais recebem, ao contrário de Jéssica, são viradas de rosto, desprezo, agressões verbais, enxotamentos. O poder público tenta varrê-las das ruas como se fossem lixo jogado nas vias públicas, objetos indesejáveis que enfeiam e maculam a cidade. São desumanizadas todos os dias. A não ser por uma ou outra boa alma, não têm ouvidas suas histórias de vida, suas trajetórias de sofrimento e privações, suas esperanças, seus sonhos.

Não recebem o mínimo de atenção positiva da mídia, de gente da TV, de políticos. Como não correspondem ao padrão de beleza que valoriza a branquitude, o corpo sexy e a aparência de mulheres de classes média a alta, são desprezadas, apagadas, esquecidas. E tendem a nunca ter a “sorte” que a “mendigata” está tendo.

Um contraste parecido foi evidenciado dois anos atrás, com o então morador de rua Rafael Nunes, de Curitiba. Também branco, de aparência europeia, caído da classe média e admirado como “mendigo gato”, recebeu uma série de ajudas da mídia e de outras pessoas que diziam ter bom coração. Enquanto ele era premiado com o que havia de mais “bondoso” e “compassivo”, milhares de homens negros também em situação de rua permaneciam, na mesma Curitiba e tantas outras cidades brasileiras, sob as sombras do abandono humanitário, do apagamento social, do assombro da fome cotidiana e da violência das ruas.

Os casos de Jéssica e de Rafael, tão escandalosamente contrastantes com a situação quase imutável de incontáveis mendigas e mendigos negras(os), refletem o racismo e o elitismo que imperam na cultura brasileira. Esses dois preconceitos determinam para quem serão dedicados até mesmo os sentimentos e valores mais nobres das pessoas. Pessoas socialmente vulneráveis que sejam brancas, jovens, consideradas bonitas e reconhecidas como caídas das classes média a alta tendem a receber muito mais compaixão, compadecimento, piedade, empatia, solidariedade, filantropia, do que pessoas que são negras e consideradas “feias” e sempre estiveram no térreo ou no subsolo da pirâmide social.

Se não fosse branco, jovem, considerado bonito e com aparência ligada à pertença à classe média, Rafael não teria tido a “sorte” que teve. O mesmo se aplica a Jéssica: se fosse “mais uma” moradora de rua negra, pobre desde sempre, excluída do padrão de beleza vigente e com mais de 40 anos, jamais viria a ter a atenção e ganhar chances elevadas de ter em breve a mesma oportunidade de recuperação e reinclusão social.

Fica assim o convite à reflexão e à discussão: sua compaixão por moradores de rua é altruísta, sincera e justa? Ou tende a priorizar pessoas que tenham as já mencionadas características desses dois “mendigos gatos” e apagar quem não as possuam? E quanto à mídia, discutamos esse papel social seletivo que ela tem exercido, sorteando por critérios discriminatório que terá sua “compassiva” atenção ou seu mais frio desprezo.

imagrs

23 comentário(s). Venha deixar o seu também.

Junior

outubro 17 2015 Responder

Tenho lutado contra os mestres na sabedoria. Ao invés de dar souções , todos gostam de apontar erros porque em…… Racismo, classifcações que delimitam se as pessoas servem ou não é coisa humana e humano erra o tempo todo. Julgar quem esta certo ou errado, nos torna juiz. Deus é Juiz, nós não somos nada. Não sou afro descendente e sou perseguido por igreja porque sou separado. Perseguição se não for por etinia vai ser por outra coisa. Julgar persegui acho que é natureza humana, como sempre se colocar na posição de Deus. Quando alguém faz alguma coisa que ninguém fez sempre tem alguém para dar a opinião de que forma tinha que ter feito, e criticar se foi bem feita ou não. Porque ao invés de criticar , porque não tomaram a frente e fizeram. Peço por misericordia, Antes de julgar, se pergunte. o que tenho feito para mudar esqte quadro de perseguições, de racismos, de balança enganosa, de desonestidade, de mentiras. A Biblia diz que a mar é o melhor DOm Acredito que a oração do Pai Nosso e feita por todas as religiões cristãs, e nela fala “” perdoai as nossas ofenças assim como tenho perdoado a quem nos tem ofendido”””” voce tem feito isto ? Errar e caracteristica huma. Não existe um só justo na terra. Vamos tentar ser melhores. Ao inves de julgar , vamos nos colocar no lugar e pensar. O que eu deixei de fazer, que o outro tentou e não fez como deveria ter feito. Vamos fazer mais e criticar menos. Vontando o caso da Jéssica poderia ser qualquer uma. Aconteceu. Tem uma Senhora de rua chamada Raimunda . Mora em Niterói, moradora de rua , deve ter mais de 60 anos. ja fiz de tudo para ajudar ela. fuitratado com indiferença, Para se ajudar uma pessoa precisa de duas coisas básicas. O ajudador, e quem quer receber ajuda e abre a guarda. As pessoas estão tralmatizadas que não conseguem mas acreditar na verdade, porque a verdade esta saindo de moda. Exemplo estou 4 anos separado. Começo um namoro, coloco uma aliança no dedo, quando falo em casamento correm. as pessoas não acreditam no meu desejo de constituir familia hoje pensam que seja eterno enquanto dure. Verdade saiu de moda. SINTO MUITO. O homem perdeu credibilidade. Ninguém mais quando se aproxima querendo ajudar ou fala lguma coisa tem credibilidade, porque mentir hoje virou naturalidade.
Volto a dizer. Antes de julgar pense o que deixei de fazer que outro fez , e não fez a contento.

Fernandes

outubro 1 2015 Responder

Quanto ao gosto de cor e d cabelo ;,existem negras lindas e brancas feias , negras feias e brancas lindas. O importante é uma mulher bem cuidada. Gosto nao se discute, racismo e injuria racial sim, isso se discute. O tumulo e frio e silencioso; os ossos de um branco e d um negro sao brancos . No túmulo nao tem arrogancia nem superioridade, ali perde se td o q faz mall ao próximo…carater e respeito é essencial. Sou branco , cabelo liso , acima d 1.80; segundo as pessoas, tenho boa aparencia, mas para mim o mais importante e eu respeitar ao próximo e agradar a Deus, aí sim, minha vida será sempre saudavel ,a sua também ….

JUNIOR

agosto 10 2015 Responder

Na questão da Jéssica, o primeiro a achar ela antes da Globo foi eu, as primeiras fotos antes da Globo foram minhas, Moro em frente onde ela foi achada. e vi quando ela apareceu por volta das 3h da madrugada pela janela. Agora a questão de rascismo começa por ela ser branca. Não seria racismo também condenar a ajuada a uma menina por ser branca. Eu fui noivo de uma mulher negra por quase 4 anos e sou Branco. logo não sou racista. Acho que a paratir do momento qur se faz uma coisa com um branco o negra fica discriminado. Como na faculdade que exigiram cotas para negros. não seria racismo com os brancos. Isto é um caso de oportunidade. Sou fotografo e tirei foto de belas meninas negras por coisidência caiu com uma branca, mas poderia ser uma negra. ACREDITEM SE QUISER. AS MENINAS BRANCAS GOSTAM MAIS DE TIRAR FOTOGRAFIA DO QUE AS NEGRAS. Ai vaime dizer que sou racista???? Eu convido, Estou em treinamento, preciso de modelos. As negras não querem as brancas querem. É racismo. Muitas disseram para mim. Não muito obrigado. Tenho um arquivo com muitas. NÃO SOU RACISTA. Tu é uma questão de sorte, de oportunidade. Calhou. Racismo sim é rotular que ela é branca e não pode receber ajuda. Racismo sim é cotizar vagas em faculdade para negros e não para brancos. Ja pensou concurso publico??? A vaga tem que ser de quem tem capacidade., não pela etinia. Eu acho os negros mais racistas do que os brancos, e pior ao invés de inautecer a raça de ser negro usando penteados afros e roupas afro, querem ficar loiros, e usar roupas que não condiz com a raça. O NEGRO , A RAÇA NEGRA É LINDA. A MULHER NEGRA É LINDA, FALTA AUTO ESTINA. NÃO É CASO DE RACISMO.

    Robson Fernando de Souza

    agosto 11 2015 Responder

    Olá, Junior. O texto não diz que ~você~ foi racista por conta do caso, mas sim que a sociedade, incluindo a mídia, é racista por ajudar quase sempre mendigos brancos que decaíram da classe média ou alta e são considerados “bonitos” e virar as costas a mendigos negros considerados “feios” (e, em alguns casos, até deseja-se a morte desses mendigos).

    Sobre dizer “tive noiva negra, logo não sou racista”, isso não prova nada. Pelo contrário, é uma falácia chamada Tokenização – mais info: http://blogueirasfeministas.com/2012/10/glee-formula-nova-velhos-preconceitos/
    Se você realmente desconstrói racismo, não é “ter tido uma noiva negra” que vai provar essa atitude, mas sim suas ações.

    “ACREDITEM SE QUISER. AS MENINAS BRANCAS GOSTAM MAIS DE TIRAR FOTOGRAFIA DO QUE AS NEGRAS.”
    Qual estatística você tem em mãos pra provar isso? E já se perguntou por que (muit)as negras (supostamente) gostam menos de tirar foto que as brancas e não querem ser modelos?

    “Tu[do] é uma questão de sorte, de oportunidade. […] Racismo sim é rotular que ela é branca e não pode receber ajuda. Racismo sim é cotizar vagas em faculdade para negros e não para brancos. Ja pensou concurso publico??? A vaga tem que ser de quem tem capacidade., não pela etinia.”
    Sobre isso, recomendo que leia esse artigo: http://consciencia.blog.br/2015/07/falacias-da-oposicao-as-cotas-raciais.html

    “Eu acho os negros mais racistas do que os brancos, e pior ao invés de inautecer a raça de ser negro usando penteados afros e roupas afro, querem ficar loiros, e usar roupas que não condiz com a raça.”
    Ditar como os negros “deveriam” se comportar não é algo a se esperar de quem diz “não ser racista”. Além disso, você culpabiliza a população negra, e não a cultura racista brasileira que odeia a cultura afrodescendente coage as pessoas negras a se “assimilarem” aos costumes de brancos, por parte dela adotar esses costumes?

Márcio

março 21 2015 Responder

Sou negro, minha mãe é branca, meu pai é negro, tenho a dizer o racismo foi implantado a milhares de anos, as pessoas infelizmente tem o racismo dentro delas, é uma luta diária, minha cabeça é erguida nós negros temos que saber de uma coisa, que na travessia do oceno morreram milhares, de 1500, nós navio negreiro chehavam 300, somos maiores e mais fortes super raça, seleção natural

Elifas Araujo

janeiro 11 2015 Responder

Vou apresentar dois casos que podem me passar por racista, mas não é o caso: Incomodo-me
a – quando vejo um homem negro com uma mulher branca, e BONITA, mas não é por racismo;é por CIUME. Essa mulher deveria estar comigo.
b – quando vejo um homem branco com uma mulher negra, e BONITA, mas não é por racismo;é por INVEJA. Essa mulher deveria estar comigo.
Ou vice-versa.

Domingos

dezembro 31 2014 Responder

O colonizador europeu vem ao longo do tempo impondo e reforçando como padrão estético o seu biótipo físico, inclusive como forma de reforço de papeis sociais de acordo com a raça, exemplo: Homens negros sempre apresentados em trabalhos braçais e e brancos sempre em posição de poder. Pelo técnica do reforço psicológico, novelas, filmes inclusive nas entrevistas dadas em jornais, exemplo: Quantos médicos negros são entrevistados por ano para falar sobre seu campo de atuação?

Paloma

novembro 16 2014 Responder

Muito boa a matéria! Parabéns! Olhar um assunto sob outro ponto de vista sempre engrandece o conhecimento.
Grata.

    Robson Fernando de Souza

    novembro 17 2014 Responder

    Obrigado, Paloma =)

abel

novembro 9 2014 Responder

Para se ter compaixão do outro não é necessário olhar a cor da sua pele e nem seu biotipo físico.

Miriam

outubro 30 2014 Responder

Sou feia e sempre fui excluída.

ric ricardo

outubro 28 2014 Responder

Eu acho brancas mais bonitas. Sou racista por causa dessa preferencia?

    ric ricardo

    outubro 29 2014 Responder

    Estou no aguardo da resposta dos intelectuais esquerdistas. Acha meninas brancas mais bonitas. Sou racista por isso?

      Paloma

      novembro 16 2014 Responder

      Sim. Como ainda não percebeu isso?
      Quer dizer que vc escolhe uma namorada pela cor e não se considera racista???!!!!

    Robson Fernando de Souza

    outubro 29 2014 Responder

    Não digo que você é racista. Mas sim que segue um padrão de beleza que tem uma essência e origem racistas.

Juliana

outubro 22 2014 Responder

“padrão de beleza vigente não existe” rs
O fato de as moças em publicidade, televisão, etc serem brancas, de cabelo liso e excessivamente magras por simples coincidência né.

    RespostaJusliana

    outubro 24 2014 Responder

    1) As revistas colocam mulheres BONITAS (e nao necessiamente brancas, cabelo liso, etc) porque as mesmas VENDEM MAIS. O que acontece é que a maioria das pessoas é branca e a maioria das pessoas ficam mais bonitas de cabelo liso. Como eu disse, sao CARATERISTICAS SEXUALMENTE DESEJAVEIS e nao “padrao de beleza vigente” imposto por algo ou alguem.

    2) ALGUMAS revistas (principalmente aquelas femininas) colocam mulheres MUITO magras nao por isso ser bonito, mas porque isso vende mais, uma vez que há muitas mulheres buscando dietas. AS outrars revistas colocam mulheres nao muito magras

    3) Repense seus conceitos. Vc acha que mulheres (a maioria) gostam de homens altos e fortes porque? Porque a midia lhes disse ou pq a biologia e a evolução as criou assim?

      Paloma

      novembro 16 2014 Responder

      kkkkkkk
      [Ofensas contra comentadores não é permitida. Evite dirigir adjetivos depreciativos contra outras pessoas. Trecho apagado. RFS]
      Esse mundo está cheio de gente que não raciocina.
      O que falta neste mundo é educação de qualidade. Educação que ensine as pessoas a refletirem!

    Resposta Juliana

    outubro 24 2014 Responder

    1) Repense seus conceitos. Vc acha que mulheres (a maioria) gostam de homens altos e fortes porque? Porque a midia lhes disse ou pq a biologia e a evolução as criou assim? E o que te faz pensar que o mesmo nao ocorre com os homens?

    2) As revistas colocam mulheres BONITAS (e nao necessariamente brancas, cabelo liso, etc) porque as mesmas VENDEM MAIS. O que acontece é que a maioria das pessoas é branca e a maioria das pessoas ficam mais bonitas de cabelo liso, e por isso, a maioria das fotos são de pessoas assim. Como eu disse, sao CARATERISTICAS SEXUALMENTE DESEJAVEIS e nao “padrao de beleza vigente” imposto por algo ou alguem.
    Existem negras nas revistas SIM. Existem pessoas de cabelo cacheado nas revistas SIM. Vc que está com uma visão seletiva de mundo. Dá um google aí.

    3) ALGUMAS revistas (principalmente aquelas femininas) colocam mulheres MUITO magras nao por isso ser bonito, mas porque isso vende mais, uma vez que há muitas mulheres buscando dietas. As outras revistas colocam mulheres nao muito magras, como as revistas masculinas, panicats etc

      Robson Fernando de Souza

      outubro 24 2014 Responder

      “Existem negras nas revistas SIM. Existem pessoas de cabelo cacheado nas revistas SIM. Vc que está com uma visão seletiva de mundo. Dá um google aí.” – Em uma a cada cem edições.

      É muito esforço pra negar a existência de formas veladas de racismo e machismo, viu?

Ronaldo

outubro 22 2014 Responder

Robson,

“padrao de beleza vigente” Nao existe.
Existem caracateristicas sexualmente desejaveis. Isso advem da biologia. Negar isso é negar a ciencia, é negar a teoria da evolução.

Caso ainda nao tenha se convencido, entao me responda:
Por quanto tempo vc tem q olhar pra foto de uma pessoa dita “feia” para que vc considere “bonita”?

Favor repensar seus conceitos

Ronaldo

outubro 22 2014 Responder

Robson,

“padrao de beleza vigente” Nao existe.
Existe caracateristicas sexualmente desejaveis. Isso advem da biologia. Negar isso é negar a ciencia é negar a teoria da evolução.
Caso aind anao tneha se convencido, entao me repsonda:
Por quanto tempo vc tem q olhar pra foto de uma pessoa dita “feia” para que vc considere “bonita”?

Favor repensar seus conceitos

ronaldo

outubro 21 2014 Responder

Comentários sobre a vida pessoal do autor do blog não são permitidos aqui. Comentário apagado. RFS

Sua opinião é bem vinda, desde que respeitosa. Fique à vontade para comentar abaixo